LogGuia.gif (2241 bytes)

SINOPSE DOS CURSOS DO IMAM

B.1
Administração do Tempo

“Tempo é dinheiro”

Objetivo
-  Tornar o tempo um aliado à eficácia e à produtividade, por meio de técnicas de administração de tempo.
-  Analisar e modificar o comportamento e atitudes que geram perda de tempo.
-  Empregar técnicas de controle do tempo nas metas profis­sionais.

O que será aprendido
-  Como um profissional eficaz administra o seu tempo;
-  Principais elementos causadores de perda de tempo, como ­lidar com ele;
-  Dificultadores e desperdiçadores de tempo;
-  Causas internas e externas do desperdício de tempo;
-  Conceitos de urgente, importante e prioritário;
-  A importância de ter foco nos objetivos;
-  Comportamentos e situações a serem evitados;
-  Método GUT = Gravidade, Urgência e Tendência;
-  As crenças que sustentam o descuido com o tempo e como eliminá-las;
-  Procrastinação, Adiantamentos e Indecisões;
-  Ações preventivas e corretivas para reduzir as interrupções;
-  Delegação: o que é como delegar;
-  Reuniões, Telefonemas, e-mail´s e etc;
-  Hábitos que devem ser desenvolvidos e ­cultivados;
-  Como começar e encerrar seu dia;
-  As conseqüências de uma má administração do tempo;
-  Mitos acerca da gestão do tempo.

Benefícios
-  Aprender conceitos e dicas para melhor gerenciar o tempo trará oportunidades para realizar projetos que vêm sendo adiados. Tempo é vida!
-  Aclarar e estabelecer corretamente suas prioridades.
-  Melhorar seus hábitos de auto-organização e autodisciplina.
-  Aumentar o tempo produtivo com a identificação e eliminação de seus desperdiçadores de ­tempo.

Quem deve participar
Qualquer profissional envolvido com série de atividades.


Duração:        8 horas em 1 dia


B.2
BSC – Balanced ScoreCard na Prática
(Indicadores de Desempenho Organizacional)
“Não podemos gerenciar aquilo que não medimos”.

Objetivo
Identificar as medidas de performance críticas para o acom­panhamento da vitalidade do negócio (indicadores globais) e para a avaliação dos processos e das diversas áreas funcionais, sob o enfoque moderno do Balanced Scorecard (BSC).

O que será aprendido

-  Indicadores de desempenho e de progresso: o que são? Por que são ne­cessários?
-  Características e benefícios de bons indicadores;
-  Indicadores locais e globais;
-  O processo de planejamento estratégico: estratégias, planos de ações, desdobramento, metas e seus indicadores de acompa­nhamento;
-  Indicadores de atendimento e satisfação dos clientes, qualidade, desen­volvimento de produtos, RH, produção, custos, produ­tividade, materiais, econômicos/ financeiros e de projetos (extensa relação de indicadores e detalhes operacionais);
-  A ficha técnica do indicador;
-  O modelo Balanced Scorecard (BSC);
-  As perspectivas equilibradas: finanças, clientes, processos e crescimento/ aprendizado;
-  Medidas genéricas e específicas;
-  A relação de causa e efeito entre os indicadores;
-  Gerenciamento através de indicadores (exemplos práticos);
-  Controle visual (gestão à vista) e o envolvimento dos cola­boradores;
-  Softwares EIS - Executive Information Systems;

-  Exercício de fixação sobre BSC.

 

Benefícios

Selecionar, com critérios objetivos fundamentados nas estratégias, dentro de uma extensa relação de indicadores, aqueles que são relevantes ao geren­ciamento do seu negócio, processo e/ou área funcional, de forma que a or­ga­nização implemente efetivamente suas estratégias e alcance seus objetivos. Criar subsídios para a concepção e implementação de um painel de controle (Balanced Scorecard) que possibilite uma visualização imediata e efetiva do negócio, permitindo seu monitoramento e enriquecendo a participação e a tomada de decisões (os participantes também receberão arquivos relacio­nados ao curso).

Quem deve participar
Diretores, gerentes, supervisores e pessoas que estejam de qualquer forma envolvidas com o acompanhamento dos resultados e melhoria dos processos.

Duração: 8 horas em 1 dia

 

B.3
Customer Service

“Faça do serviço ao cliente seu diferencial competitivo”.

Objetivo

Apresentar para os profissionais de logística e serviços os principais conceitos sobre serviços logísticos ao cliente (Customer Service), cujo foco deve sempre estar na satisfação plena e total do cliente.

O que será aprendido

-   Visão sistêmica da empresa: quem sou e onde estou na companhia?
-   As inter-relações internas com diversas áreas da companhia;
-   Diferenciando atividades: Marketing, Vendas e Administração de Vendas;
-   Serviço agregado ao produto;
-   Organograma e funcionalidades: onde e como estruturar uma área de serviços ao cliente;
-   Os elementos do “Customer Service” (pré-venda, transacional, pós-venda);
-   Conhecendo as diversas atividades – Atendimento ao cliente, emissão de pedidos, emissão de propostas técnicas e comerciais e orçamentos;
-   Atividades integradas – SLA, SLM, CRM, Fullfilment;
-   Excelência em serviços aos clientes;
-   Serviços logísticos: visão geral das atividades e modalidades de armazenagem, transporte e operações terceirizadas;
-   Nível de serviços e custos: definições trade-off, ações estratégicas e operacionais para garantir o equilíbrio das operações;
-   Pesquisas de opinião – foco logístico;
-   Controlando a produção e a produtividade do setor – utilização de indicadores – KPI’s (Key Performance Indicators);
-   Tratando reclamações;
-   O atendimento ao cliente – visão geral das técnicas mais conhecidas;
-   Planos de contingência: O que fazer nas piores horas (pedidos atrasados, falta de materiais);
-   A importância do Follow-up na manutenção dos clientes;
-   O trabalho em equipe – pontos para promover uma performance superior.

Benefícios

Incrementar a capacitação dos profissionais da área de logística na criação e manutenção de excelentes serviços logísticos aos seus clientes.

Quem deve participar

Todos os profissionais que atuam diretamente no atendimento logístico aos clientes sendo em operações ou serviços, com foco em sua plena satisfação.

Duração:         8 horas em 1 dia

B.4
Desafios ao Ar Livre
(Gerenciamento de Mudanças)

Metodologia

O trabalho será conduzido através do conceito de dinâmica de grupo, em área externa, ao ar livre (campo gramado), e todos os participantes (grupos de 10 a 15 pessoas) serão expostos a várias tarefas físicas desafiadoras, que são exemplos comparativos dos ­problemas do dia-a-dia da empresa/sociedade. Todos os exercícios irão envolver o indivíduo como um todo (holisticamente), físico, emocional, psíquico e fisiologicamente, e tudo será gravado em vídeo, para análise, comentários e reflexões posteriores com o coordenador-geral do programa Team Building. Este seminário só pode ser realizado para colaboradores de uma mesma empresa e com número mínimo de 30 participantes.

Objetivo

Criar envolvimento e comprometimento definitivo dos colaboradores para o processo de mudança nas organizações e formação de times na análise e solução de problemas de forma mais rápida e eficaz, com o relacionamento interpessoal mais consciente e consolidado entre as ­pessoas.

O que será aprendido

-   Entender e explicar conhecimentos;
-   Paradigmas: os velhos e novos;
-   O processo mental de pensar-agir-­melhorar (teoria ok, prática?);
-   Porque existem mudanças nas organizações;
-   Características e qualidades de um executivo/gerente;
-   Desenvolvimento pessoal/mudança de mentalidade/objetivos/metas;
-   Empresa e sua responsabilidade sócio/­técnica;
-   Etapas para expandir sua criatividade;
-   Variabilidade/comportamento/potencia­lidade dos ­indivíduos;
-   Caminhos motivacionais (empenho, desempenho, persistência);
-   Modernidade/competitividade/missão/visão de uma ­empresa;
-   Trabalho em equipes, times e times autogerenciáveis;
-   Como desabrochar seu potencial e evoluir como pessoa;
-   Qual o caminho a seguir para obter sucesso pessoal/familiar/profissional;
-   Comunicação, qualidade, segurança, produtividade, sobrevi­vência da pessoa/empresa.

Quem deve participar

Na realização do primeiro treinamento na empresa é obrigatória a presença do presidente, da diretoria, dos gerentes, supervisores e até de alguns funcionários especiais (de nível mais baixo), pois é de fundamental importância que todos possam vivenciar essa nova forma de encarar a vida profissional.

Exclusivamente “in-company” e em áreas externas

Duração: 16 horas (a ser acordado previamente entre IMAM e Empresa)


B.5
Excelência em Atendimento a Clientes

Objetivo

Envolver os treinandos na qualidade em serviços, seja em empresas industriais ou comerciais. Tratar a qualidade dos serviços diferente da Qualidade dos produtos. Conhecer idéias e dicas para imple­mentar imediatamente.

O que será aprendido

-   O atendimento no cenário atual;
-   Qualidade em serviços: uma vantagem competitiva;
-   Características exclusivas dos serviços;
-   Os gurus da qualidade e suas influências nos serviços;
-   Diferenciação entre qualidade em serviços e de produtos;
-   Os degraus da excelência no atendimento;
-   Clientes difícieis: como entender e atendê-los;
-   Técnicas para solucionar reclamações;
-   Os “Gaps” da excelência em serviços;
-   Custo dos erros em serviços;
-   Características observáveis em serviços;
-   Invertendo a pirâmide organizacional e administrando por processos;
-   Como obter o envolvimento das pessoas;
-   Padronizar o atendimento sem “robotizar”;
-   Participação dos pequenos grupos para desenvolver e implementar idéias;
-   Construção de uma cultura centralizada no cliente;
-   Como tornar cada membro da empresa mais sensível e atento às necessidades dos clientes;
-   Como reconhecer o potencial criativo da força de trabalho;
-   O modelo para a implementação da qualidade em serviços;

-   Estudos de casos em qualidade dos serviços.

Benefícios

Aumentar a satisfação dos clientes e o resultado de sua empresa. Reduzir o tempo de resposta aos clientes. Redução e até eli­minação dos erros que provocam a insatisfação e a perda dos clientes. Diferenciar os produtos pela Qualidade e pelos serviços de venda e pós-venda. Aumentar a motivação do pessoal, melhorando o desempenho.

Quem deve participar

Todos que desejam implantar um processo de melhoria da Qualidade nas empresas e áreas de serviço. Diretores e Gerentes (serviços ao cliente, Operações, Marketing, Qualidade, Recursos Humanos).

Duração:         16 horas em 2 dias

B.6
Gerenciamento de Projetos

“Uma das mais entusiasmantes oportunidades para sua carreira profissional. Cerca de 5.000 profissionais já treinados desde 1979”.

Objetivo

Apresentar e conversar sobre a moderna metodologia de planejamento de projetos apoiada em conceitos atuais e ferramentas práticas que permitem argumentar sua viabilidade, planejar e documentar sua execução e manter um acompa­nhamento efetivo do desenvolvimento das atividades de um ou de vários projetos, assegurando que os objetivos sejam atingidos, que os recursos sejam adequadamente dimen­sionados e sincronizados e que os prazos sejam cumpridos, independente do porte do empreendimento.

O que será aprendido

-   Fundamentos sobre planejamento e controle;
-   As competências do gerenciamento de projetos (PMBOK/PMI);
-    Ferramentas de planejamento e programação;
-   Documentação do projeto (proposta executiva e plano de projeto);
-   Estrutura analítica do projeto (WBS) e gráfico de Gantt;
-   Rede de atividades (CPM/PERT) e determinação do caminho crítico;
-   Sobrecarga e nivelamento de recursos;
-   Estratégias para redução de tempo, custo e riscos;
-   Contabilidade, orçamento e acompanhamento do projeto;
-   Gerenciamento de Riscos;
-   Análise do Valor Agregado (EVA) como indicador de progresso;
-   Softwares de gerenciamento de projetos (PMIS);
-   Visão geral do Microsoft-Project;
-   Perfil do gerente de projetos.

Obs: Sugere-se trazer calculadora com funções matemáticas ­básicas.

Benefícios

     Apresentar aos participantes a contribuição nos resultados propiciada por um enfoque sistemático nas mais diversas áreas funcionais, capacitando-os a utilizar e interpretar as ferramentas do gerenciamento de projetos no cotidiano da empresa. Experiência prática: serão abordados estudos de casos e desenvolvidos exercí­cios de aplicação. Os participantes receberão arquivos eletrônicos contendo aplicações e gabaritos.

Quem deve participar

     Gerentes, engenheiros, técnicos, coordenadores, administradores, analistas e demais pessoas que atuam direta ou indiretamente com projetos, qualquer que seja a área (indústria, varejo, serviços, governo, eventos, novos pro­dutos, sistemas, finanças, etc.).

Duração:         16 horas em 2 dias


B.7
Gestão de Processos

Objetivo

     Compreender as rotinas administrativas da organização e aper­feiçoar seus processos vitais, em termos de eficiência, eficácia e con­sis­tência a fim de orientar a organização para os resultados.

O que será aprendido

-   A evolução do aperfeiçoamento do trabalho;
-   A importância do tempo nas organizações;
-   As influências do ambiente organizacional e externo;
-   Definição de processo;
-   Organizações verticais x horizontais;
-   Gerenciamento de processos;
-   Hierarquia dos processos;
-   Níveis de melhoria;
-   A importância da análise dos processos nas implementações de sistema;
-   Estrutura analítica dos processos;
-   Mapeamento dos processos (Asis);
-   Melhoria e Redesenho (Tobe);
-   Análise de valor em processos;
-   Automatização x automação;
-   Planejando a implementação das melhorias;
-   Processos x projetos: a interface;
-   Indicadores de desempenho;
-   Modelagem de processos;
-   Softwares aplicativos.

Quem deve participar

     Gerentes e analistas de processos, gerentes e analistas de TI e qualquer colaborador que esteja voltado a redesenho, melhoria e/ou implementação da Gestão por Pro­cessos das Organizações.

Duração:        16 horas em 2 dias

B.8
Liderança e Tomada de Decisão

“Líder é alguém que você decide seguir até um lugar aonde não iria sozinho”. 

Objetivo

     Apresentação/atualização de conceitos básicos e técnicas relacionados com a obtenção de re­sul­tados efetivos através das pessoas, utilizando ferramentas de planejamento, decisão e envol­vimento do time.

O que será aprendido

    -   A necessidade do trabalho em equipe;
    -   A liderança para o século XXI (leader shift);
    -    Exercícios para auto-avaliação;
    -    Identificação dos estilos de ­liderança;
    -   O perfil do líder e a postura gerencial dos tempos modernos;
    -    Como avaliar a motivação de sua equipe (hierar­quia das necessidades e fatores higiênicos);
    -   A gestão de conflitos e os fundamentos da negociação;
    -    Princípios de planejamento e comunicação;
    -   A liderança situacional em uma abordagem prática (estudo de casos);
    -   Sucessão;
    -    Como priorizar as atividades da equipe;
    -    Princípios e metodologia prática para tomada de decisão;
    -    Técnicas de criatividade.

Benefícios

     Noções efetivas para a imediata aplicação de modernas abordagens de envolvimento dos colaboradores. Através de diversas ativi­dades, formar uma auto-avaliação do participante, visando refle­xões e aprimoramento pessoal em termos comportamentais e administrativos.

Quem deve participar

     Pessoas que exercem ou estarão exercendo em breve atividades relacionadas com a liderança de pessoas, tais como supervisores, ­chefias, encarregados, coordenadores e gerentes.

Duração:         16 horas em 2 dias


B.9

Técnicas de Inovação/Criatividade

Objetivo

     Como aumentar o valor do seu ne­gócio, produtos, serviços através de uma me­todologia de inovação práti­ca. Como construir/criar estratégias ino­vadoras, fortalecendo postura de liderança cria­tiva com foco no cliente.

O que será aprendido

     -    A questão da inovação versus so­brevivência
    -    Inovação ou iniciativa criativa
    -   Postura e contexto criativo
    -    Curva de valor do produto/serviço
    -    Co-criação de experiência do cliente
    -   Principais técnicas empregadas
    -    Aplicação do DART (Diálogo, Acesso, Risco e Trans­parência)
    -    Etapas para o processo de ino­vação (TRIZ)
    -   Cases de inovação
    -    Alinhar as inovações com estratégias
    -    Implementação das propostas de inovação

Benefícios

    -    Implementar uma metodologia con­sistente para reduzir prazos e riscos na geração de estratégias para ino­vação.

Quem deve participar

     Profissionais engajados com o pro­cesso de inovação empresarial, em produtos, serviços, processos, etc.

Duração:        8 horas em 1 dia

B.10
Técnicas de Negociação

“Encontrando alternativas para situações difíceis, através de metodologias e técnicas que oferecem alternativas eficazes na gestão do relacionamento”.

Objetivo

     Conhecer as técnicas de negociação, melhorar o desempenho e habilidades pessoais, objetivando acordos mutua­mente aceitos.

O que será aprendido

    -    Entendendo negociação;
    -    As questões fundamentais da negociação;
    -    Comportamentos dos negociadores;
    -    Controlando o clima em negociações;

    -    Estilos de negociação;
    -    Táticas de negociação;
    -    Escrevendo acordos;
    -    Negociação e ética;
    -    Planos de ação para negociação;
    -    Exercícios, simulações práticas.

Benefícios

     Capacitar o profissional a assumir a con­dução de negociações.

Quem deve participar

     Qualquer profissional que desempenhe atividades que envolvam inter-relação com outras áreas ou empresas.

Duração:         8 horas em 1 dia



B.20

Gestão de Mudanças

Objetivo

          Formar profissionais capacitados em con­duzir processos de desenvolvimento de mudanças efetivas, administrando os desa­fios relacionados, de maneira a asse­gurar o sucesso do empreendimento.

O que será aprendido

- Gerenciamento das rotinas: planeja­mento e controle;
- Cultura organizacional: como realizar um diagrama da situação atual?
- Processos de Inovação e Melhorias;
- O que são paradigmas e como pode­mos superá-los?;
- Como lidar com a resistência das pes­soas às mudanças?;
- Gerenciamento de conflitos;
- Questões comportamentais: o que é ser pró-ativo e como estimular a ini­ciativa das pessoas?;
- Ferramentas de planejamento e con­trole de mudanças;
- Gestão de comunicação;
- Gestão de riscos.

Quem deve participar

uaisquer profissionais que estão envol­vidos com a implementação de inovações nos processos organizacionais, e ne­cessi­tam de subsídios para diagnos­ticar a si­tua­­ção inicial e conceber um pla­no de ação pa­ra efetivar uma mudança ex­pressiva.

Duração:         8 horas em 1 dia

 

B.21
Formação de Instrutores de Treinamento

Objetivo

    -    Capacitar profissionais a desenvolver e aplicar treinamentos para colabora­do­res adultos;
    -    Desenvolver habilidades para facilitar grupos em atividades de aprendizado.

