Por que uma Transportadora quebra?

Afinal, o que leva uma Transportadora a quebrar?

Por que, depois de tantos anos de atuação no mercado, após registrar um crescimento contínuo, ano após ano, uma Transportadora desaparece.
Qual o motivo de um modelo bem sucedido de gestão tornar-se uma grande dor de cabeça, e levar uma Transportadora a um difícil quebra-cabeça?
Verdadeiros ícones do setor sucumbiram diante dos inúmeros obstáculos ao qual foram submetidas. Você se lembra de empresas como Etsul, ITD, Dom Vital, Itapemirim, Rápido Paulista, Tresmaiense, Rebesquini, Rodoviário Michelon, entre outros.
E por que isso ocorreu?
Qual a explicação?
Estamos em um mercado altamente volátil, onde tudo ocorre muito rapidamente. Empresas vem e vão com tamanha facilidade. Modelos bem sucedidos no passado poderão não ser suficientes para lidar com os desafios futuros.

As principais causas para a mortalidade das empresas de transportes são:

- problemas com a sucessão familiar

- falta de planejamento estratégico

- gestão deficiente do negócio

- flutuações causadas pela conjuntura econômica

Problemas com a Sucessão Familiar
Infelizmente sobrenome não basta. É preciso muito mais do que isso; é necessário estar apaixonado pelo que faz e vibrar pela empresa. Também é importante ter uma formação acadêmica a altura dos desafios propostos. E buscar compreender em detalhes o funcionamento da empresa e do mercado, se aprofundando nos diferentes setores do negócio. Portanto, prepare adequadamente os sucessores da sua empresa, oferecendo a ela todos os subsídios necessário para uma formação completa.

Falta de um Planejamento Estratégico
Muitos proprietários de Transportadoras ainda acreditam que o planejamento estratégico engessa a empresa e dificulta a tomada de decisão e a capacidade de adaptar-se às mudanças de mercado. É preciso ter um plano de negócio detalhado, objetivo, com metas estabelecidas no curto, médio e longo prazo, complementado por um orçamento. Sem isso, a empresa fica exposta à sorte, como na música deixa a vida me levar, vida leva eu. Se você não tem um caminho a seguir, qualquer um servirá. Busque a ajuda externa de um especialista de mercado e em conjunto com ele, desenvolva cenários futuros para a sua empresa e se aprofunde nas ações-chave necessárias para alcançar os objetivos propostos.

Gestão Deficiente do Negócio
Isso envolve diversos fatores, e começa pela contratação de amigos e parentes, que normalmente não atendem aos pré-requisitos para cada cargo/função. Geralmente, essa turma cria uma hierarquia de poder paralela, comprometendo a atuação dos gestores da Transportadora, já que acessam diretamente os proprietários da empresa, desrespeitando o organograma existente. Além disso, alimentam a rede de boatos e fofocas na empresa, manipulando os fatos a seu favor.
Também envolve a questão da falta de dados confiáveis para a tomada de decisão na empresa. Muitas vezes os demonstrativos financeiros são gerados com grandes atrasos e os números não são coerentes com a realidade, servindo apenas para a apuração dos impostos. Sem dados e fatos ficamos à mercê do achismo, da tentativa e erro, e dos profetas apocalípticos, que servem como conselheiros dos executivos durante os altos e baixos da empresa. É preciso ter um controle detalhado das receitas, custos e despesas, bem como um monitoramente eficiente das variações nas contas mais relevantes.
A existência de uma cultura de gestão através de indicadores de desempenho é fator primordial. Como avaliar as pessoas, departamentos, Filiais, unidades de negócio, sem a adoção de critérios objetivos.
Como trabalhar sem metas perfeitamente alinhadas com o plano estratégico da empresa
.
Muitas empresas comportam-se como ilhas, onde tudo ali não dá. Em centenas de empresas constatamos que é possível, mas ali, nunca nada dá. É como um terreno árido, infértil, onde a vida criativa e inteligente não encontra espaço para se desenvolver. Essa ilha acaba sendo povoada por verdadeiros vampiros sanguessugas e zumbis, que se conformam com o status quo e que afastam os profissionais competentes e capazes, que correm dali por temerem o emburrecimento.
Muitas vezes os proprietários da empresa e até alguns executivos acham que sabem tudo e que não precisam de ajuda externa ou dos próprios funcionários, clientes e fornecedores.Temem críticas e mudanças, e quando despertam para a verdade dos fatos, normalmente já é muito tarde.

A falta de uma visão de gestão do capital humano é outro fator que alimenta a derrocada das empresas. Muitos empresários não hesitam em gastar 500 mil em um novo caminhão, mas reclamam em investir 500,00 em um curso para a capacitação de seu funcionário.
Outras empresas crescem de forma exagerada. Não se preparam adequadamente e quando percebem, os problemas se tornaram grandes e caros demais para serem solucionados.
A falta de disposição para a mudança e a passividade diante dos problemas contribuem definitivamente para enterrar o negócio. Não tomar as decisões no momento em que é preciso, principalmente quando envolvem demissões, mudanças de procedimentos-chave, aumento de atividades e controles, suspensão de operações, aumento no investimento, entre outras, poderá ser fatal para a sua empresa. Prorrogar a decisão só aumenta o tamanho das mudanças e dos efeitos perversos sobre o seu negócio. 

Flutuações Causadas pela Conjuntura Econômica
A mudança é a única certeza que teremos daqui para frente. Crises representarão importantes oportunidades para a análise e redirecionamento da sua empresa. Se a sua Transportadora estiver bem administrada, saberá resistir a qualquer tipo de crise. Tomará as medidas a tempo, sabendo o momento certo de pisar ou aliviar o acelerador. A questão não é se existirá ou não uma próxima crise, mas sim quando ela virá. Esteja SEMPRE pronto.


junho/2012

Marco Antonio Oliveira Neves,
Diretor da Tigerlog Consultoria e Treinamento em Logística Ltda.

www.tigerlog.com.br

Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br ou www.guialog.com.br .