O que será aprendido

     -    Princípios de aprendizagem para adultos;
    -    Diagnóstico de necessidades (compe­tên­cias, habilidade e atitudes);
    -    Processo de comunicação;
    -    Técnicas de apresentação;
    -    Técnicas para lidar com situações difíceis;
    -    Desenvolvimento do plano de aula;
    -    Dinâmicas;

    -    Técnicas de avaliação de aproveita­mento.

Quem deve participar

     Instrutores, facilitadores e multiplicadores internos.

Duração:  16 horas em 2 dias



C.1

Como Reduzir Custos Logísticos

(Transporte, estoques, entre outros)

“Conheça os principais custos logísticos, aprenda a medir e a reduzir os gastos de um conjunto de atividades com valores relevantes, que variam entre 15% a 20% em relação ao total do produto”.

Objetivo

     Capacitar os participantes a identificar as principais atividades logísticas, seus custos e o controle dos mesmos, de forma clara, objetiva e baseada em casos reais. Será dada ênfase a transportes, armazenagem e manuseio, que representam os principais valores, porém avaliadas as demais atividades que interferem no processo. Os participantes serão treinados para atuarem com profissionalismo, foco em economias que aumentem a competitividade e contribuam para melhorar os lucros e com indicadores financeiros e operacionais. No caso de atividades terceirizadas direcionar atitudes que possibilitem desenvolver relações comerciais duradouras com os prestadores de serviços.

O que será aprendido

     -   A visão sistêmica da logística, as principais atividades, seus custos e indicadores;
    -   Os fatores que interferem na logística (finanças, embalagem, produção, compras, vendas, nível de serviço, etc.);

    -   O planejamento logístico e a interdependência entre as atividades e os modais de transporte;
    -   Gestão e dimensionamento de estoques;
    -      A armazenagem sobre o enfoque logístico: As operações (recebimento, estocagem, processamento de pedidos e expedição); Os equipamentos de movimentação e armazenagem e critérios de seleção; Otimização processo, alternativas de layout e critérios de avaliação; O fator humano: pessoas, treinamento, ergonomia, segurança e higiene; Fluxo de informações - Tecnologia (TI): WMS, código de barras/bi-dimensional e RFID; Controles, inventários e indicadores de desempenho;
    -   O transporte rodoviário de cargas (TRC) e sua interdependência com outras atividades logísticas: Os principais custos/planilhas: diretos (fixos e variáveis) e indiretos e outros fatores a analisar; Referências de custos (revistas, NTC, etc.); Fatores a considerar e tipos de contratação (carga fechada, fracionada, peso, volume, % sobre valor, etc.); Formação do frete (peso, volume, ad valorem, CTRC, gerenciamento de risco/ escolta, seguro, pedágio, etc.); O mercado de TRC, tipos de veículos, incentivos fiscais e outras variáveis que podem impactar no custo; Tecnologia da informação (TMS - roteirizadores, rastreamento e controles); Controles e indicadores de desempenho financeiros e operacionais;
    -   O processo de terceirização, estratégia de negociação e como avaliar a operação;
    -   Outros fatores que podem se caracterizar como custos logísticos passiveis de redução;
    -   Casos práticos para apoiar a fixação de conceitos.

Benefícios

Apoiar aos responsáveis pela logística a entender e direcionar as ações no sentido de obter reduções significativas nos custos logísticos, melhoria nos níveis de serviço e relações comerciais duradouras, que somente podem ser alcançadas através do desempenho de funcionários bem preparados.

Quem deve participar

    Gerentes, supervisores, analistas, compradores/negociadores e demais pessoas ligadas à área de logística.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

C.2
Formação de Analistas em Operações Logísticas

“Teoria e Prática se reúnem neste curso para capacitar profissionais nas análises das operações logísticas”

Objetivo

     O curso objetiva transferir aos participantes os conhe­cimentos necessários (técnicas, métodos e ferramentas de trabalho) à adequada análise e desenvolvimento das operações logísticas nas Organizações.

O que será aprendido

     -   O universo das Operações Logísticas;
    -   A importância das Análises Logísticas;
    -   O perfil do Analista de Operações Logísticas;
    -   Metodologias para análise logística;

    -   Análise sistêmica: identificando o(s) problema (s);
    -   Coleta e tratamento de dados e análises para uma adequada análise;
    -   Técnicas e Exercícios Práticos para análise de ope­rações logísticas;
    -   Análise da Gestão de Estoques através da Série de Movimentações;
    -   Modelagem e Pesquisa Operacional aplicada à Logística;
    -   Métodos de Localização;
    -   Técnicas para análise de Armazenagem e Distribuição;
    -   Métodos para análise da necessidade de espaços de um armazém;
    -   Técnicas Matemáticas para análise de Movimentação Interna;
    -   Técnica para análise de postos de trabalho e operações (tempo de ciclo, tack time, etc.)
    -   Técnicas de Geração de Idéias (“Brainstorming”);
    -   Técnicas de Análise de Viabilidade;
    -   Análise de Sensibilidade para Tomada de Decisão;
    -   Técnicas de Apresentação e Venda da Idéia;
    -   Medindo os resultados obtidos: Indicadores de Desempenho;
    -   Exercícios práticos para aplicar as técnicas aprendidas;
    -   Estudos de Caso.

Quem deve participar

     Todos os profissionais analistas das áreas de logística, materiais, planejamento, engenharia, bem como aqueles profissionais escolhidos para o aprimoramento da Logística nas Organizações.

Duração:         24 horas em 3 dias


C.3
Formação de Gerentes de Logística

“A logística em todos os seus detalhes”.

Objetivo

     Contribuir para a formação do novo profissional do século XXI - gerente de logística. Fornecer um enfoque moderno na gestão do negócio. Transmitir métodos e ferramentas para serem utilizados no dia-a-dia.

O que será aprendido

1º Dia

    -   Logística como um processo;
    -   Engenharia Logística/Visibilidade;
    -   Mapeamento em Processos Logísticos;
    -   Evolução da Logística;
    -   Supply Chain Management;
    -   Integração Logística;
    -   Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI);
    -   Ciclo de ­Suprimentos;
    -   Fornecedor Único versus Diversos Fornecedores;
    -   Fornecedores Globais versus Fornecedores Locais;
    -   Comprador Planejador/JIT II;
    -   ECR - Resposta Eficiente ao Consumidor.

2º Dia

    -   Logística da produção;
    -   PPCP - Planejamento e Programação da Produção;
    -   Variáveis dos diversos tipos de produção;
    -   MRP/MRP II - Conceitos fundamentais;
    -   Controle da produção;
    -   Técnicas de puxar a produção;
    -   Gestão dos inventários;
    -   Administração dos gargalos;
    -   Logística da produção nos diversos ambientes.

3º Dia

    -   Movimentação e Armazenagem de Materiais (MAM);
    -   Embalagem e unitização;
    -   Equipamentos de movimentação e estocagem;
    -   Análise de problemas de MAM;
    -   WMS - Warehouse Management System;
    -   Terceirização das atividades logísticas;
    -   Engenharia e análise de valor aplicada à logística.

4º Dia

    -   Distribuição física;
    -   Canais de distribuição;
    -   Modais de transporte;
    -   Novas modalidades em distribuição.

5º dia

    -   Gerenciamento de Projetos
    -   Definições; Processos; Proposta Executiva; WBS; Cronograma; PERT/CPM; Softwares; Gestão de Custos;
    -   Liderança (Estilos; Motivação; Liderança Situacional);
    -   Processo Estruturado para Tomada de Decisão

Quem deve participar

    Profissionais envolvidos com a logística, que pretendem assumir as funções de coordenação.

Duração: 40 horas em 5 dias

 

C.4
Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento (Ferramentas, Técnicas e Estratégias para o Sucesso)

Objetivo

     Sua contribuição faz diferença. Receba as ferramentas que você precisa para maximizar a contribuição do abastecimento para os resultados iniciais e finais da sua organização. Conheça as táticas, estratégias, ferramentas e técnicas que inter­ligam as decisões em várias áreas funcionais e impactam o desempenho organizacional geral.

O que será aprendido

O papel do abastecimento e a potencial contribuição para o sucesso organizacional

•    O impacto do abastecimento sobre os resultados

•    Estratégias, ferramentas e técnicas para maximizar a contribuição de abas­tecimento

•    O impacto das taxas financeiras sobre as decisões de abas­tecimento.

Destaques do curso:

a)  Gerenciamento de abastecimento definido

   -    Funções chaves e participantes da cadeia do gerenciamento do abastecimento
-    Missão e objetivos do gerenciamento do abastecimento

b) Contribuição do abastecimento para o sucesso organizacional

   -   Identificação dos envolvidos internos e externos
-   Interligação da estratégia de abastecimento com a estratégia organizacional e interesses dos envolvidos

c)  Impacto do abastecimento sobre o desempenho financeiro

-    Modelo de lucro e direcionadores chaves de abastecimento do ren­dimento líquido e capital empregado

d) Estratégias de abastecimento

   -   Estratégias que aumentam o faturamento
-    Envolvimento antecipado do fornecedor nas equipes de projeto de novos produtos/processos

-   Gerenciar o processo de conhecimento - criação - inovação - implementação.
-    Estratégias que realçam a lucratividade
-    Estratégias de redução de custos  e despesas operacionais
-    Noções da composição do custo das mercadorias vendidas

e)  Ferramentas e técnicas

-    Indicadores de desempenho e seu impacto sobre as decisões de abastecimento
-    Técnicas de previsão e seu impacto sobre as decisões de abas­tecimento
-    Aplicação de métodos de valor: engenharia de valor e análise de valor
-    Realização da análise de problemas e desenvolvimento dos diagramas de causa e efeito
-    Equipes multifuncionais e multi-organizacionais (times auto-gerenciáveis) e aspectos de liderança e motivação de pessoas.

Quem deve participar

     Gerentes de abastecimento (SCM) com responsabilidade geral pelo gerenciamento integrado do abastecimento. Gerentes de qualquer uma das áreas funcionais sob o guarda-chuva da gerência de abastecimento que desejem aprender sobre as ferramentas e técnicas para melhorar a contribuição da gerência de abastecimento pra o sucesso organizacional. Membros de equipes multifuncionais com respon­sabilidade pela equipe pelos aspectos do gerenciamento de abastecimento.

Duração: 16 horas em 2 dias

 

C.5
Gerenciamento de Transportes e Frotas

“Como otimizar o gerenciamento de uma das principais atividades logísticas”

Objetivo

     A atividade de transporte responde por um dos maiores custos logísticos das empresas, e é o elo de ligação entre fornecedor e cliente. Este curso tem como objetivo preparar os profissionais da área de transporte, quer sejam embarcadores ou transportadores, como foco na otimização das atividades relacionadas à estruturação, gerenciamento e otimização operacional, relacionamento empresarial, controle de custos (manutenção, custos fixos e variáveis, estrutura administrativa, etc), gestão do nível de serviços, de forma a permitir que através do máximo aproveitamento dos recursos, os trans­portadores e seus clientes encontrem o ponto de equilíbrio para a satisfação mútua.

O que será aprendido

     -   Enquadramento das atividades do transporte nas operações logísticas;
    -   O trade-off logístico “Custos versus nível de serviços”;
    -   Estruturação de planilhas de custos de transportes (fixos, variáveis, administração, depreciação, etc.);
    -   Aplicação da TI (Tecnologia da Informação) na área de transportes (TMS, Roteirizadores, Sistemas de Rastreamento, Gestão de Custos e Frotas, etc.);

    -   Políticas e modelos de transporte (cargas fechadas, cargas fracionadas, “milk-run”, etc.);
    -   Tabelas de fretes e sistemas de precificação (custo fixo, custo por viagem, custo fracionado por peso, % de valor, ad-valorem e gris, pedágio, ademe, conhecimento rodoviário);
    -   Documentos e seguros obrigatórios e não obrigatórios;
    -   Contratação de autônomos;
    -   Gerenciamento de custos da frota de veículos (aquisição, depreciação, manutenção, custos fixos e variáveis diretos, etc.);
    -   O transporte na visão do embarcador (necessidades, custos, relacionamento);
    -   Tratos e contratos de transporte;
    -   Gerenciamento de riscos (segurança, políticas junto a embarcadores, exigências e/ou das legislações, etc.);
    -   Indicadores de desempenho das atividades de transportes.

Benefícios

     Capacitar os profissionais a gerenciar a atividade de transportes, com vistas a possibilitar serviços de excelência em transportes a custos adequados, de forma a possibilitar a criação de um relacionamento duradouro entre embarcadores e transportadores, pautado por profissio­nalismo e qualidade operacional.

Quem deve participar

     Gerentes, supervisores e analistas de transportes, logística, centros de distribuição e Supply Chain, compradores, negociadores de fretes, proprietários de pequenas empresas e profissionais ligados às áreas de transportes e logística.

Duração:         16 horas em 2 dias


C.6

Indicadores de Desempenho Logístico

“Digam como me medes e lhe direi como me comportarei”

Objetivo

    Desenvolver um conjunto de medidas de performance críticas para o acompanhamento das estratégias, processo e atividades das operações logísticas, sob enfoque do Balanced ScoreCard (BSC).

O que será aprendido

    -   Indicadores de desempenho: o que são e por que são necessários?
    -   Gerenciamento através de indicadores (gestão à vista) e o envolvimento dos colaboradores;
    -  O modelo Balanced ScoreCard aplicado à logística;
    -   Workshop sobre implementação entre os participantes;
    -   Concepção de estratégias e indicadores globais;
    -   Perspectiva financeira: capital de giro em estoque, custo logístico total, etc.
    -   Perspectiva do mercado: nível de serviço, pontualidade e pedido perfeito, etc.
    -   Perspectiva dos processos: produtividade, lead time, SLA, acuracidade, etc.
    -   Perspectiva do crescimento e futuro sustentado: compe­tências, kaizens, satisfação, etc.
    -   Relações de causa e efeito;
    -   Sistematização através de planilhas e softwares;
    -   Exercício prático de construção de um Mapa Estratégico para uma operação logística.

Benefícios

    Selecionar, com critérios objetivos, aquelas métricas que são relevantes para o gerenciamento dos processos logísticos.

    Criar subsídios para a implementação de um painel de controle que possibilite uma visualização imediata e efetiva da ope­ração, permitindo seu monitoramento e enriquecendo a parti­cipação e a tomada de decisões.

Quem dever participar

    Profissionais que estejam envolvidos com o acompanhamento dos resultados e da melhoria dos processos logísticos.

Duração:         8 horas em 1 dia

 

C.7
Logística Básica

“Fundamental para iniciantes ou para profissionais que necessitam atualizar ou ampliar conhecimentos”.

Objetivo

     Entender os conceitos básicos e atuais, visando sua aplicação para a otimização dos processos da cadeia logística, tornando as empresas mais competitivas em relação à nova ordem econômica mundial.

O que será aprendido

    -   Evolução e conceitos de logística e supply chain;
    -   Visão sistêmica da cadeia logística;
    -   Conceito de “trade-off” logístico;
    -   Custos x nível de serviços na logística;
    -   Tendências da Cadeia de Abastecimento (supply chain);
    -   Canais de distribuição; armazéns e centros de distribuição;
    -   Unitização de cargas;
    -   Influência da tecnologia da informação na logística (EDI, e-commerce, código de barras, etc.);
    -   A necessidade das empresas (clientes);
    -   Serviços tradicionais (transportes, armazéns gerais, EADIs);
    -   Novas modalidades em logística (milk-run, seqüenciamento, linefeeding, door-to-door delivery, etc.);
    -   Modais de transportes;
    -   A evolução da matriz de transportes no Brasil;
    -   Intermodalidade e multimodalidade;
    -   Redução do custo logístico e melhoria do nível de serviço (com “trade-off”);
    -   Possibilidades de terceirização de serviços logísticos;
    -   Situação dos operadores e prestadores de serviço em logística;
    -   Indicadores na logística;
    -   Tendências da logística;
    -   Narrativa de casos;
    -   Termos utilizados em logística.

Benefícios

     Adquirir conhecimentos básicos que permitam o enten­dimento completo de todo o processo logístico, com controle de custos, de forma a tornar a empresa mais competitiva. 

Quem deve participar

     Pessoas que pretendam iniciar suas atividades em logística, ou que eventualmente já atuem em algum segmento desta impor­tante área e necessitem ampliar ou atualizar seus conhecimentos.

Duração:         8 horas em 1 dia


C.8
Logística da Distribuição e Transporte

“A importância de entender as atividades que representam os maiores custos logísticos e que interferem diretamente no nível de serviço ao cliente”.

Objetivo

     Fornecer conceitos, métodos e conhecimentos práticos, para capacitar os profissionais da área, de forma a capacitá-los a obter os melhores resultados na logística de distribuição ­física e transportes. O desen­volvimento do curso será apoiado em exemplos de casos práticos.

O que será aprendido

     -    O enfoque sistêmico e sua influência na logística de distribuição;
    -    Os principais custos logísticos;
    -    Fatores que interferem na logística;
    -    Armazenagem como base para otimização da distribuição física;
    -    Estimativa de custos de armazenagem;
    -    TI (tecnologia da informação) aplicada à armazenagem (WMS – Warehouse Management System);
    -    Processamento de pedidos (equipamentos e técnicas);
    -    Embalagens / unitização no contexto da logística;
    -    Planejamento da distribuição - como otimizar a relação entre custos logísticos e nível de serviço;
    -    Novas modalidades de distribuição;
    -    Os modais de transporte - ferroviário, aquaviário (marítimo, cabotagem e fluvial), aéreo e rodoviário – evolução, situação atual, aplicações e viabilidade;
    -    TI aplicada ao transporte (TMS - transportation management system);
    -    Cálculo do frete rodoviário (fatores e composição);
    -    Outros fatores que interferem no custo do transporte (gerenciamento de risco e aspectos tributários);
    -    Indicadores para controle das atividades logísticas;
    -    Exemplos baseados em estudos de caso reais:

        •    Avaliação e contratação de transporte rodoviário com foco na redução de ­custos

        •   Será apresentada planilha detalhada de composição de custos de transportes (em Excel).

Benefícios

     -    Conhecer métodos e ferramentas para a redução dos custos logísticos.
    -    Otimização dos recursos de distribuição ­física.
    -    Maximizar o nível de serviço.

Quem deve participar

     Gerentes, supervisores de logística, transporte e distribuição física.

Duração:         16 horas em 2 dias

C.9
Logística da Produção

“Sincronizando o abastecimento de mate­riais com o fluxo da produção”

Objetivo

     Obter a sinergia dos diversos sistemas, desde o planejamento-mestre até a entrega nos clientes.

     Integrar as informações e otimizar os fluxos das áreas de Vendas, PCP, Supri­mentos, Produ­ção e Expedição.

     Como a logística favorece a redução dos lead times dos processos de fabricação.

O que será aprendido

-   O fluxo de informações e o fluxo de materiais;
-   Planejamento a longo, médio e curto prazos;
-   Aproximação com os clientes, para enten­der e responder mais rapidamente às necessidades;
-   Como fazer o Plano-Mestre de produção;
-   Como determinar os recursos necessários;
-   Como optar entre fazer e comprar/terceirizar;
-   Como reagir rapidamente às variações nas demandas;
-   Como planejar e controlar os estoques;
-   Métodos para administrar o fluxo pro­du­tivo ou de produção: MRP, Kanban, Sincroniza­ção, PERT-CPM, etc;
-   Simular as várias alternativas do fluxo;
-   Como alterar o layout para melhorar o fluxo das informações e materiais;
-   Métodos de programação e controle “off-line” e “on-line”;
-   Como utilizar os recursos da tecnologia da informação para, rapidamente, responder às necessidades dos clientes;
-   Como avaliar e melhorar a produtividade industrial através de índices logísticos;
-   Como gerenciar os poucos vitais versus os muitos triviais;
-   Exercícios e estudos de casos.

Benefícios

     Entregar ao cliente os produtos na quantidade e prazos prometi­dos, e ao mínimo custo para a empresa.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

C.10
Logística Total

“Entendendo a logística, seus objetivos e interfaces organizacionais”.

Objetivo

     Desenvolver o conceito de Logística Integrada, sua implicação na estru­tura organizacional e visão geral das estra­tégias empresariais.

O que será aprendido

     -   Evolução logística;
    -   O que é Supply Chain Management;
    -   Logística como vantagem competitiva;
    -   Integração logística: suprimentos/PPCP/distribuição física;
    -   Os aspectos relacionados ao marketing;
    -   Estratégias de Manufatura - JIT - MRP/MRPII – TOC;
    -   Funções dos estoques;
    -   Estratégias de suprimentos;
    -   Comprador como planejador;
    -   Canais de distribuição;
    -   Armazém próprio vs. terceiros;
    -   Distribuição física e entregas;
    -   Modos de transportes;
    -   Frota própria vs. terceiros;
    -   Administração logística por terceiros;
    -   Sistemas de controle de distribuição;
    -   Relação clientes e fornecedores;
    -   Serviço ao cliente (Fulfillment);

    -   Benchmarking em logística;
    -   Indicadores de desempenho na logística.

Benefícios

    -    Criar subsídios para questionar os atuais conceitos de logística na organização.
    -    Criar visão sistêmica da logística. Imple­mentar a logística integrada.

Quem deve participar

     Diretores, gerentes e supervisores de logística (suprimentos, PPCP, distribui­ção física). Profissionais de outros setores interessados em conhecer os princípios da integra­ção logística.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

C.11
Modelagem Logística (do Pedido à Entrega)

Objetivo

     Desenvolver nos participantes a capacidade para modelagem de sistemas logísticos que possam subsidiar a gestão de projetos e processos logísticos.

O que será aprendido

    -   O que é modelagem?
    -    Os principais objetivos da modelagem logística;
    -    Perfil profissional e de equipe para estruturação de um modelo logístico;
    -    Os 3 passos para estruturação de um modelo em forma de diagrama;
    -    Componentes de um modelo logístico;
    -   A modelagem como subsídio de um projeto de simulação;
    -    Exemplo de modelagem em um sis­tema logístico;
    -    Projeto de modelagem (Prática)

        1. Descrever a realidade;

        2. Identificar as variáveis e objetivos;

        3. Estruturar o modelo logístico em forma de diagrama;

        4. Identificar e quantificar as relações de causalidade do modelo;

        5. Desenvolver o modelo a partir de planilha eletrônica

            (ex.: MS-Excel)

        6. Apresentar os resultados que o modelo propicia.

    -    Estudo de Caso.

Benefícios

    -    Redução de custos logísticos;
    -   Sincronia operacional;
    -   Melhor serviço ao cliente, etc.;

Quem deve participar

     Todos os profissionais que se interessam em aprender o processo de modelagem.

    Obs.: Não obrigatório, mas é desejável trazer um notebook para desenvolver o modelo em equipe.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

C.12
Técnicas de Planejamento Logístico

“Um bom planejamento das operações logísticas garantirá uma operação mais rentável”

Objetivo

     Apresentar técnicas que permitam às em­presas planejar ade­quadamente seus pro­cessos e atividades logísticas quer se­jam operacionais, táticas ou estratégicas.

O que será aprendido

     -   Planejamento logístico - aspectos fun­damentais;
    -   Nível de serviços aos clientes;
    -   Protocolos logísticos;
    -   Técnicas para o planejamento estra­tégico logístico (localização, dimen­sio­namento operacional), visão geral dos custos;
    -   Plano diretor logístico;

    -   Concepção de malha logística;
    -   Técnicas de planejamento e geren­ciamento da implementação de uma operação logística;
    -   Técnicas de planejamento das opera­ções logísticas (di­mensiona­mento detalhado das atividades, recursos opera­cionais, equipamen­tos, projeto do layout, mão-de-obra, etc);
    -   Técnicas para análise de restrições (fí­sicas, tributárias, ope­racionais, etc);
    -   Estudo de operações de transportes;
    -   Técnicas para concepção de um Projeto Logístico;
    -   Exercícios e atividades de fixação

Benefícios

     Proporcionar capacitação aos profissio­nais da logística envolvidos com o plane­jamento das operações logís­ticas, para que as mesmas, quer sejam de concep­ção ou de operação, venham a ser ade­qua­damente desen­volvidas.

Quem deve participar

    Analistas, supervisores e gerentes das áreas: comercial e de logística.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

C.20
Logística Enxuta (Lean Logistics)

Objetivo

     Esclarecer como aperfeiçoar os processos logísticos, eliminando ou minimizando perdas através da identificação de oportunidades de melhorias, oferecendo aos participantes conceitos e técnicas práticas efetivas. 

O que será aprendido

     -   O que é a filosofia enxuta?
    -   Fundamentos do just-in-time aplicados na logística empresarial.
    -   Princípios da abordagem Lean.
    -   Mapeamento das perdas: Aplicando Value Stream Mapping (VSM) no processo logístico.
    -   Software para Simulação do VSM.
    -   Análise do TAKT TIME e Tempo de Ciclo na Logística.
    -   Metodologia para simplificar, integrar e depois automatizar (inovação + kaizen).
    -   Como implementar a demanda puxada com seus parceiros?
    -   Como medir e balancear o Capital de Giro investido em estoques?
    -   Como medir a variabilidade da demanda e criar respostas aos riscos de desabastecimento para evitar rupturas?
    -   Processo de armazenagem e infra-estrutura física requerida para a logística enxuta de classe mundial.
    -   Supply: Princípios para estabelecer relacionamentos colaborativos com seus fornecedores.
    -   Distribuição física: como reduzir perdas nos transportes?
    -   Gestão à vista: Indicadores de desempenho.
    -   O que são a logística ágil, esbelta e resiliente.
    -   Abordagens inovadoras e tendências.
    -   Dinâmicas: serão aplicadas algumas atividades que possibilitam experiências vivenciais com analogia nos processos da empresa.

Benefícios

     Os participantes estarão mais bem preparados para implementar melhorias nos processos logísticos.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

D.1 
Administração de materiais/suprimentos

Objetivo

     Fornecer técnicas e conceitos para: alta rotação de estoques; baixo custo de aquisição e posse; continuidade de fornecimento; cons­tância de qualidade; boas relações com os fornecedores; acu­racidade dos estoques e informações. Habilitar os participantes para que trabalhem com parceiros comerciais e em ambiente integrado (ERP/Supply Chain). Reconhecer a existência de ligações interdependentes em atividades aparentemente inde­pendentes.

O que será aprendido

     -    Administração integrada de ­materiais;

    -    Definição e histórico;

    -    Como contornar os conflitos;

    -    Participação de suprimentos no “bolo” de receita;

    -    As estruturas de materiais;

    -    Dramas comuns e o paradoxo: excessos vs. faltas;

    -    Caminhos de eficiência e eficácia: educação e treinamento; motivação; criatividade; recursos humanos;

    -    Declaração de objetivos;

    -    Classificação de materiais: tipos de demanda; importância;

    -    Entrada e recebimento de ­materiais;

    -    Inventários: tipos de inventário, planejamento, organização e execução;

    -    Suprimentos: enfoque tradicional vs. tendências; funções; contratos gerais e avaliação de fornecedores;

    -    Supply Chain: tendências, funções e importância.

Benefícios

     Obtenção de preços mais baixos para os materiais e equipamentos comprados. Rotação mais rápida dos estoques. Redução nos tempos de entrega e nos custos de ­transporte. Melhor cooperação interdepartamental. Reconhecer a existência de ligações entre ati­vi­dades interdependentes na Cadeia Integrada de Fornecimento.

Quem deve participar

     Profissionais da área de Administração de Mate­riais, PPCP, Compras e Manutenção (peças).

    Profissionais que desejam implantar um Sistema Integrado de ­Materiais ou que necessitem de atualização em técnicas modernas de Administração de Materiais/Suprimentos.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

D.2
Análise Financeira em Compras

Objetivo

     Através de exercícios práticos, superar as dificuldades que nor­malmente os compradores têm em cálculos financeiros nos processos de tomada de decisão, tais como comprar à vista, a prazo, em uma única parcela ou em várias, entre outros.

O que será aprendido

     -    Fundamentos de matemática financeira aplicada à atividade de compras;

    -    Juros simples e compostos;

    -    Montante e capital;

    -    Equivalência de taxas;

    -    Valor presente líquido;

    -    Taxa de retorno;

    -    Fluxo de caixa;

    -    Desempenho financeiro em compras;

    -    Recuperação de impostos;

    -    Análises financeiras diversas;

    -    Resolução de diversos exercícios práticos.    

    •    Recomendamos trazer calculadora, pois serão desenvolvidos exercícios de aplicação, inclusive com a apresentação de planilhas MS-Excel.  

Benefícios

     Orientar os compradores em seu dia-a-dia, quando for preciso tomar decisões financeiras em suas compras, nas análises de preços, prazos de pagamento, impostos, etc.

Quem deve participar

     Gestores de compras, surpervisores, compradores e demais profissionais envolvidos no processo de análise de custos, gestão de suprimentos e análise de resultados gerenciais em compras.

Duração:         8 horas em 1 dia

 

D.3
Básico de Compras

Cada centavo economizado a partir de um processo de compras bem estruturado terá impacto direto no resultado de seu negócio.

Conheça todos os passos do processo de compras, negociação, gerenciamento de suprimentos. Encontre formas inovadoras de gerenciar seus fornecedores, sua qualidade, seus prazos, e conheça como o e-procurement pode ajudá-lo nas atividades de compras. Reconheça o impacto no lado financeiro de seu negócio.

O que será aprendido

    -   O papel do comprador no processo de suprimentos;

    -   O ciclo de suprimentos e seus relacionamentos na cadeia de abastecimento;

    -    Os critérios para avaliação de desempenho dos compradores;

    -    Gerenciando o relacionamento com fornecedores;

    -    Tomada de decisão em compras: preço, custo e valor;

    -    Ferramentas para melhorar o fluxo de materiais e produtos;

    -    Compras especializadas, métodos de contratação;

    -    Habilidades de negociação para compradores.

Benefícios

     -    Entender as atuais estratégias de suprimentos;

    -    Critérios para seleção de fornecedores;

    -    Benefícios de uma estratégia e-procurement;

    -    Técnicas de negociação para um ambiente de compras;

    -    Entenda as questões éticas em compras;

    -    Descubra o potencial da terceirização;

    -    Gerencie seus fornecedores para reduzir custos e aumentar a qualidade.

Quem deve participar

     Compradores, administradores e qualquer profissional que deverá assumir posição na área de compras.

Duração:         8 horas em 1 dia

 

D.4
Como Reduzir Custos em Compras

Objetivo

     As compras têm um tremendo potencial para aumentar os lucros da empresa. Esse curso tem como objetivo que os participantes obtenham a orientação necessária para sua ação visando à redução sistemática de todos os custos nas aquisições.

O que será aprendido

     -   Compras como integrante da cadeia de suprimentos;

    -   A economia potencial na cadeia de suprimentos;

    -   As estratégias na cadeia de suprimentos e as decisões em compras;

    -   As bases da política de compras;

    -   Registros para controlar os resultados;

    -   Vinte maneiras de reduzir os custos das compras.

    -   Suas condições para o sucesso.

Metodologia

    -   Dinâmicas de grupo visando o aprendizado pelo esforço coletivo dos participantes;

    -   Exposição de casos reais;

    -   Debates em torno de assuntos atuais referentes à profissão.

Quem deve participar

     Empresário, executivos, compradores, técnicos e diversos tipos de pro­fissionais podem trazer vantagens competitivas e de desempenho ao utilizarem as técnicas e conceitos que serão abordados no curso.

Duração:        8 horas em 1 dia

 

D.5
Comprador Moderno

Objetivo

     Promover, junto aos profissionais da área, uma visão sobre a função Compras, pela exposição de técnicas, posturas e habi­lidades para o desenvolvimento profissional, tanto no ambiente de compras locais como no internacional (importação).

O que será aprendido

     -    As origens e os objetivos de Compras;

    -   A estrutura de Compras nas organizações industriais;

    -    Seleção, avaliação, cadastramento e desenvolvimento de forne­cedores;

    -    Técnicas de Negociação (cotações, contratos, tercei­rização, etc.);

    -    As características do negociador moderno;

    -    Administração de materiais e o suprimento;

    -    Aspectos fiscais e noções de matemática financeira na tomada de decisão de Compras;

    -    Composição e análise de custo e preço;

    -   O paradigma de Compras “Menor Custo ou Menor Preço”;

    -    Compras Internacionais e o processo de Importação;

    -    Análise do desempenho do comprador;

    -    Compras pela Internet.

Benefícios

     Permitir aos participantes atualizarem seus conheci­mentos e habilidades, tanto nas compras nacionais quanto internacionais, além do uso prático da Internet como ferramenta de apoio para pesquisa e descobri­mento de novos fornecedores e oportu­nidades, em uma linguagem prática e atual, baseada em exem­plos reais do dia-a-dia.

Quem deve participar

     Compradores, assistentes de compras e de importação e outras funções correlatas dentro da Cadeia de Abastecimento (Supply Chain).

Duração:         16 horas em 2 dias


D.6
Gerenciamento de Compras e Suprimentos

    Agilizar o processo de suprimentos (procurement), abastecendo as necessidades dos usuários com agilidade e produtividade é o desafio do comprador profissional. Serão abordados diversos conceitos e técnicas que possibilitam que as empresas reduzam seus ­custos de aquisição e manutenção de estoques, assegurando o cumprimento de seus programas de produção e vendas.

Objetivo

     Desenvolver com o participante um modelo que lhe possibilite avaliar seu sistema administrativo de suprimentos, visando capacitá-lo para diagnosticar e gerenciar todo o processo de tomada de decisão no seu dia-a-dia. Além das competências técnicas, também serão abordadas as atitudes e habi­lidades que o profissional requer para responder com agilidade e eficácia às expectativas de seus usuários.

O que será aprendido

     -    Objetivos e atribuições da função de compras;

    -    Princípios de negociação e relacionamento com fornecedores;

    -    Processo de desenvolvimento e auditoria de fornecedores;

    -    Gerenciamento de requisitos e da qualidade dos fornecedores;

    -    Gerenciamento de contratos e SLA (Service Level Agreement);

    -    Indicadores gerenciais e estabelecimento de metas de desempenho;

    -   A aquisição única, esporádica, ocasional, emergencial, freqüente e programada;

    -    Fundamentos da gestão de materiais;

    -    Como assegurar a identificação inequívoca dos produtos? (padrão descritivo de materiais);

    -    Estratégias de reabastecimento: kanban, reabastecimento automático, VMI, CPFR, Outsourcing (terceirização), etc...

    -    Qual é o perfil do comprador moderno (descrição do cargo)?;

    -    Políticas de aquisição;

    -    Diagnóstico do sistema de suprimentos e plano de melhorias.

Benefícios

     -    Atualização do profissional de compras, provendo idéias, subsídios e métodos para que realize o diagnóstico e implemente diversas melhorias na gestão de compras.

    -    Melhor atendimento aos usuários, através da agilização dos processos de aquisição, gerenciamento da qualidade e pontualidade, bem como do incremento da disponibilidade dos estoques (nível de serviço).

    -    Redução de custos dos processos e do capital imobilizado em estoques.

Quem deve participar

     Profissionais de compras, suprimentos, aquisições, importações, contratos, projetos, auditoria e qualificação de fornecedores e analistas de materiais/estoques.

Duração:         16 horas em 2 dias

D.7
Gerenciamento de Estoques Voltado para Itens MRO (Manutenção, Reparo e Operações)

Objetivo

     MRO indica uma categoria de materiais utilizados em atividades de manutenção, reparos e todos os insumos para produção (operações). A proposta deste “workshop” consiste em trocar expe­riências a partir dos conceitos e ferramentas específicas dos materiais MRO, cuja natureza da demanda, bem como as caracte­rísticas físicas são totalmente diferentes das matérias-primas e produtos acabados.

O que será aprendido

     -    Introdução ao ambiente MRO;

    -    Perfil de um item MRO;

    -    Conceitos de planejamento e gestão de materiais;

    -    Capital de giro investido x nível de serviço;

    -    Classificações: ABC/XYZ/123/PQR – manter ou não o item em estoque;

    -    Dimensionamento de estoques com perfil de demanda repetitiva, probabilística e ocasional (esporádica);

    -    Estratégias de abastecimento;

    -    Estratégias de aquisição;

    -    Estratégias de abastecimento de usuários;

    -    Softwares MRO;

    -    Ferramentas de controle – Indicadores de desempenho (gestão de materiais e fornecedores e movigrama);

    -    Sistemas de movimentação e armazenagem para itens MRO.

Benefícios

     Ultimamente este nicho específico de materiais vem obtendo cada vez mais importância na gestão de mate­riais. Porém, possuem características totalmente diferentes das matérias-primas e produtos acabados, tais como: grande diversidade (SKU’s), grande número de fornecedores, demanda esporá­dica ou ocasional, grande dificuldade de cadastra­mento e requerem condições específicas de armazenagem.

Quem deve participar

     Analistas de Materiais, manutenção, PCM, PCP, Com­pras e outras pessoas que atuam direta ou indire­tamente com itens MRO.

Duração:         16 horas em 2 dias

D.8
Gestão de Estoques

Objetivo

     -    Preparar os participantes para a utilização das técnicas de gestão de estoque.

    -    Viabilizar uma gestão de estoque eficaz.

    -    Habilitar os participantes na utilização de técnicas de previsão de demanda.

    -    Viabilizar a correção antecipada de variações do consumo em função do aumento de utilização.

    -    Estruturar as áreas de padronização de materiais por intermédio de procedimento matemático.

    -    Permitir avaliação do desempenho e da performance das áreas de gestão de ­materiais.

O que será aprendido

     -    Gestão de estoques: conceituação, objetivos, avaliação de estoques, ­sintomas e reflexos da gestão.

    -    Previsão de estoques: requisitos, recomendações, sistemas e técnicas de ­previsão, demanda proba­bilística, demanda não-probabilística.

    -    Análise de regressão: representação gráfica, interpolação/erros aleatórios, ­previsão de demanda (extrapolação).

    -    Correção antecipada do consumo em função do aumento da utilização.

    -    Economia decorrente da padronização de mate­rial: considerações, procedimento matemático, economias da padronização.

    -    Avaliação do desempenho e performance da ­gestão de estoques: objetivos, relatórios, ­gráficos.

    -    Saneamento dos estoques: critérios de ­saneamento, cuidados nos ajustes.

Benefícios

    Minimização de erros de previsão, permitir reduções de estoques, economia pela redução de número de itens, avaliação de desempenho e performance da gestão e saneamento de estoques.

Quem deve participar

     Profissionais que desejam implantar sistema adequado de Gestão de Estoques. Pessoas, dentro da organização, com potencial de promoção para ocupar cargos na área de Administração de Materiais. Profissionais que necessitem de atualização em técnicas modernas de Administração de Materiais.

Pré-requisito

    Nível colegial ou técnico; habilidade no uso de calculadora com 4 operações e raiz quadrada e aplicação de fórmulas. Trazer calculadora que opere com raiz quadrada.

Duração:        16 horas em 2 dias

 

D.9
Inspeção e Recebimento de Materiais

Objetivo

     Treinar os envolvidos na recepção e liberação de materiais, visando a melhoria de Qualidade e Produ­tividade.

    Entender o Sistema da Qualidade aplicado ao recebi­men­to e inspeção de materiais.

    Preparar os participantes para trabalharem em ambiente com­petitivo, no desenvolvimento de fornecedores e com parceiros comerciais.

O que será aprendido

- Fundamentos para melhoria da qualidade e produtividade nos armazéns e almoxarifados;

- Procedimentos relativos ao recebimento de ­materiais;

- Processos de recepção de materiais;

- Controle e liberação dos materiais;

- Sistemas e Técnicas de preservação de materiais;

- Importância no desenvolvimento de ­fornecedores;

- Normas e Procedimentos adaptados à série ISO 9000;

- Sistemas de inspeção de materiais;

- Planos de inspeção (folhas de processo/­controle);

- Visão geral dos planos de amostragem no recebimento;

- Visão geral do CEP atuando no recebimento;

- Abordagem PPM;

- Ações corretivas e preventivas;

- A inspeção de recebimento atuando como ­auditoria.

Benefícios

     Melhorar a motivação dos funcionários de laboratório/almoxarifado por meio do treinamento. Reduzir/eliminar erros de recepção, tendo o conhecimento técnico como ferramenta de suporte. Diminuir gastos com perdas e obsolescência, faltas e excessos por rejeição após o rece­­bi­mento, por descontrole, má localização e má iden­ti­ficação. Atender às exigências das Normas ISO 9000: 2000 nos itens específicos à inspeção e ao recebimento.

Quem deve participar

     Pessoas dentro da organização com potencial para promoção a funções relativas ao planejamento, inspeção e recebimento de materiais.

    Encarregados, supervisores e técnicos ligados às ­áreas de labo­ratório, armazéns e almoxarifados, manutenção, planejamento de materiais e compras.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

D.10
Metodologia Prática para Dimensionamento de Estoques

Objetivo

     Este curso apresenta um método moderno e prático desenvolvido pela IMAM Consultoria para determinação dos parâmetros de controle de materiais com o apoio do computador, Solucionando o dilema “Menor Capital de Giro investido em estoques” frente ao “Ágil atendimento das necessidades dos clientes”.

O que será aprendido

     -    A logística e a missão do administrador de materiais;

    -    Conceitos de planejamento e controle de materiais (PCM): Classificação das demandas; Classificação ABC e critérios práticos; Políticas de materiais; Giro e cobertura; Popularidade (PQR), Nível de serviço e Valoração de materiais;

    -    Indicadores de desempenho gerencial críticos na Gestão de Estoques;

    -    Considerações práticas sobre Lotes de reposição e Leadtimes;

    -    Conceitos básicos de estatística, planilhas e softwares de gestão empresarial (ERP);

    -    Como obter dados necessários (extratos e séries);

    -    Estatística aplicada nas séries de movimentação e interpretações numérica e gráfica (movigramas);

    -    Formalização das políticas de materiais;

    -    Apresentação da metodologia para realização do Diagnóstico MPDE;

    -    Simulações (“o que aconteceria se alterássemos o parâmetro ....?”);

    -    Acuracidade de saldos em estoques e noções do processo de inventário rotativo;

    -    Métodos de projeção e dimensionamento dos estoques frente às incertezas;

    -    Aplicabilidade e plano para implementação do modelo.

Obs:     Recomendamos trazer calculadora (serão desenvolvidos exercícios de aplicação, inclusive com uso de planilhas). Cada participante receberá os arquivos contendo as planilhas apresentadas.

Benefícios

     Dispor de uma ferramenta muito objetiva, visual e prática (conforme apresentada no livro Dinâmica dos Estoques) para avaliar crite­riosamente os níveis de estoques em relação aos níveis adequados, estabelecendo uma política de materiais clara e sensata. Venha co­nhe­cer inúmeros projetos desenvolvidos junto com nossos clientes e trocar experiências, possibilitando reduzir seus estoques de forma objetiva e segura.

Quem deve participar

     Profissionais de logística, suprimentos, planejamento e controle de materiais ou produção (PCP/PCM), que procuram balancear seus estoques frente aos desafios das áreas comercial e financeira. Analistas e programadores de sistemas envolvidos com desen­volvimento e/ou implementação de sistemas de estoques e MRP. Nota: Este curso está orientado para profissionais que já conhecem os fundamentos da Gestão de Estoques, e procuram um conteúdo mais avançado e elaborado.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

D.11
Negociação em Compras

“Em uma economia turbulenta, ambas as empresas (você e seu fornecedor) devem obter o melhor resultado”.

Objetivo

     Fornecedores freqüentemente estão mais bem preparados do que compra­dores. Este treina­mento auxiliará na recuperação da vantagem ao profis­sional de compras. Obtenha van­tagem competitiva em suas próximas nego­ciações, a partir da estruturação de seu “plano mestre”.

Quem deve participar

     Gerentes de compras, compradores, pro­fissionais relacionados à atividade de supri­mentos e gerenciamento de materiais.

Benefícios

     -    Conheça as táticas de negociação;

    -    Identifique a melhor técnica de nego­ciação com seu fornecedor;

    -    Aprenda como desenvolver um plano de negociação;

    -    Estabeleça objetivos e metas de nego­ciação;

    -    Determine fatores críticos sobre seu for­necedor;

    -    Tenha o poder e a influência traba­lhando para você, não contra você.

O que será aprendido

     -    O que é negociação;

    -    As fases da negociação;

    -    Táticas de negociação;

    -    Definindo os objetivos da negocia­ção;

    -    Desenvolvendo um plano de nego­cia­ção;

    -    Como se preparar para uma negocia­ção;

    -    Definindo o melhor acordo;

    -    Ética em negociação em compras.

Duração:         16 horas em 2 dias

D.12
Padrão de Descrição de Materiais - PDM

Objetivo

    Um Padrão para Descrição de Materiais (PDM) é parte da infra-estrutura mínima para gestão de sistemas logísticos, e está relacionado aos cadastros de materiais, assegurando a identificação, descrição, classificação e parametrização inequívoca dos materiais. Não permita o kaos ou tente reinventar a roda, desenvolvendo uma abordagem incompatível com os atuais padrões do mercado, fundamental para suprimentos de materiais e gestão de estoques. Participe deste treinamento, aprenda técnicas e conheça os modelos existentes, trocando experiências sobre princípios de catalogação e softwares de apoio (MDMS).

O que será aprendido

     -    Sistemas de Padrão Descritivo de Materiais (PDM);

    -    Gerenciamento dos cadastros (Master Data Management, MDM);

    -    Taxonomia e árvore PDM (UNSPSC, NCM, GS1);

    -    Conteúdo de um Manual PDM;

    -    Técnicas de identificação (código de barras; GTIN, RFID e EPC Global);

    -    Como elaborar e manter estruturas PDM;

    -    Regras de caracterização (curta e completa);

    -    Softwares e funcionalidades relacionadas com PDM;

    -    Critérios de classificação de materiais (logísticos e fiscais);

    -    Responsabilidades e procedimentos operacionais;

    -    Controle da acurácia das informações cadastrais;

    -    Saneamento e sincronização de catálogos;

    -    Projeto para desenvolvimento e implementação do PDM;

    -    Indicadores gerenciais relativos ao PDM.

Benefícios

    -    Obter dicas e subsídios efetivos para a elaboração ou revisão do Manual PDM de sua empresa;

    -    Atualização com as melhores práticas de catalogação de materiais, e compatibilização com os padrões de mercado.

Quem deve participar

     Profissionais de suprimentos, compras, gestão de estoques, planejamento da produção e tecnologia da informação.

Duração:         8 horas em 1 dia

 

D.13
Planejamento e Controle de Estoques

Objetivo

     -    Fornecer técnicas e conceitos que fundamentam a Administração de Materiais e de Peças.

    -    Fornecer subsídios para a realização de um planejamento e controle de estoques otimizados.

    -    Preparar os participantes na gestão com estoques minimizados.

    -    Reconhecer a interdependência na tomada de decisões na cadeia de abastecimento.

O que será aprendido

     -    Classificação dos materiais: métodos simplificados, classificação ABC, conceituação e aplicações, definição dos parâ­metros utilizados, representação gráfica.

    -    Custos de renovação dos estoques: custo de aquisição, custo de armazenagem, custo total.

    -    Lote de compra: método simplificado, influência no estoque médio, lote econômico de compra, conceito e histórico, aplicações, modelo ­matemático.

    -    Níveis de estoque: tempo de reposição, estoque de segurança, conceituação, métodos simplificados.

    -    Métodos de controle de estoque: sistema de máximos e mínimos, sistema de reposição periódica, sistemas ­visuais.

    -    Sistemas de gestão: controle estatístico de estoque, a lógica do MRP/ERP, do Kanban e do Just-in-Time, como harmonizar os sistemas clássicos de controle ­estatístico de estoques em um ambiente integrado (Cadeia Integrada de Abastecimento – Supply Chain).

Benefícios

     Aumentar a satisfação dos clientes internos e ­externos da ­Administração de Materiais. Minimizar erros de planejamento. Reduzir tempos de entrega (Lead Time). Viabilizar redução de estoques. Aumentar a Qualidade e Produtividade da área de Administração de Materiais. Minimizar e até eliminar erros de Planejamento e de Suprimentos. Aumentar a motivação do pessoal envolvido no Planejamento e Controle de Estoques.

Quem deve participar

     Profissionais das empresas industriais, comerciais ou de prestação de serviços ligados ao planejamento, previsão e controle de materiais. Reciclagem de gerentes e supervi­sores de Materiais, PPCP, Suprimentos e Compras.

Pré-requisito

     Habilidade no uso de calculadora com 4 operações e raiz quadrada e aplicação de fórmulas. Trazer calculadora que opere com raiz quadrada.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

D.14
Técnicas e Métodos de Inventário de Materiais

Objetivo

     Apresentar métodos e ferramentas para o planejamento e acompanhamento dos inventários físicos dos estoques, ofe­recendo meios para realizar as contagens de forma racional, ágil e eficaz. Modernos conceitos de inventário, visando manter saldos precisos no sistema, dentro das melhores práticas.

O que será aprendido

     -    Organização física dos depósitos para produtividade do processo;

    -   O controle dos materiais: o controle físico e contábil e a documentação requerida;

    -    Indicador de acuracidade dos saldos;

    -    Os diversos tipos de inventário (periódico, rotativo, gra­tuito, etc.);

    -    Qual é o melhor método para sua empresa?;

    -    Como se preparar para o inventário: providências, instruções das equipes e treinamento operacional;

    -    As exigências das auditorias independentes e da Sarbanes-Oxley (SOX);

    -    Os critérios de controle;

    -    Identificação dos itens para o inventário;

    -    “Cut-off”: modelos de etiquetas, mapas de inventário, recon­tagem e mecanização;

    -    Processos de reconciliação e ajustes;

    -    Medições de qualidade e produtividade;

    -    Planos para implementação;

    -    Apresentação de estudos de casos e debates em grupo.

Obs: Cada participante receberá os arquivos eletrônicos com as planilhas apresentadas.

Benefícios

     Reavaliar o método do inventário físico dos estoques de forma que seja eficaz e eficiente, minimizando as interrupções ao atendimento. Implementar novas técnicas de contagens e siste­ma­tizar as melhores práticas de controle na empresa.

Quem deve participar

     Profissionais de materiais e contabilidade em geral.

Duração:         8 horas em 1 dia

 

E.1
Gerenciamento Integrado da Demanda e Estoques

Mudanças nas demandas exigem da empresa a utilização de diversas técnicas de planejamento, com as quais os profissionais do PCP/PCM tornam-se capazes de minimizar os “impactos perversos” das incertezas, otimizando o aproveitamento dos recursos e dos materiais.

Objetivo

     Explicitar e debater uma síntese das atividades do PCP e PCM com os demais departamentos. Apresentar as técnicas administrativas em diferentes ambientes industriais (repetivo e sob-encomenda). Atualizar os profissionais com instrumentos que possibilitam melhores decisões.

O que será aprendido

     -   A função logística;

    -   Caracterização da função de PCP e PCM;

    -   Previsão de Vendas (Forecasting) e Softwares;

    -   Sales and Operation Planning (S&OP);

    -   Programação de Produção (sob encomenda e seriada);

    -   Gestão de Materiais (Parâmetros de Controle);

    -   Métodos de Inventário;

    -   Considerações práticas sobre dimensionamento de Lote;

    -   Dimensionamento de Estoque de Segurança;

    -   Curva “ABC” (elaboração, Interpretação e dicas práticas);

    -   Noções do funcionamento do algoritmo MRP (Time Phased);

    -   A filosofia Just-in-Time, focalizando o sistema kanban;

Obs:     Recomendamos trazer calculadora (serão desenvolvidos exercícios de aplicação, inclusive com uso de planilhas). Cada participante receberá os arquivos contendo as planilhas apresentadas.

Benefícios

     -   Melhores critérios de diagnóstico e desenvolvimento de modelos de sistemas de PCP e PCM;

    -    Melhor atendimento ao cliente (aumento do nível de serviço);

    -    Melhor preparo do profissional de PCP/PCM;

    -    Otimização dos recursos de manufatura, racionalizando os capitais imobilizados em estoques.

Quem deve participar

     Profissionais ligados ao PCP e/ou PCM; Produção; Compras; Vendas; Administradores e Gestores da Manufatura ou Estoques; Admi­nistradores, Engenheiros e Técnicos especializados.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

E.2
MRP/MRP II/ERP - Planejamento das Necessidades de Materiais, Recursos da Manufatura e Empresariais

Objetivo

     Apresentar os conceitos e lógica de um ambiente MRP, iden­tificar as mudanças necessárias nos modelos de gestão do negócio, cultura organiza­cional e atitudes necessárias para a implementação e consolidação de um ambiente estru­turado de planejamento e controle baseado nos modernos recursos dos sistemas de gestão empresarial (ERP).

O que será aprendido

     -    Conceito, lógica, pré-requisitos, metodolo­gia de imple­mentação;

    -    Conceitos e aplicações do MRP/MRP II;

    -    Tipos de indústria;

    -    Objetivos e estratégias;

    -    Planejamento de vendas e demanda (S&OP);

    -    Planejamento de produção;

    -    Plano-Mestre de produção;

    -    Planejamento das necessidades de materiais;

    -    Planejamento das necessidades de capacidade;

    -    Listas de material;

    -   Noções sobre gestão de estoques;

    -    Roteiros de produção;

    -    Controle no piso de fábrica (MES);

    -    Planejamento de compras e suprimentos;

    -    Qualidade da base de dados (acurácia dos dados);

    -    Educação e implementação (aspectos comporta­men­tais);

    -    Exercícios de aplicação.

Benefícios

     Conhecimento das necessidades para implemen­tação e manutenção de um ambiente MRP.

Quem deve participar

     Planejadores, analistas, controllers e usuários envol­vidos no processo de planejamento e execução do negócio, vendas, produção, suprimentos e distri­buição.

Duração:         16 horas em 2 dias


E.3

PPCP - Planejamento, Programação e Controle da Produção

“O PPCP organiza sua empresa de modo a cumprir os prazos de entrega prometidos e aproveitar ao máximo sua capacidade produtiva”.

Objetivo

     Fornecer métodos e ferramentas de planejamento, programação e controle da produção para otimização dos recursos diretos de um processo produtivo.

O que será aprendido

     -   Conceito de planejamento e hierarquia de planejamento;

    -   Do Planejamento Estratégico ao PPCP;

    -   Estrutura organizacional do planejamento industrial;

    -   Inter-relações do PCP com as demais áreas da empresa;

    -   Planos de longo, médio e curto prazos;

    -   Sistemas de produção e modelos: produção em lotes, contínuos, intermitentes e sob encomenda;

    -   A Influência dos tipos de produção e arranjos da fábrica no PCP;

    -   A missão e as funções do PPCP;

    -   A lógica do MRP/MRP II;

    -   A visão da logística integrada no PPCP;

    -   Planejamento-Mestre de produção;

    -   Simulação das alternativas para atender à demanda;

    -   Dimensionamento de recursos diretos (equipamentos, matéria-prima e mão-de-obra);

    -   Programação e seqüenciamento da execução;

    -   Programação de uma célula de produção;

    -   Programação e Controle da Produção com Kanbans;

    -   Programação de Capacidade Finita;

    -   Inventários e controle dos estoques;

    -   Sistema de empurrar versus puxar a produção;

    -   Métodos de controle da produção;

    -   Gerenciamento dos gargalos/restrições;

    -   Monitoração da produção;

    -   PERT/CPM aplicado ao PPCP da produção sob encomenda;

    -   Indicadores-chaves do PPCP;

    -   Estudo de casos e exercícios

Benefícios

     Fornecer as bases para que as pessoas com interesse e vivência empresarial possam desenvolver-se para compreender, diagnosticar, desenvolver e supervisionar a função de planejamento da produção nas empresas industriais em que atuam.

Quem deve participar

     Administradores ligados às áreas de vendas, logística, finanças e produção, profissionais de produção, planeja­dores, programadores, analistas e técnicos especializados. Nível iniciante a intermediário.

Duração:         32 horas em 4 dias

E.4
Previsão de Vendas (Técnicas de Forecast)

“Sua empresa precisa de “previsão com precisão”?

Objetivo

     Sensibilizar os participantes quanto à importância e recursos do processo de previsão da Demanda (forecast), apresentando técnicas e ferramentas informa­tizadas para estruturar o processo de pre­vi­são dos vo­lu­mes de vendas, aprimorando com­petências, habi­lidades e atitudes para o plane­jamento de vendas.

O que será aprendido

- Introdução ao Processo de Previsão;

- Processo de Previsão;

- Horizonte e Granulometria de tempo;

- Variáveis relevantes e padrões das tendências;

- Princípios de visibilidade, decomposição e con­solidação;

- Ferramentas de Planejamento;

- Noções do processo Sales and Operations Planning (S&OP);

- Planejamento da demanda e gestão de vendas;

- Métodos Quantitativos;

- Recursos do MS-Excel para previsão de vendas;

- Exercício de Aplicação;

- Como medir a assertividade da Previsão;

- Demonstração de software de Planejamento dinâmico;

- Avaliação do desempenho do processo de previsão.

Benefícios

- Conhecer ou atualizar-se com as melhores práticas;

- Troca de experiências entre praticantes, analistas e gestores;

- Incrementar a precisão da sua previsão.

Duração:         8 horas em 1 dia

 

F.1
Desenvolvimento Prático de Embalagens

Objetivo

     Demonstrar uma sistemática para o desenvolvimento de embalagens que pode ser aplicada ao Mercado Externo ou Interno.

O que será aprendido

- Evolução da embalagem;

- Funções da embalagem;

- Planejamento;

- Desenvolvimento estrutural;

- Desenvolvimento estético;

- Implantação;

- Especificações;

- Procedimentos para inspeção;

- Programas para redução de custos e otimização;

- Apresentação de casos e debates no decorrer da apresentação.

Benefícios

     Conhecer um sistema para acompanhar o desenvolvimento de embalagens, evitando surpresas, imprevistos e super ou subdi­mensionamento.

Quem deve participar

     Gerentes, técnicos, analistas, compradores e outras pessoas ligadas às áreas que interagem com embalagens e logística.

Duração:         8 horas em 1 dia

 

F.2
Embalagem Industrial e de Exportação

Objetivo

     Propiciar aos participantes uma visão holística-global da embalagem dentro da cadeia logística, abrangendo o mercado interno e externo.

O que será aprendido

    -    Como surgiu a embalagem e sua evolução;

    -   Classificação quanto à aplicação;

    -   Fluxo de informações para desenvolvimento de emba­lagens;

    -   Unitizadores padrão – a caixa preta da logística;

    -   Materiais de embalagem e acolchoamento;

    -   Armazenagem: embalagem é à base da definição de área;

    -   Embalagem durável vs. descartável – investimento ou despesa;

    -   JIT / Kanban e seu efeito na operação logística;

    -   Cuidados na ergonomia e segurança;

    -   Exportação – embalagem de madeira vs. metálica;

    -   ISO contêineres – a melhor embalagem é o útero, a segunda a do seu produto!

    -   Identificação – em embalagem mico não entra;

    -   Vídeos de aplicação;

    -   Exercícios práticos;

    -   Traga seu problema para brainstorming.

    -   Embalagem danificada, confiabilidade perdida.

Benefícios

     Propiciar aos participantes, melhor conhecimento no desen­vol­vimento de embalagens, análise da causa de danos, planejamento de transporte, custos, influências na qualidade do produto, aumento da produtividade, redução de custo de embalagem, distribuição e exportação.

Quem deve participar

    Gerentes, supervisores, engenheiros, técnicos de almo­xarifado, responsáveis por desenvolvimento de embalagens, operação logística, qualidade, exportação, e equipamentos para transporte.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

F.3
Gerenciamento das Operações de Armazéns

“Tudo para você planejar e administrar seu armazém”

Objetivo

    Explore a administração dos armazéns como um conjunto de operações organizadas que se combinam num pro­cesso global. Um armazém mantém, movimenta, classi­fica, acumu­la, transfere e muda a forma dos inventários. A administração de um armazém será vista como um processo focalizado na movimentação eficiente de material de e para as áreas de estocagem.

O que será aprendido

- Armazenagem – como serviço;

- As atividades da armazenagem na ­logística;

- Nível de serviço;

- Princípios da armazenagem;

- Os tipos de armazéns;

- Planejamento das operações:

        Recebimento físico e administrativo; conferências quantitativa e qualitativa; unitização ou reembalagem; endereçamento para o estoque; estocagem (diferentes modos e tipos); separação dos pedidos; acumulação dos itens; embalagem e unitização; carregamento e expedição.

- Dimensionamento de recursos num armazém;

- Localização dos pontos críticos e gargalos nas operações de armazenagem;

- Atividades terceirizáveis no fluxo da armazenagem;

- Terminais de cargas (transbordo, transit point, conso­lidação, etc.);

- Sistemas de gerenciamento do armazém (WMS);

- Custos da armazenagem.

Benefícios

     Avaliar e atacar as causas que geram a neces­sidade de manter elevados inventários em qualquer tipo de arma­zém, seja de matérias-primas, materiais em processo, produtos acabados, etc. Projetar o melhor layout do seu armazém e do estoque. Estabelecer procedimentos efi­cientes para a operação do armazém.

Quem deve participar

     Gerentes, supervisores e coordenadores de todas as instalações destinadas à guarda dos materiais.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

F.4
Gestão Estratégica de Estoques e Armazenagem

“Desdobre a estratégia na operação!”

Objetivo

    Este curso de dois dias abrange com propriedade diversos princípios da moderna gestão de estoques e armazenagem de materiais, tendo por base inúmeros estudos de casos reais, propondo a aplicação de técnicas práticas e efetivas, que vão muito além da teoria acadêmica clássica. Novos paradigmas são avaliados e antigos dilemas explorados, possibilitando ao profissional de logística maior visibilidade e uma percepção mais clara dos desafios e dos meios para alcançar resultados e vantagens competitivas.

O que será aprendido

- O papel estratégico da gestão dos estoques e da armazenagem;

- Atendimento perfeito como visão logística: Níveis de serviço e protocolos logísticos (SLA);

- Uma missão para PCM (estoques balanceados);

- Uma missão para suprimentos (relacionamentos);

- Uma missão para armazenagem;

- Formalizando as políticas e estratégias logísticas;

- As 36 estratégias e os modelos clássicos de gestão (de estoques);

- Estratégias de operação (inspeção, armazenagem, dimensionamento de recursos, picking, postponement, etc.);

- Estratégias de armazenagem em ambientes dinâmicos (sazonalidade, crescimento, recursos humanos, etc.);

- Automatização através da tecnologia de informação;

- Diagnóstico através da MPDE (“dinâmica dos estoques”);

- Acurácia das informações e inventários de estoques (noções fundamentais);

- Localização estratégica dos estoques na malha logística;

- Engenharia de sistemas logísticos (noções sobre raciocínio lógico, concepção e modelagem de sistemas);

- Dilemas (trade-off) logísticos e método para tomada de decisão (SLA x CG x Localização x Lote x Frete x Riscos);

- Como elaborar o planejamento para implementação de melhorias;

- Administração através de indicadores de desempenho e Scorecard logístico;

- Noções sobre gerenciamento de riscos logísticos;

- Lições aprendidas através de estudos de casos.

Benefícios

    O participante terá mais subsídios para analisar a situação atual de seu sistema de gestão e de seu depósito, sendo capaz de conceber estratégias, políticas e projetos efetivos, possibilitando um balanceamento dos estoques de forma objetiva e segura, bem como meios para armazenar estes materiais de forma produtiva.

Quem deve participar

     Profissionais de logística, suprimentos, planejamento e controle de materiais (PCP/PCM), gestores de depósitos e Centros de Distribuição que procuram atender os desafios das áreas comerciais e financeiras com qualidade e produtividade. Analistas e programadores envolvidos com desenvolvimento e/ou implementação de sistemas de gestão de estoques e depósitos.

    Observação: Este curso está orientado para profissionais que já conhecem os conceitos fundamentais da Gestão de Estoques e Armazenagem, e que procuram um conteúdo mais avançado e elaborado para melhorar sua atuação.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

F.5
Habilitação para Operadores de Empilhadeiras

Objetivo

     Capacitar os operadores a conduzir as empilha­deiras de forma segura e eficiente.

O que será aprendido

1. Introdução: princípios técnicos, van­tagem do programa, esboço do curso.

2. Instrução fundamental: princípios técnicos da empi­lhadeira, nomenclatura dos componentes, descrição da máquina e dos comandos, noções fundamentais sobre o ­funcionamento.

3. Instrução fundamental (sem carga).

4. Prática: sem obstáculos.

5. Segurança: noções gerais; filme-documentário sobre segurança.

6. Manutenção fundamental da máquina: respon­sabilidade do operador, exigências funda­mentais de ­manutenção, demonstração: inspe­ção da máquina e pontos a con­trolar.

7. Funcionamento: levantamento e inclinação (empilha­deira descarregada).

8. Prática: empilhadeira descarregada.

9. Noção fundamental das operações (empilha­deira carregada).

10. Operações de levantamento e inclinação (empilhadeira carregada): acionamento de me­ca­­nismos, levantamento e inclinação.

11. Operações de levantamento e inclinação (em­pilhadeira descarregada e carregada).

12. Prática: empilhadeira carregada.

13. Noções fundamentais sobre movimentação de materiais: tipos de paletes e contentores, méto­dos de carga e movimentação, condições de operações.

14. Ensinamento fundamental: prática de manobras, levantamento e inclinação (empilhadeira carre­gada).

15. Ensinamento geral: manobras difíceis; operações em condições desfavoráveis; empre­go correto no em­pilhamento; uso de acessórios.

16. Prática: percurso obrigatório.

17. Entrega de certificado após o teste prático conclusivo (testes para qualificação).

Benefícios

     Desenvolver e treinar a habilidade de operar a empi­lhadeira com segurança e eficiência, de forma a evitar acidentes e preservar as boas con­dições da máquina.

Quem deve participar

     Colaboradores envolvidos com veículos indus­triais/empilhadeiras.

Exclusivamente “in-company”

Duração: 16 horas em 2 dias

 

F.6
Maximizando a Utilização do Espaço no Armazém

“Duplicar, triplicar ... a capacidade de estocagem sem prejudicar a operação pode parecer difícil, mas não impossível. Acredite! Você tem espaço!”

Objetivo

     Identificar as oportunidades de ganho de espaço e aprender a aplicação de técnicas e métodos para melhoria da ocupação do armazém sem comprometimento das operações.

O que será aprendido

- Como medir a ocupação do armazém? (Indicadores de Eficiência);

- Como identificar perdas no uso do espaço no armazém?

- O impacto sistêmico das perdas de espaço;

- Analisando as perdas no uso do espaço nos armazéns a partir dos custos logísticos;

- Padrões de utilização do espaço;

- Técnicas e métodos para ganhar espaço no armazém;

- Classificação de itens no armazém quanto à ocupação de espaço;

- Espaço para itens de pequeno porte (não unitizados) e itens de grande porte ou unitizados;

- Gerenciando espaços com picos de estocagem e sazonalidades;

- Lidando com excesso de estoque e itens obsoletos - Housekeeping (5 ‘S’);

- Maximizando espaço no armazém através de:

• Lotes reduzidos;

• Procedimentos operacionais;

• Mudanças físicas (layout);

• Sistemas de movimentação e estocagem;

• Tecnologia da Informação (WMS, RF, etc.);

- Análise de viabilidade das propostas de ganho de uso do espaço no armazém;

- Exemplos e experiências práticas.

Benefícios

- Identificar oportunidades de uso do espaço no armazém;

- Identificar a capacidade de estocagem de um armazém;

- Apresentar uma proposta viável através de análises mais completas;

- Reduzir custos de movimentação e armazenagem na sua empresa;

- Agilizar a separação de pedidos;

- Iniciar o desenvolvimento de uma cultura de aversão às perdas.

Quem deve participar

    Profissionais que queiram desenvolver a capacidade de racionalizar espaços em armazéns, centros de distribuição, almoxarifados, depósitos, etc. O curso foi desenvolvido para que o diretor, gerente, supervisor ou operador tenham condições de aprender novas técnicas e métodos de ganho de espaço na armazenagem.

Duração:         8 horas em 1 dia

 

F.7
Organização de Almoxarifados

Objetivo

                Propiciar aos participantes, com o enfoque da Visão Técnica e Humana de um Almoxarifado, requisitos para, por meio da Organização de Almoxarifados, obter ganhos reais de Produtividade e conseqüente Racio­nalização dos Recursos, para um gerenciamento eficaz do Almoxarifado e/ou Armazém.

O que será aprendido

- Porque organizar os almoxarifados;

- Os princípios básicos da movimentação física de materiais;

- Unitização de cargas – ganhos de produtividade;

- Visão do almoxarifado na cadeia logística;

- O que há de moderno nos equipamentos de movi­mentação e armazenagem;

- Layout de concepção ou correção;

- A técnica na elaboração de um layout;

- Gerenciamento de espaços nos almoxarifados através de:

• Dimensionamento de corredores;

• Escolha técnica do equipamento;

• Verticalização;

• Classificação de materiais;

• Como a forma geométrica do prédio contribui para ganhos de espaço e diminuir custos;

• Análise do processo físico, entre outros.

- Separação de pedidos

• Agilidade no atendimento dos pedidos;

• Simulação prática de separação de ­pedidos.

- Sistema de locação/endereçamento;

- Conceitos japoneses, exemplos: Just-in-Time, Kanban, Poka-Yoke, etc.

- Segurança e seus impactos;

- A importância do Housekeeping-5 “S” no almoxa­rifado;

- Relação humanas no almoxarifado:

• Características das pessoas;

• Motivação/interesse/vontade/empenho;

• Comprometimento vs. Envolvimento;

• Criatividade, como sensibilizar e motivar as pessoas.

- Estudos de casos;

- Vídeos técnicos.

Benefícios

     Entender a interdependência técnica e humana na Organização de Almoxarifados, possibilitando tomadas de decisões a nível operacional numa forma sistêmica.

Quem deve participar

    Todas as pessoas que se relacionam com Almoxari­fados, direta e indiretamente.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

F.8
Sistemas e Técnicas para Movimentação e Armazenagem de Materiais

“O mais completo curso de movimentação e armaze­nagem de materiais!”

Objetivo

     Fornecer aos participantes os subsídios para a avaliação e o desenvolvimento de Sistemas Integrados de Logística (Embalagem, Movimentação e Armaze­nagem de Materiais).

O que será aprendido

- Os fundamentos da Movimentação de Materiais;

- Os Princípios Básicos da Movimentação de Materiais;

- Logística, Movimentação e Armazenagem de Materiais;

- As inter-relações da Logística numa empresa;

- Embalagem, acondicionamento e unitização;

- Equipamentos de Movimentação e Armazenagem de Materiais;

- Seleção de equipamentos de Movimentação e Arma­zenagem;

- Análise de problemas de Movimentação de Materiais;

- Avaliação e implementação de alternativas;

- Exercícios e estudos de casos práticos.

Benefícios

     Obter uma visão sistêmica da Movimentação e Armazena­gem de Materiais, a fim de desenvolver soluções técnicas e eco­nomicamente viáveis, tanto na fase de projeto de novas ins­talações como no ge­renciamento operacional de sistemas.

Quem deve participar

     Engenheiros industriais, administradores de produção e de materiais. Técnicos e analistas industriais. Profissionais que atuam nas áreas de Embalagens, Lo­gística, Almoxa­rifados, Transporte Interno, Armazéns, Distribuição e Transporte, Administração de Mate­riais e Planejamento da Produção.

Duração:         16 horas em 2 dias

F.9
Técnicas e Métodos de Separação de Pedidos

“Apenas a adequada combinação de estratégias, sistemas, técnicas e métodos de separação de pedidos pode assegurar um elevado nível de satisfação dos clientes e o aumento da produtividade em um processo de armazenagem”.

Objetivo

     Desenvolver nos participantes a habilidade de tratar a separação de pedidos como uma estratégia de melhoria do atendimento aos clientes e aumento da produtividade operacional.

O que será aprendido

     -   As funções da armazenagem;

    -   A separação de pedidos e sua importância no ciclo de atendimento ao cliente;

    -   Integrando a separação de pedidos com operações de valor agregado;

    -   Variáveis envolvidas na separação de pedidos;

    -   Estratégias de separação de pedidos;

    -   Sistemas e técnicas de separação de pedidos;

    -   Passos para otimizar e racionalizar a separação de pedidos (produtividade);

    -   O sistema “Pick-Pack-Check”;

    -   Como escolher a melhor combinação de estratégias, técnicas e métodos;

    -   Estudos de tempos e métodos na separação;

    -   Equipamentos e acessórios de suporte;

    -   A separação de pedidos num cenário de sazonalidade (ex: pico do fim de mês);

    -   Tecnologia de Informação (WMS – Sistemas de Gerenciamento de Armazéns, Código de Barras, Radiofreqüência, etc.) na separação de pedidos;

    -   Simulando um processo de separação de pedidos com auxílio de planilhas eletrônicas;

    -   Exercício prático: diagnóstico de uma operação de separação de pedidos;

    -   Indicadores de desempenho (KPI);

    -   Exemplos e experiências práticas.

Benefícios

     -   Identificar oportunidades de melhoria;

    -   Reduzir erros e identificar a capacidade para separação de pedidos (ex: linhas/hora.homem);

    -   Aumentar a qualidade e a produtividade operacional do processo de armazenagem;

    -   Agilizar o processo de separação de pedidos.

Quem deve participar

     Profissionais (operação, técnicos e supervisores) que estejam envolvidos com a melhoria operacional do sistema de separação de pedidos de um processo de armazenagem.

    O curso apresenta técnicas para análise da separação de pedidos, mas utiliza uma linguagem (didática) que possibilita também a compreensão do pessoal operacional.

Duração:         8 horas em 1 dia

 

F.10
Treinamento Prático para Operadores de Armazéns

“Vamos investir na formação de quem FAZ ACONTECER! A partir de conceitos e  experiência prática adquirida pela equipe da IMAM em trabalhos conjuntos com o pessoal operacional!”

Objetivo

1. Desenvolver nos participantes e capacitá-los, através de módulos de treinamentos simples (lúdicos) e práticos, os conceitos necessários ao desenvolvimento de uma Armazenagem de Classe Mundial;

2. Integrar a operação, de uma forma simples e prática, na visão estratégica que a empresa está adotando (obs.: antes do treinamento é necessário a realização de um diagnóstico com a gerência e direção de 1 dia).

O que será aprendido:

Módulo 1 (8 horas) – Armazém Enxuto

• A importância da Armazenagem nos dias de hoje;

• O conceito e os princípios do Armazém Enxuto;

• A valorização do profissional de armazenagem (ex.: separadores, ajudantes, etc.);

• O perfil do profissional do armazém;

• Mapeamento básico do processo de armazenagem (ex.: recebimento; espera; estocagem; transferência, separação; consolidação, carregamento; entre outros).

• O que são e como identificar Perdas no Armazém?

• A diferença entre eficiência e eficácia no Armazém (Produtividade+Segurança+...);

• Técnicas e estratégias para implementação do Armazém Enxuto.

Exercício Prático: Mapeando o processo de armazenagem e identificando perdas.

 

Módulo 2 (8 horas) – Embalagem, Manuseio e Movimentação

• O que é um SKU?

• Padrão Descritivo de Materiais;

• Caracterização e Classificação de Produtos;

• Embalagens (Embalagens Primárias e Secundárias), Acondicionamento e Unitização;

• A embalagem como a base de um sistema eficaz de Movimentação e Armazenagem;

• Princípios Básicos da Movimentação;

• Atividades de Valor Agregado no manuseio e movimentação;

• Cuidados no manuseio de cargas e embalagens de diferentes características;

• Os Limites Físicos para Movimentação Manual;

• Acidentes na movimentação;

• A Ergonomia na Movimentação de Materiais;

• Sistemas, técnicas e equipamentos para manuseio e movimentação;

• Quando aplicar cada equipamento?

• Por que não usamos determinados equipamentos como se deve?

Exercício Prático: Avaliação prática das embalagens do Armazém e dos métodos de manuseio.

 

Módulo 3 (8 horas) – Recebimento e Estocagem

• As funções da armazenagem;

• A função do recebimento e sua importância no Armazém;

• Como identificar perdas no recebimento?

• O impacto sistêmico das perdas geradas no recebimento;

• Analisando as perdas no recebimento;

• Sistemas e técnicas para recebimento de itens;

• Como utilizar as docas para o recebimento;

• A função da estocagem e sua importância no Armazém

• Sistemas e técnicas para estocagem de materiais;

• Classificação de itens quanto aos diversos sistemas de estocagem;

• Como utilizar melhor o espaço do armazém sem comprometer a operação;

• Balanceando as atividades de recebimento com outras atividades de armazenagem;

• Layout da área de recebimento;

Exercício Prático: O real tamanho de nosso armazém.

 

Módulo 4 (8 horas) – Separação de Pedidos

• A separação de pedidos e sua importância no ciclo de atendimento ao cliente;

• Separação de pedidos com operações de valor agregado;

• Variáveis envolvidas na separação de pedidos;

• Precisamos de conferentes após separação de pedidos (“Pick-Pack-Check”)?

• Estratégias de Separação de Pedidos;

• Sistemas e Técnicas de separação de pedidos;

• Passos para melhorar a separação de pedidos (produtividade);

• Estudos de tempos e métodos na separação;

• Equipamentos e acessórios de suporte;

• A separação de pedidos na sazonalidade (ex.: pico do fim de mês);

• Exemplos Práticos de casos reais sobre separação de pedidos;

Exercício Prático: O Jogo dos Erros (Vídeo/Realidade).

 

Módulo 5 (8 horas) – Organização e Limpeza

• Auto-diagnóstico preliminar de Organização e Limpeza no Armazém;

• O padrão de exigência de cada profissional;

• Por que Organização e Limpeza?

• Elementos de um Armazém;

• Técnicas e Métodos para promover a Organização e Limpeza: - Housekeeping, 5 “S”; - Dia da Limpeza e Cartão Vermelho; - Antes e Depois; - Programa SOL (Segurança, Ordem e Limpeza); - “Show Room” do Armazém para visitantes; - “Open Warehouse” (armazém aberto); - Fotografia em Ponto Fixo; - Comissão de Vistoria, etc.

• Como você que trabalha no armazém pode participar?

• Auto-diagnóstico preliminar de Organização e Limpeza Pessoal;

• Responsabilidade ambiental;

• Estudos de casos em fotos e vídeos de empresas brasileiras e do exterior;

Exercício Prático: Desenvolvimento do Diagnóstico do Armazém em relação à Organização e Limpeza e de um Padrão de Vistoria.

 

Módulo 6 (8 horas) – Serviço ao Cliente

• Armazenagem como um Serviço ao Cliente;

• Clientes Internos e Externos;

• O que é o foco no cliente e o foco do cliente?

• A importância da postura e atitudes do pessoal que trabalha em armazéns;

• Conceitos Básicos de Qualidade em Serviços;

• Características exclusivas dos serviços

• Qualidade dos Serviços e dos Produtos

• Os “Momentos da Verdade” e qual é a sua participação nestes momentos se você atua no Armazém?

• Custo dos erros humanos;

• Cuidados na operação;

• Técnicas para Negociação e Solução de Problemas (Técnicas para solucionar reclamações de clientes e Planos de Contingência);

Exercício Prático: Simulando o Processo de Atendimento ao Cliente.

 

Módulo 7 (8 horas) – Inventário e Controles

• Para que controlar os estoques?

• O controle dos materiais: o controle físico e contábil;

• Divergência de Informações.

• O que é acuracidade de saldo?

• O que é acuracidade de localização?

• Os diversos tipos de inventário (periódico, rotativo, etc.);

• Cuidados antes, durante e após o inventário;

• Inventário gratuito: dicas práticas;

• O Inventário como um Projeto (Como você pode contribuir para este Projeto);

• Número de pessoas para o inventário (quantos precisam participar?);

• Apresentação de exemplos.

Exercício Prático: Inventário rotativo na prática.

Módulo 8 (8 horas) – Tecnologia no Armazém

• O limite da capacidade humana e o apoio da tecno­logia.

• Porque tecnologia no armazém?

• Como ela pode auxiliar nas operações do armazém e não provocar demissões?

• Automação do Fluxo de Materiais e de Informações;

• Tipos de tecnologia existentes no Armazém (Robôs, Luz, Voz, Radiofreqüên­cia, etc.);

• Benefícios esperados com a Tecnologia;

• Riscos da implementação de Tecnologia;

• Como você pode contribuir com a implementação de tecnologia no armazém?

• Principais equipamentos utilizados no armazém e os cuidados operacionais que devemos ter com cada tipo de equipamento;

• Erros comuns na operação de armazéns com Tecno­logia.

Exercício Prático: Separação de Pedidos (com tecnologia vs. sem tecnologia).

Módulo 9 (8 horas) – Índices de Desempenho

• Você é medido pelo trabalho que faz?

• Exercício da Melancia;

• O que são indicadores?

• Para que servem os indicadores?

• Quais são os indicadores que você utiliza no seu dia-a-dia?

• O que devemos medir durante a distribuição e o trans­porte?

• Será que podemos melhorar se não medir?

• Trabalhando com objetivos e metas;

• Gestão à Vista;

• Como trabalhar em Equipe para alcançar as Metas?

Exercício Prático: Dinâmica da Bolinha e Desafio Lunar

 

Módulo 10 (8 horas) – Melhoria Contínua

• A importância de observar e identificar os efeitos indesejáveis;

• A relação causa-efeito entre os “problemas”;

• Análise Sistêmica (Exercício Prático em Sala de Aula);

• O triângulo PAM-TT;

• O que VOCÊ pode fazer para melhorar onde você vive?

• Melhoria Contínua (KAIZEN) - O que é KAI e o que é ZEN?

• Invenção, Inovação e Kaizen;

• Como participar de um processo de Melhoria Contínua?

• O Kaizen: facilidade de entendimento, dificuldade para aplicação efetiva;

• Como registrar melhorias contínuas;

• O desafio do KAIZEN Individual: Só depende de VOCÊ!

• Exemplos de Kaizens;

Exercício Prático: Identificando oportunidades de Melhoria.

Benefícios

     Através de exercícios lúdicos e práticos, os participantes adquirem um nível de exigência muito maior em relação às suas atividades do dia-a-dia. Este conhecimento adquirido, após o programa, deve ser explorado através de atividades de melhoria a serem exigidas de cada participante.

Quem deve participar

     Todos os profissionais (conferentes, estoquistas, separa­dores, ajudantes e profissionais afins) que se envolvem com as atividades de armazenagem.

    Esse curso pode ser aplicado para pessoal tático, mas com alterações de conteúdo a fim de se adequar às expectativas do público.

Exclusivamente “in-company”

Duração: 80 horas em 10 dias

 

G.1
Análise e Solução de Problemas

Objetivo

     Muito do que fazemos em nosso dia-a-dia está relacionado com a solução e/ou prevenção de problemas. Se bem solucionados ou pre­venidos em curto prazo, os ganhos para a empresa são con­sideráveis; caso contrário, as perdas são perceptíveis. O uso de uma metodologia simples compartilhada por toda a empresa e em todos os níveis facilitará o processo de comunicação e a eficácia da solução.

O que será aprendido

- Definição de problemas;

- Determinação das causas dos desvios reais através da análise;

- Uma metodologia prática para análise  e solução de problemas;

- As sete ferramentas para a análise das causas:

• Lista de verificação;

• Histograma;

• Diagrama de Ishikawa (causa e efeito);

• Gráfico de Pareto;

• Diagrama de Dispersão;

• Gráfico de Controle;

• Estratificação.

- Exercícios de aplicação (serão entregues planilhas com os estudos de casos desenvolvidos durante o treinamento).

Benefícios

     Capacitar os participantes com metodologias claras e fáceis para análise e busca de soluções que possam ser aplicadas nos diversos tipos de problemas, e sua tomada de decisão para sua efetiva solução.

Quem deve participar

     Todos os profissionais da empresa que necessitem de metodologia para análise, remoção e prevenção de problemas.

Duração:         8 horas em 1 dia

G.2
CEP – Controle Estatístico do Processo

Objetivo

     Transmitir aos participantes os conceitos das técnicas estatísticas que podem ser usadas em manufatura e em serviços. Distinguir qual é a melhor ferramenta es­ta­tística para cada necessidade na empresa. Enten­der porque o Japão usou o CEP com tanto suces­so e definir uma ma­neira para aplicá-lo, também, nas em­pre­sas brasileiras.

O que será aprendido

- Conceitos de Qualidade;

- Histórico do CEP;

- Inter-relação com o 6 Sigma;

- Causas das variações aleatórias e causais;

- Conceitos gerais e estatística básica;

- Avaliação da capacidade dos sistemas de medição;

- 7 ferramentas tradicionais da Qualidade;

- Histogramas;

- Conceitos básicos de probabilidade;

- Distribuições estatísticas;

- Avaliação da capabilidade do processo - Índices Cp, Cpk, Pp e Ppk;

- Gráficos de controle - variáveis e atributos;

- Autocontrole - gráfico do farol;

- Técnicas para análise de causas dos desvios;

- Diagrama de Ishikawa; Gráfico de Pareto; correlação;

- Aplicações com software de CEP;

- Implementação do CEP.

Benefícios

     Conhecer as ferramentas estatísticas que são utiliza­das para a identificação e análise de problemas, bem como para a avaliação da “estabilidade” e “capaci­dade” do processo.

Quem deve participar

     Gerentes, engenheiros, técnicos, analistas, supervi­sores e outras pessoas ligadas às áreas de Projeto, Qualidade, Processo, Produção, Materiais e Serviços.

Pré-requisito

     Habilidades no uso de calculadora com 4 operações e raiz quadrada; aplicações de fórmulas. Trazer cal­culadora.

Duração:         32 horas em 4 dias

 

G.3
FMEA – Modo de Falha e Análise de Efeitos

Objetivo

     Melhorar a qualidade do produto e/ou servi­ço através da detecção preventiva das causas e conseqüências das falhas durante as fases de projeto do produto, do processo de fabri­cação ou do serviço.

O que será aprendido

- Conceituação e classificação de falhas;

- Importância do FMEA nas indústrias (exemplos práticos);

- Planejamento das atividades de FMEA;

- Formação e treinamento do grupo de FMEA nas empresas;

- FMEA de Sistema;

- FMEA de Projeto;

- FMEA de Processo;

- FMEA de Serviço;

- Relação entre a FMEA e as normas ISO 9000 e QS 9000;

- Aplicação prática da FMEA em sistemas, serviços e processos industriais.

Benefícios

- Identificação e atenuação das conse­qüências de falhas potenciais em siste­mas industriais e serviços.

- Contribuir para a eliminação de barreiras interdepar­tamentais.

- Melhorar a imagem empresarial.

- Atender às exigências de clientes.

- Diminuição de custos de revisões dos desenhos.

- Aumento da confiabilidade com conse­qüente aumento da confiança do cliente no produto e na marca.

Quem deve participar

     Gerentes, supervisores, engenheiros e técnicos das áreas de projeto, processo, pro­dução, qualidade, segurança, vendas e com­pras de instalações industriais.

Duração:         16 horas em 2 dias


G.4
Kaizen “Blitz” (Semana Prática)

Objetivo

     Implementar em curto período de tempo (uma semana) todas as ações necessárias possíveis e impossíveis, visando a obtenção de resultados práticos em qualquer processo.

O que será aprendido

     -    Os desafios de “fazer acontecer”;

    -   O trabalho em equipe;

    -    Invenção + Inovação + Kaizen;

    -   A filosofia Kaizen e a Metodologia Kaizen;

    -    Kaizen como estratégia de cres­cimento;

    -    Ténicas e ferramentas Kaizen;

    -   A diversidade de ambientes para aplicação do Kaizen;

    -   O Kaizen “Blitz” e o envolvimento da equipe;

    -   O trabalho no Gemba;

    -    Identificando perdas e idéias;

    -    Implementando idéias práticas;

    -    Vamos para ação!

    -    Medindo resultados;

    -    Planejando para o futuro.

Benefícios

     -    Criar através de ações práticas, a atitude para a melhoria contínua;

    -    Valorização das pequenas ações;

    -    Desenvolvimento do espírito de equipe.

Quem deve participar

     Todos os profissionais que estiverem pré-dispostos a contribuir para a melhoria contínua.    

Exclusivamente “in-company”

Duração: 40 horas

 

G.5
Lean + Seis Sigma

Objetivo

     Desenvolver a capacidade de imple­mentar de forma integrada as estra­tégias de Lean e Seis Sigma, de forma a potencializar os resultados obtidos por programas de melhoria.

O que será aprendido

- As estratégias de melhoria mais em­pregadas pelas organizações;

- A estratégia “Lean” e Seis Sigma;

- Análise Sistêmica e Diagnóstico;

- O universo de técnicas e ferra­mentas;

- Como estabelecer metas e indica­dores?

- O que priorizar?

- Estrutura organizacional para gestão do projeto integrado;

- Plano de implementação;

- Fatores críticos de sucesso;

- Estudos de casos;

- Simulação em sala de aula.

Benefícios

- Identificar as reais oportunidades de melhoria;

- Investir na melhor relação: inves­timento de recursos vs. benefícios.

Quem deve participar

    Todos os profissionais que querem compreeender como integrar as estra­tégias para a melhoria organiza­cional.

Duração:        16 horas em 2 dias

 

G.6
Poka-Yoke (Métodos a Prova de Falhas)

Objetivo

     O Poka-Yoke é uma técnica simples, mas extremamente po­derosa, para eliminar as falhas humanas no local de trabalho, usando dispositivos baratos que podem ser desenvolvidos no próprio chão de fábrica por operários. Sistemas Poka-Yoke permitem que você atinja o Zero Defeito e elimine a inspeção após a produção. É uma ferramenta da QS 9000.

    Ao mesmo tempo que o Poka-Yoke melhora a qualidade, também previne as falhas que podem levar a quebras ou a outros tipos de problemas com os equipamentos.

O que será aprendido

- Erros vs. Defeitos (Causa e Efeito);

- Tipos comuns de erros: esquecimento, distração, erros de processo, falta de peças, montagem errada, erros na formulação de misturas, des­gaste de ferramentas, quebras de máquinas, regulagens de instru­mentos, setup, etc.

- Como envolver os operadores na eliminação dos erros/­defeitos;

- Poka-Yoke: uma metodologia simples e barata;

- As funções e os tipos de Poka-Yoke;

- Comparação do Poka-Yoke com os métodos estatísticos de controle da qualidade;

- Aplicação do Poka-Yoke em novos projetos com o auxílio do DFMA (Projeto para a Manufatura e Montagem);

- Aplicação do Poka-Yoke nas peças existentes e nas novas peças;

- Poka-Yoke como resultado da qualidade PPM (peças por milhão);

- Implementação imediata do Poka-Yoke em quaisquer ­ambien­tes produtivos;

- Exemplos e discussão de estudos de casos em ­grupos;

- Vídeos ilustrando os prejuízos/perigos por erros cometidos no processo.

Benefícios

     As técnicas baseadas em estatística, como o CEP, identificam os problemas, mas você precisará de dispositivos a prova de falhas - Poka-Yoke - para eliminá-los. O motivo é que as técnicas estatísticas toleram um certo nível de defeitos.

    E seus clientes - também vão tolerar?

    Para um cliente, um produto defeituoso é 100% defeituoso, e não 0,1%.

    O método do Poka-Yoke reflete o ponto de vista do seu cliente - Zero Defeito. Essa é a meta.

    Os dispositivos a prova de falhas inspecionam, automa­ticamente, erros ou condições operacionais não-conformes.

    São práticos, baratos e fáceis de usar.

Quem deve participar

     Gerentes, supervisores, engenheiros e técnicos de processos de melhoria da qualidade (FMEA, QS 9000, etc.).

Duração:         8 horas em 1 dia

 

G.7
Técnicas e Estratégias de Produtividade

“Caminho mais curto para chegar aos objetivos da empresa.

Melhor uso dos recursos humanos e materiais da empresa.
Produtividade: diferencial da empresa de sucesso”.

Objetivo

     Discutir as mais modernas técnicas e estratégias de melhoria da produtividade e, conseqüentemente, da competitividade e capacitar o pessoal na utilização dessas ferramentas, o que permitirá à empresa participar com vantagem na eterna batalha pela conquista do mercado.

O que será aprendido

- Como melhorar a Produtividade

        Conceituação de produtividade. Parâmetros de produ­tividade. Técnicas e estratégias.

- Atividade Gerencial e Ciclo Administrativo

        Planejamento; Liderança: Comunicação, Motivação, Delegação, Tomada de Decisão; Organização; Controle; Eliminação do desperdício/desburocratização.

- Conteúdo Fundamental do Trabalho

        Trabalho útil - adicionar valor.

- Desenvolvimento da criatividade

        Identificação dos bloqueios. Processo criativo.

- Sistema de Métodos

        Racionalização e simplificação; Análises: produto, processo e execução; Princípios de economia de movimentos; Ergonomia; Representação gráfica do trabalho; Exame crítico dos estudos do trabalho; Análise de valor.

- Sistema de Medida do Trabalho

        Observações instantâneas; Avaliação do ritmo; Cronome­tragem.

        Tempos predeterminados e sintéticos - MTM; Análise dos tempos;

        Majorações para compensar a fadiga; Determinação do tempo padrão; Administração do tempo.

- Sistema de Incentivo

        Efeito da aprendizagem; Desenvolvimento da multifun­cionalidade; Plano de carreira; Incentivo salarial.

- Logística

        Coordenação do fluxo; Acondicionamento; Estocagem; Movimentação; Transporte e distribuição física.

- O Futuro da Manufatura

        CAD, CAM, CAE, CIM, FMS - Robótica; Administração do tempo; Gerenciamento das restrições.

Benefícios

- Aumento da capacidade de produção.

- Uso correto dos meios da empresa: pessoal, material e equi­pamento.

- Pessoal mais consciente dos objetivos da empresa.

Quem deve participar

     Diretores, gerentes, supervisores e técnicos envolvidos, direta ou indiretamente, em atividades ligadas à En­genharia de Produto, de Processo, de Métodos e de Pla­ne­jamento.

Duração: 32 horas em 4 dias

 

G.8
Treinamento Prático para Operadores “Lean”

“Vamos investir na formação de quem FAZ ACONTECER! A partir de conceitos e experiência prática adquirida pela equipe da IMAM em trabalhos conjuntos com o pessoal operacional!”

Objetivo

1. Desenvolver nos participantes e capacitá-los, através de módulos de treinamentos simples (lúdicos) e práticos, os conceitos necessários ao desenvolvimento de uma Manu­fatura de Classe Mundial;

2. Integrar a operação, de uma forma simples e prática, na visão estratégica que a empresa está adotando (obs.: antes do treinamento é necessário a realização de um diagnóstico com a gerência e direção de 1 dia).

O que será aprendido:

Módulo 1 (8 horas) – Produção Enxuta

• Quais são os desafios da Produção nos dias de hoje;

• O conceito e os princípios da Produção Enxuta;

• Valor x Perda (As Grandes Perdas);

• Descobrindo e localizando as Perdas (Oportunidades);

• A importância do TEMPO na produção

• Em que se baseia o Sistema Toyota de Produção e qual a sua influência na Produção Enxuta;

• Visão Geral e Operacional dos Conceitos e Técnicas de Produção Enxuta:

- Mapeamento do Fluxo do Valor;

- Housekeeping, 5“S”;

- MPT -  Manutenção Produtiva Total;

- Qualidade na Fonte/ Poka-Yoke;

- Shojinka;

- Células de Produção;

- Setup Rápido;

- Kanban;

- Kaizen;

- Gestão à Vista, entre outras

Exercício Prático: Identificando oportunidades no Gemba com Óculos de “MUDA”

 

Módulo 2 (8 horas) – Fluxo e Layout

• Fluxo e Layout: 2 lados de uma mesma moeda;

• Fluxo Contínuo de Produção:

- “Takt Time”;

- Tempo de Ciclo;

- Fluxo de Uma Peça (“One Piece Flow”);

- Sincronização;

- Estoque tendendo a zero (enxuto), entre outros.

• Layout (Arranjo Físico):

- Distâncias reduzidas (enxutas);

- Tecnologia de Grupo;

- Células de Produção;

- Postos de Trabalho;

- Equipamentos simples e práticos, entre outros.

Exercício Prático: Fábrica de Aviões.

 

Módulo 3 (8 horas) – Programação da Produção

• Características da Demanda;

• Planejamento, Programação e Controle da Produção e dos Materiais;

• Sistema de Empurrar a Produção (“Pull”) vs. Sistema de Puxar a Produção (“Push”);

• O pessoal da operação tomando a decisão através do KANBAN;

• Lote Econômico de Produção (porque não fazer mais do que o necessário?);

• Eficiência vs. Eficácia

• O que ganhamos com a FLEXIBILIDADE e como podemos ser mais FLEXÍVEIS?

• SETUP RÁPIDO até onde?

• Como atender a necessidade de nossos clientes com constantes mudanças de programação   sem fazer estoques?

• O que podemos fazer, como operadores de uma produção enxuta para gerar mais facilidade para a programação.

Exercício Prático: SETUP Rápido de Classe Mundial

 

Módulo 4 (8 horas) – Trabalho Padronizado

• O ciclo Melhoria ßà Padronização para evitar retrocessos;

• O trabalho padronizado como ferramenta de estabilização de operações;

• A diferença entre Trabalho Padronizado e “engessamento”;

• Que tipos de operações podem e/ou devem ser padronizadas?

• O Trabalho Padronizado como ferramenta de treinamento operacional;

• Ferramentas para análise e padronização:

- Gráficos de Tempos (CT/TT);

- Tabela de Combinação do Trabalho Padronizado (TCTP);

- Diagrama de Trabalho Padronizado.

• Trabalho Padronizado (Processo) e Padrões de Trabalho (Resultado);

• Assegurando os Padrões de Trabalho através da Gestão de Riscos;

- Matriz de Riscos;

- Ações Preventivas;

- Planos de Contingência.

Exercício Prático: Implementando o Trabalho Padronizado com Planos de Contingência.

 

Módulo 5 (8 horas) – Qualidade na Fonte

• O que significa Qualidade na Fonte?

• “Não recebo, não produzo e não envio produtos ou serviços com defeito!”

• Identificando a causa dos Erros e Defeitos na prática.

• Tipos comuns de erros: esquecimento, distração, erros de processo, falta de peças, montagem errada, erros na formulação de misturas, desgaste de ferramentas, quebras de máquinas, regulagens de instrumentos, setup, etc.

• Poka-Yoke: uma metodologia simples

• Os tipos de Poka-Yoke

• Implementação imediata do Poka-Yoke

• Exemplos e discussão de estudos de casos em grupos

Exercício Prático: Identificar e desenvolver um POKA-YOKE na produção.

 

Módulo 6 (8 horas) – Organização e Limpeza

• Auto-diagnóstico preliminar de Organização e Limpeza na Produção;

• O padrão de exigência de cada profissional;

• Por que Organização e Limpeza?

• Elementos da Distribuição e Transporte;

• Técnicas e Métodos para promover a Organização e Limpeza: - Housekeeping, 5 “S”; - Dia da Limpeza e Cartão Vermelho; -Antes e Depois; -Programa SOL (Segurança, Ordem e Limpeza); -“Show Room”; -“Open House” (casa aberta); -Fotografia em Ponto Fixo; -Comissão de Vistoria, etc.

• Como você que atua na produção pode participar e contribuir?

• Auto-diagnóstico preliminar de Organização e Limpeza Pessoal;

• Responsabilidade ambiental;

• Estudos de casos em fotos e vídeos de empresas brasileiras e do exterior;

Exercício Prático: Desenvolvimento do Padrão de Vistoria na Produção.

 

Módulo 7 (8 horas) – Manutenção (Conservação)

• O que é Manutenção (consertar vs. conservar);

• O que são ações corretivas, preventivas, preditivas e produtivas?

• Manutenção Produtiva Total;

• Quebra Zero;

• Quais são os recursos utilizados na Produção?

• O que é Manutenção Autônoma?

• O que é Manutenção Planejada?

• Técnicas e Métodos para aplicação da Manutenção Produtiva Total;

- Etiquetagem;

- Lição de Um Tema;

- “Check-Lists” (Listas de Verificação);

- Gestão à Vista, entre outras.

• Índice de disponibilidade, eficiência e qualidade aplicados na Produção (“OEE”).

Exercício Prático: Diagnóstico da Produção e Desenvolvimento de Lut’s e “Check-Lists”.

Módulo 8 (8 horas) – Gestão à Vista

• Evidência objetiva e instantânea;

• Como procedemos quando existe algum desvio na produção (ex.: simulação prática de solução de problema);

• O processo de COMUNICAÇÃO;

• Utilizando os 5 sentidos na identificação de um desvio;

• O Controle Visual e seus objetivos;

• Quadros de Gestão à Vista (Tipos de Quadros);

• Que tipo de informação é importante para a Produção;

• Como agir sem precisar pedir autorização para tomar uma decisão?

• Quadros ANDON;

• Os desafios do Auto-controle;

• Poluição Visual (Cuidados para manter o foco);

Exercício Prático: Diagnóstico prático de oportunidades na Gestão Visual na Produção.

Módulo 9 (8 horas) – Índices de Desempenho

• Você é medido pelo trabalho que faz?

• Exercício da Melancia;

• O que são indicadores?

• Para que servem os indicadores?

• Quais são os indicadores que você utiliza no seu dia-a-dia?

• O que devemos medir durante a distribuição e o trans­porte?

• Será que podemos melhorar se não medir?

• Trabalhando com objetivos e metas;

• Gestão à Vista aplicada à Indicadores;

• Como trabalhar em Equipe para alcançar as Metas estabelecidas?

Exercício Prático: Dinâmica da Bolinha e Desafio Lunar

Módulo 10 (8 horas) – Melhoria Contínua

• A importância de observar e identificar os efeitos indesejáveis;

• A relação causa-efeito entre os “problemas”;

• Análise Sistêmica (Exercício Prático em Sala de Aula);

• O triângulo PAM-TT;

• O que VOCÊ pode fazer para melhorar onde você vive?

• Melhoria Contínua (KAIZEN) - O que é KAI e o que é ZEN?

• Invenção, Inovação e Kaizen;

• Como participar de um processo de Melhoria Contínua?

• O Kaizen: facilidade de entendimento, dificuldade para aplicação efetiva;

• Como registrar melhorias contínuas;

• O desafio do KAIZEN Individual: Só depende de VOCÊ!

• Exemplos de Kaizens;

Exercício Prático: Kaizen individual, definindo o desafio pessoal.

Benefícios

     Através de exercícios lúdicos e práticos, os participantes adquirem um nível de exigência muito maior em relação às suas atividades do dia-a-dia. Este conhecimento adqui­rido, após o programa, deve ser explorado através de atividades de melhoria a serem exigidas de cada participante.

Quem deve participar

     Todos os profissionais envolvidos com a produção e ati­vidades correlatas.

    Esse curso pode ser aplicado para pessoal tático, mas com alterações de conteúdo a fim de se adequar às expectativas do público.

Exclusivamente “in-company”

Duração: 80 horas

G.9
Células de Manufatura

“Obtenha flexibilidade para a produção em lote unitário!” (one-piece flow).

Objetivo

     Fornecer metodologia e técnicas para imple­mentação de produção em fluxo contínuo em células de manufatura e minifábricas.

O que será aprendido

- As formas tradicionais do arranjo das fábricas e escritórios.

- Tipos de layouts industriais e seus problemas.

- Fatores que exigem uma mudança no arranjo da fábrica.

- Diferenças entre ilhas, células de manufatura e minifábricas.

- Importância das células de manu­fatura como ferramenta do JIT e da Qualidade Total.

- Benefícios e vantagens do arranjo celular.

- Os pré-requisitos para uma célula eficiente.

- Métodos e técnicas para formação de famílias de peças ou processos.

- Desenvolvimento do modelo das células numa planta ­in­dus­trial.

- Células “virtuais” para equipa­mentos de grande porte e de difícil realocação.

- Dimensionamento de células de ma­nufatura.

- A compatibilização dos recursos críticos.

- O balanceamento da célula: “takt-time” e os colaboradores multifun­cionais.

- Diferenças entre células focalizadas e não-focalizadas.

- Habilidades desejáveis aos grupos que operam as células.

- A completa eliminação dos meios de movimentação de materiais num am­biente celular.

- Células administrativas e de enge­nharia.

- Métodos de programação da pro­dução, cálculos de ­eficiência e sistemas de custeio num ambiente celular.

- Simulação e estudos de casos em diversos tipos de indústrias.

Benefícios

     Conhecer a diferença entre os diversos tipos de arranjos físicos dos equipa­men­tos. Aplicar as técnicas para a for­mação de  células.

Quem deve participar

     Gerentes, supervisores, engenheiros e demais profis­sionais relacionados com o chão de fábrica.

Duração:        8 horas em 1 dia

 

G.10
Housekeeping - 5 “S” / MPT

“A base para a Qualidade Total”

Objetivo

     Proporcionar aos participantes uma visão abrangente desta técnica, impres­cindível para iniciar e manter os pro­cessos de Qualidade e Produtividade Total, transfor­mando seu ambiente de trabalho e reedu­cando os colaboradores em prol de uma empresa excelente em organização, limpeza e segurança. Conscientizar sobre o que é Housekeeping, suas técnicas de implemen­tação e perpetuação e como planejar e geren­ciar um processo de implementação na sua empresa.

O que será aprendido

- O que é Housekeeping;

- A filosofia dos 5“S”;

- Técnicas para iniciar a implementação do Housekeeping: Dia da Limpeza e Cartão Vermelho;

- Técnicas para perpetuar o Housekeeping: Programa SOL (Segurança, Ordem e Limpeza); “Show Room” para visitantes; “Open House” (empresa aberta); Fotografia em Ponto Fixo; Comissão de Vistoria;

- Como planejar a implantação na empresa. Como envolver os colabo­radores no processo, conseguindo sua participação espontânea e com alegria;

- Benefícios do Housekeeping no geren­ciamento do meio ambiente;

- A evolução da manutenção;

- MPT - Manutenção Produtiva Total;

- As grandes perdas;

- Rendimento Global dos Equipamentos (ex.: OEE);

- Os Oito Pilares e estratégia para implementação;

- Estudos de casos em transparências, fotos e vídeos de empresas japonesas e brasi­leiras.

Benefícios

     Os participantes compreenderão a filosofia dos 5“S” e o uso correto das ferramentas de implementação e per­petuação, aprenden­do, também, como planejar a implementa­ção na sua e­mpresa com uma metodologia simples e participativa, baseada em Kaizen com as Atividades em Pequenos Grupos.

Quem deve participar

     Diretores, gerentes, supervisores e profissio­nais de qualquer tipo de indústria, ligados à implementação de Lean, Seis Sigma e ISO 9000, que tenham como objetivo melhorar os níveis atuais de Qua­lidade, Produtividade, Motivação e Segu­rança.

Duração:        8 horas em 1 dia

 

G.11
Kaizen – Processo de Melhorias Contínuas

Objetivo

     Sensibilizar e estimular as pessoas a pensarem, de maneira cada vez mais simples, em toda a sua ati­vidade pessoal e pro­fissional e colo­carem efeti­vamente em prática as suas idéias, para que as melhorias feitas possam trazer maiores ga­nhos para si, para a empresa, seus colabora­dores, seus clientes e para a socie­dade.

O que será aprendido

- Como sensibilizar e motivar as pessoas a fazerem Kaizen;

- Como nasceu a filosofia Kaizen;

- O que é KAI e o que é ZEN;

- Como é o processo de iniciação do Kaizen na empresa, através do ZEN;

- Como participar do Kaizen;

- O Kaizen é algo difícil ou fácil de ser entendido, aceito e aplicado efetivamente na empresa?

- Porque o processo do Kaizen é muito simples de ser aplicado na prática;

- Como registrar os Kaizens realizados, auditoria e premiação dos colaboradores;

- Exemplos de Kaizens/Inovação e Manu­tenção;

- Como mudar a cultura da empresa para o Kaizen;

- Kaizen orientado para o processo em todos os níveis;

- Kaizen orientado para a pessoa/equipe/pro­cesso/empresa/sociedade;

- Como proceder para uma efetiva implan­tação do Kaizen numa empresa;

- Exemplos práticos de produtos “Kaizenados”.

Benefícios

     Em primeiro lugar, o benefício será do próprio indivíduo que, com absoluta certeza, vai ver que, uma vez aceito, o Kaizen trará benefícios em cascata, ou seja, para si, para sua família e, principalmente, para sua vida profissional, cujo resultado ao longo do tempo trará para a empresa melhor QUA­LIDADE e PRODUTI­VIDADE e a conseqüente redução das perdas. Com o Kaizen elimina-se ou reduz-se tudo aquilo que não agrega valor ao produto ou ­serviço e contribui para o desempenho com­petitivo da empresa.

Quem deve participar

     Todos os colaboradores (funcionários) de qual­quer área da empresa, pois fazer melho­rias con­tínuas é possível em qualquer lugar e por qualquer pessoa.

Duração:        8 horas em 1 dia

 

G.12
KANBAN - Sistema de Controle da Produção e de Materiais

“A melhor técnica para um sistema de puxar a cadeia de abastecimento”

Objetivo

     Apresentar a estratégia de “puxar” a pro­dução com o uso do Sistema Kanban para reduzir os estoques, fluidizar o fluxo de materiais entre as estações de trabalho e aumentar a produtividade expondo os problemas (perdas), proporcio­nando uma priorização das ações a serem tomadas.    

O que será aprendido

- O que é JIT - Just-in-Time;

- JIT e o Kanban;

- A evolução do Sistema Kanban;

- PPCP (Planejamento, Programação e Controle da Produção) com o Kanban;

- Controle da produção com Kanbans;

- Determinação do número de Kanbans;

- Regras de funcionamento do Kanban;

- Princípios do Sistema Kanban;

- Tipos de Kanban;

- Kanban nos diversos ambientes de produção (repetitiva, indústrias de pro­cesso, sob encomenda, projeto, etc.);

- Vantagens do Kanban;

- Pré-requisitos para o Kanban;

- Kanban e MRP;

- Implementação do Sistema Kanban.

Benefícios

     O participante entenderá os princípios do Sistema Kanban, que proporcionou a inú­meras empresas a redução drástica de seus estoques, otimização do fluxo de produ­ção, redução das perdas (atividades que não agregam valor ao produto e nem ao serviço) e aumento da flexibilidade.

    Aprenderão a dimensionar o número de Kanbans na sua empresa, implementar e au­ditar o sistema.

Quem deve participar

     Profissionais de qualquer tipo de indústria ligados à Manu­fatura, Produção, Mate­riais, Engenharia Industrial, Métodos e Processos e PPCP, que tenham como obje­tivo melho­rar os níveis atuais de ser­viço ao cliente.

Duração:         8 horas em 1 dia

G.13
Mapeamento do Valor Agregado

Objetivo

     O objetivo deste programa é apresentar aos usuários, os conceitos de mapeamento de valor agregado, e mais especificamente, criar os mapas de estado atual e futuro para implementação do am­biente enxuto em suas organizações.

O que será aprendido

- Entendimento das funções, metas e objetivos do mapeamento de valor agre­gado;

- Entendimento dos benefícios obtidos com o mapeamento de valor agregado;

- Entendimento do processo de elabo­ração do mapeamento do estado atual e futuro;

- Entendimento das características de um mapeamento de valor como ferramenta de otimização de processos;

- Entendimento do processo de desen­volvimento de cenários;

- Identificar os propósitos do mapea­mento de valor agregado;

- Reconhecer os benefícios do mapeamen­to de valor agregado;

- Descrever o fluxo detalhado de valor;

- Identificar e avaliar o mapa do estado atual;

- Descrever o processo criativo de ge­ração do mapa do estado futuro;

- Diferenciar as características de sucesso no desenvolvimento de mapas de valor;

- Identificar propostas de mapeamento de estado futuro;

- Diferenciar as características de sucesso do mapa de valor futuro;

- Reconhecer os obstáculos comuns encon­trados durante o desenvol­vimento de ma­pas de valor e implementação da manu­fatura enxuta;

- Identificar o impacto e benefícios da imple­mentação de am­biente de fluxo contínuo de produção.

Quem deve participar

     Este programa destina-se a gerentes, enge­nheiros e técnicos das diversas indústrias, in­teressados em implementar os princípios da ma­nufatura enxuta. Este curso é indicado para aqueles que têm interesse sobre o conhe­cimento básico do gerenciamento da produ­ção sob de­manda, sistema puxado, motivados a aumen­tar seus conhecimentos e habilidades em lean manufacturing (fluxo contínuo de produção).

Duração:         8 horas em 1 dia

 

G.14
SETUP - Sistemas e Técnicas de Troca Rápida

“Viabilizando a fabricação em pequenos lotes”

Objetivo

     Capacitar os profissionais na redução do tempo de “Setup” para o aumento da flexibilidade, bem como adotar, na prática, a metodo­logia de rápidas trocas e ajustes de ferramentas.

O que será aprendido

- Problemas da fabricação em grandes lotes;

- Lotes econômicos versus Tempo de “Setup”;

- A necessidade da fabricação em pequenos lotes;

- Aumentando a flexibilidade através do “Setup” rápido;

- O que é “Setup” rápido;

- Tipos e prioridades da Troca Rápida;

- Elementos de um “Setup”;

- Técnicas para redução do “Setup”;

- Os cinco passos para uma comprovada redução do “Setup”;

- Metodologia para observação e análise do “Setup”;

- O investimento no “Setup”;

- O necessário envolvimento das pessoas;

- SMED: “Setup” em menos de 10 minutos;

- Aplicação prática da metodologia SMED;

- Estudos de casos em vídeos.

Atenção: Nos cursos “in-company”, é necessário programar após o almoço uma troca de ferramentas para cada 10 participantes. Veja “in-loco” o imediato retorno da apli­cação desta técnica.

Benefícios

     Entender a real importância da Troca Rápida e imple­mentar um processo através de uma metodologia simples e de fácil assimilação por parte de todos os envolvidos.

Quem deve participar

     Todas as pessoas que se relacionam com a área industrial (gerentes, chefes, supervisores, coordenadores, preparadores, operadores, etc).

Duração:         8 horas em 1 dia

 

G.15
Semana Lean Manufacturing (Cursos G.9 a G.14)

Objetivo

Capacitar, de forma integrada, os profissionais em relação às técnicas do Lean Manufacturing.

O que será aprendido:

Módulo 1 (8 horas) - Housekeeping- 5”S” / MPT

- O que é Housekeeping;

- A filosofia dos 5“S”;

- Técnicas para iniciar a implementação do Housekeeping: Dia da Limpeza e Cartão Vermelho;

- Técnicas para perpetuar o Housekeeping: Programa SOL (Segurança, Ordem e Limpeza); “Show Room” para visitantes; “Open House” (empresa aberta); Fotografia em Ponto Fixo; Comissão de Vistoria;

- Como planejar a implantação na empresa. Como envolver os colabo­radores no processo, conseguindo sua participação espontânea e com alegria;

- Benefícios do Housekeeping no geren­ciamento do meio ambiente;

- A evolução da manutenção;

- MPT - Manutenção Produtiva Total;

- As grandes perdas;

- Rendimento Global dos Equipamentos (ex.: OEE);

- Os Oito Pilares e estratégia para implementação;

- Estudos de casos em transparências, fotos e vídeos de empresas japonesas e brasileiras.

 

Módulo 2 (8 horas) - Mapeamento do Valor Agregado

- Entendimento das funções, metas e objetivos do mapeamento de valor agregado;

- Entendimento dos benefícios obtidos com o mapeamento de valor agregado;

- Entendimento do processo de elaboração do mapeamento do estado atual e futuro;

- Entendimento das características de um mapeamento de valor como ferramenta de otimização  de processos;

- Entendimento do processo de desenvolvimento de cenários;

- Identificar os propósitos do mapeamento de valor agregado;

- Reconhecer os benefícios do mapeamento de valor agregado;

- Descrever o fluxo detalhado de valor;

- Identificar e avaliar o mapa do estado atual;

- Descrever o processo criativo de geração do mapa do estado futuro;

- Diferenciar as características de sucesso no desenvolvimento de mapas de valor;

- Identificar propostas de mapeamento de estado futuro;

- Diferenciar as características de sucesso do mapa de valor futuro;

- Reconhecer os obstáculos comuns encontrados durante o desenvolvimento de mapas de valor e implementação da manufatura enxuta;

- Identificar o impacto e benefícios da implementação de ambiente de fluxo contínuo de produção.

   

Módulo 3 (8 horas) - Células da Manufatura

- As formas tradicionais do arranjo das fábricas e escritórios.

- Tipos de layouts industriais e seus problemas.

- Fatores que exigem uma mudança no arranjo da fábrica.

- Diferenças entre ilhas, células de manufatura e minifábricas.

- Importância das células de manu­fatura como ferramenta do JIT e da Qualidade Total.

- Benefícios e vantagens do arranjo celular.

- Os pré-requisitos para uma célula eficiente.

- Métodos e técnicas para formação de famílias de peças ou processos.

- Desenvolvimento do modelo das células numa planta ­industrial.

- Células “virtuais” para equipa­mentos de grande porte e de difícil realocação.

- Dimensionamento de células de ma­nufatura.

- A compatibilização dos recursos críticos.

- O balanceamento da célula: “takt-time” e os colaboradores multifun­cionais.

- Diferenças entre células focalizadas e não-focalizadas.

- Habilidades desejáveis aos grupos que operam as células.

- A completa eliminação dos meios de movimentação de materiais num am­biente celular.

- Células administrativas e de enge­nharia.

- Métodos de programação da pro­dução, cálculos de ­eficiência e sistemas de custeio num ambiente celular.

- Simulação e estudos de casos em diversos tipos de indústrias.

 

Módulo 4 (8 horas) - Kanban - Sistema de Controle da Produção de Materiais

- O que é JIT - Just-in-Time;

- JIT e o Kanban;

- A evolução do Sistema Kanban;

- PPCP (Planejamento, Programação e Controle da Produção) com o Kanban;

- Controle da produção com Kanbans;

- Determinação do número de Kanbans;

- Regras de funcionamento do Kanban;

- Princípios do Sistema Kanban;

- Tipos de Kanban;

- Kanban nos diversos ambientes de produção (repetitiva, indústrias de processo, sob encomenda, projeto, etc.);

- Vantagens do Kanban;

- Pré-requisitos para o Kanban;

- Kanban e MRP;

- Implementação do Sistema Kanban.

   

Módulo 5 (8 horas) - Setup - Sistemas e Técnicas de Troca Rápida

- Problemas da fabricação em grandes lotes;

- Lotes econômicos versus Tempo de “Setup”;

- A necessidade da fabricação em pequenos lotes;

- Aumentando a flexibilidade através do “Setup” rápido;

- O que é “Setup” rápido;

- Tipos e prioridades da Troca Rápida;

- Elementos de um “Setup”;

- Técnicas para redução do “Setup”;

- Os cinco passos para uma comprovada redução do “Setup”;

- Metodologia para observação e análise do “Setup”;

- O investimento no “Setup”;

- O necessário envolvimento das pessoas;

- SMED: “Setup” em menos de 10 minutos;

- Aplicação prática da metodologia SMED;

- Estudos de casos em vídeos.

Módulo 6 (8 horas) - Kaizen - Processo de Melhorias Contínuas e Poka-Yoke

- Como sensibilizar e motivar as pessoas a fazerem Kaizen;

- Como nasceu a filosofia Kaizen;

- O que é KAI e o que é ZEN;

- Como é o processo de iniciação do Kaizen na empresa, através do ZEN;

- O Kaizen é algo difícil ou fácil de ser entendido, aceito e aplicado efetivamente na empresa?

- Porque o processo do Kaizen é muito simples de ser aplicado na prática;

- Como registrar os Kaizens realizados, auditoria e premiação dos colabo­radores;

- Como mudar a cultura da empresa para o Kaizen;

- Kaizen orientado para a pessoa/equipe/processo/empresa/sociedade;

- Como proceder para uma efetiva implan­tação do Kaizen numa empresa;

- Exemplos práticos de produtos “Kaizenados”;

- A cultura da Qualidade na Fonte;

- O conceito Poka-Yoke;

- Onde aplicar o Poka-Yoke?

- Exemplos de aplicação.

Quem deve participar

Todos os colaboradores (funcionários) de qualquer área da empresa, pois fazer melho­rias contínuas é possível em qualquer lugar e por qualquer pessoa.

Duração: 48 horas em 6 dias

G.20
Lean Office


“O programa mais abrangente e prático sobre produtividade nas áreas administrativas baseado na experiência prática”

Objetivo

Apresentar aos participantes o conceito de Lean (enxuto) nas Áreas Administrativas (Escritórios) visando capacitá-los no pro­cesso de identificação e eliminação de perdas nas áreas admi­nistrativas.

O que será aprendido

- Produtividade nas áreas administrativas

- O impacto das Perdas nas áreas administrativas;

- Preparando o projeto de Lean Office

- Diagnóstico da situação atual

- A relação causa-efeito entre perdas e produtividade admi­nistrativa;

- As grandes perdas nos escritórios (movimentação, loca­lização, esperas, verificações, qualidade,  material, etc.);

-Identificando as perdas nos escritórios através do mapea­men­to dos processos administrativos;

- Custos administrativos das atividades que não agregam valor;

- Separando o necessário do desnecessário

- Organizando objetos e estabelecendo limites

- Técnicas para diagnósticos nas áreas administrativas (cartão vermelho, fotografia em ponto fixo, etc.);

- Arrumação e limpeza.

- A TPM (Manutenção Produtiva Total) como ferramenta de pro­dutividade nos escritórios (Melhoria Específica, Manu­tenção Autônoma);

- Integrando Pessoas no Processo de Produtividade nas Áreas Administrativas:

• Conscientização e Mudança de Atitude/ Cultura;

• Trabalho em Times/ Equipes;

• Sistema de Sugestões e Reconhecimento;

• Evolução Contínua do padrão de exigência (Melhoria Contínua).

- LUT – Lições de Um Tema aplicadas nos escritórios (Casos Práticos);

- Passos para a Implementação do Lean Office;

- Estabelecendo padrões e compartilhando informações,

- Indicadores de Produtividade nos Escritórios;

- Perpetuando os ganhos obtidos;

- Empresas de Classe Mundial.

Benefícios

     Direcionar os esforços dos participantes em relação ao desen­volvimento e manutenção de um Processo de Produ­tividade nas áreas administrativas.

Quem deve participar

     Todos os profissionais que atuam ou interagem com áreas administrativas e necessitam ter visão do todo a fim de direcio­narem seus esforços para obtenção de resultados práticos em seus escritórios.

Duração:         16 horas em 2 dias

G.21
Lean Warehousing

Objetivo

Aplicar a estratégia “enxuta” nas operações de armazenagem, visando a obtenção de resultados relevantes ao desempenho da organização.

O que será aprendido

- A estratégia “lean” aplicada à armazenagem;

- O armazém tradicional vs. o armazém “enxuto”;

- As oportunidades de melhoria nos armazéns atuais;

- Mapeamento dos processos de armazenagem (VSM adaptada);

- As capacidades operacionais e os tempos de ciclo nos pro­cessos de armazenagem;

- Técnicas “Lean” aplicadas no armazém;

- O grau de exigência necessário ao melhor desempenho;

- Exemplos de aplicações e técnicas “lean” em processos de armazenagem (Brasil e exterior);

- Analisando as melhores ferramentas para aplicar no armazém;

- Medindo os resultados do “Armazém Enxuto”;

- Simulando uma operação do armazém (tradicional vs. en­xuta);

- Estabelecendo regras e estratégias “lean”;

- Utilizando a tecnologia da informação para viabilizar a operação enxuta.

Benefícios

- Identificar, com clareza, os benefícios da aplicação da estra­tégia “lean” na armazenagem;

- Implementar ações para atingir o armazém “enxuto”.

Quem deve participar

     Todos os colaboradores que pretendem investir em ações para transformar o armazém tradicional em um armazém “enxuto”.

Duração:         16 horas em 2 dias

H.1
Cronoanálise (Formação de Cronoanalistas e Processistas)

O conhecimento do tempo de execução é o insumo mais importante para a fabricação do produto ou do serviço.

Racionalização do trabalho significa economia de energia física e motora.

“Toda e qualquer atividade desenvolvida pela empresa exige o conhecimento, a priori, do tempo de execução do trabalho”.

Tempo é o dado predominante para a gestão da empresa. Tempo é o melhor encaixe das peças do sistema empresa. Redução do tempo = aumento do lucro.

Tempo é igual a dinheiro - quanto menos se gasta, mais se tem.

Conhecimento do tempo - melhor ferramenta de planejamento e gestão.

Objetivo

     Propiciar aos participantes os conhecimentos e as habilidades necessárias para que melhorem os métodos de trabalho e determinem, com exatidão, o tempo de execução das tarefas, permitindo, desse modo, que os setores de planejamento, de produção e de custos tenham dados corretos para exercer suas atividades.

O que será aprendido

- Produtividade - conceitos, meios e métodos para melhoria;

- Preparação do ­trabalho – planejamento;

- Curva ABC;

- Método de simplificação do trabalho;

- Ergonomia aplicada - princípios de economia de movimentos;

- Relativos ao corpo humano; relativos ao posto de trabalho; relativos às ferramentas e acessórios;

- Determinação do tempo de execução do trabalho;

- Cronometragem e avaliação de ­velocidade;

- Tabela-padrão de tempos e movimentos - MTM – aplicação;

- Observações instantâneas (Work Sampling) – aplicação;

- Representação do trabalho - Simograma (gráfico homem-máquina) – fluxograma do método.

Obs: Serão realizados exercícios de simplificação do trabalho, crono­metragem e avaliação da velocidade durante o curso.

Benefícios

- Melhoria dos métodos de trabalho;

- Aproveitamento dos recursos materiais e humanos da empresa;

- Redução do custo operacional. Apropriação de custos mais precisa;

- Redução da fadiga do operador;

- Redução dos desperdícios;

- Padronização dos tempos de execução do trabalho.

Quem deve participar

     Pessoas ligadas às atividades de projetos, métodos, processos, planejamento, produção ou que exerçam funções de comando em qualquer área da empresa.

Duração:         32 horas em 4 dias

H.2
Engenharia e Análise do Valor

“Reduza Custos através da análise de valor de seus produtos e serviços seguindo uma metodologia prática que será desenvolvida em sala de aula”

Objetivo

     Prover aos participantes conhecimentos concei­tuais e práticos sobre a metodologia, para que possam imple­mentar a EAV na empresa ou participar do sistema.

O que será aprendido

- Considerações sobre criatividade, postura pró-criativa, criação de atmosfera para o trabalho em grupo;

- Brainstorming - técnicas de aplicação;

- Redução de custo: abordagem convencional e abor­dagem EAV;

- Exemplos de redução de custo;

- Exemplos de redução de custo através da EAV;

- Conceituação de EAV;

- Definições: valor, função, etc;

- Metodologia prática de EAV:

 • Descrição das funções;

 • Avaliação numérica;

 • Custo da função;

 •  Diagramas analíticos;

 • Planilha de seleção de propostas;

    • Critérios de priorização;

    • Implementação na empresa.

Obs: Será desenvolvido um caso prático em sala de aula.

        Para cursos “in-company” é necessário que o curso seja minis­trado em 16 horas (2 dias) para que seja possível o desen­volvimento de 1 caso prático.

Benefícios

- Reduz custo, melhorando, simultaneamente, a quali­dade;

- Pode ser aplicada a produtos ou serviços;

- Cria uma postura voltada para custo/benefício de materiais alternativos;

- Maximiza o desempenho, reduzindo ou eliminando funções desnecessárias;

- Integra e dissemina informações pelos setores da empresa relacionados com o produto;

- Auxilia os indivíduos na busca de soluções cria­tivas para os problemas do cotidiano.

Quem deve participar

     Especialistas e demais profissionais de todas as áreas da empresa interessados em saber como se faz EAV.

Duração:         8 horas em 1 dia

 

H.3
Engenharia de Tempos e Métodos

Engenharia de Métodos = Humanização e Racionalização do Trabalho.

Engenharia de Métodos significa trabalho inteligente e produtivo.

Engenharia de Tempos e Métodos é uma ferramenta que dá ao empresário as condições para tornar sua empresa humana, rentável, segura e competitiva.

Engenharia de Tempos e Métodos = Trabalho inteligente, não fatigante, não perigoso.

Objetivo

     Qualificar o pessoal da empresa para elaboração, implementação, aplicação e controle de modernos métodos de execução do trabalho, capacitando-o para participar da acirrada luta pela con­quista do mercado, que caracteriza a economia globalizada atual.

O que será aprendido

- Evolução dos métodos de trabalho;

- Objetivos da engenharia industrial;

- Importância da racionalização do trabalho;

- Ferramentas de processos/métodos/tempos:

 • Análise do produto;

 • Análise do processo;

 • Mapofluxograma;

 • Representação gráfica do trabalho;

 • Estudo dos movimentos;

 • Detalhamento das operações.

- Medida do trabalho:

 • Cronometragem com avaliação de velocidade;

 • Amostragem do trabalho;

 • Balanceamento de linha;

 • Tempo-padrão.

- Ergonomia: princípios da economia de movimentos.

Benefícios

- Estabelecimento, a priori, do método de trabalho, do tempo de execu­ção e do ­custo;

- Aplicação de melhores métodos de trabalho no sistema produtivo;

- Padronização dos métodos de trabalho e tempos de execução;

- Melhoria do arranjo físico;

- Melhoria da qualidade do produto;

- Redução da fadiga do pessoal.

Quem deve participar

     Engenheiros, técnicos, supervisores e gerentes ligados direta ou indire­tamente aos setores de produção, de processos, de métodos e de tempos.

Duração:         24 horas em 3 dias

 

H.4
Ergonomia (Técnicas e Aplicações)

Objetivo

     Apresentar aos participantes as metodologias ergonômicas que devem ser usadas na área industrial para desenvolvi­mento e correção de postos de trabalho, melhorias nas condições atuais de trabalho, diminuição das queixas clínicas e aumento da produtividade.

O que será aprendido

- Ergonomia Industrial – conceituação, abrangência, domínios e obstáculos;

- A Ergonomia Industrial dentro dos novos sistemas de gestão;

- Fatores que interferem no rendimento humano no ambiente de trabalho;

- Fatores ergonômicos que ajudam a aumentar a produ­tividade;

- Fatores a serem observados nos projetos de um sistema e de um posto de trabalho;

- Antropometria e posições do corpo nos trabalhos ope­racionais;

- Biomecânica Ocupacional – Como diminuir ou eliminar situações de desconfortos biomecânicos;

- Fatores que tendem a sobrecarregar o funcionamento orgânico dos trabalhadores e como prevenir;

- Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (LER/DORT). Agentes causadores, avaliação do grau de risco e propostas de melhorias;

- Aspectos de ergonomia aplicada ao: método de trabalho, processo de fabricação;

- Arranjo físico e manuseio e movimentação de materiais – o que observar e aplicar;

- Ergonomia das ferramentas e o que observar na compra de novas máquinas e equipamentos;

- Organização do trabalho e planejamento da produção dentro do contexto Ergonomia;

- Treinamento Industrial – aspectos de ergonomia a serem abordados;

- Formação de grupos de estudos e comitês de ergonomia;

- Avaliação em grupo de postos de trabalho (somente para cursos “in company”)

Benefícios

     Através de exemplos práticos será mostrado aos participantes como a ergonomia deverá ser aplicada e usada em um ambiente de trabalho industrial.

Quem deve participar

     Profissionais de tempos, métodos, processos, layout e movimentação de materiais, segurança e medicina no trabalho, chefias de produção e planejamento da produção.

Duração:         16 horas em 2 dias

H.5
Layout Industrial

“Do layout na prancheta à simulação gráfica”

Objetivo

As fábricas de sucesso utilizam o “plant-layout” como uma importante ferramenta para atingir seus objetivos. Este curso utiliza um modelo geral, de aplicação comprovada em inúmeros casos reais, habilitando o participante a resolver qualquer problema de plant-layout. O participante desenvolve um projeto industrial no próprio curso. Tanto o modelo geral quanto os conceitos e técnicas apresentados são utilizados na elaboração de um projeto de “layout” industrial, desenvolvido pelos próprios participantes. Esta metodologia garante a praticidade do curso, uma vez que o projeto é realizado em condições idênticas à da reali­dade ­industrial. Cerca de 1/3 do curso é aplicado no projeto.

O que será aprendido

- Conceitos básicos: Definições. Os 3 grandes problemas do Plant-Layout. Objetivo e princípios.

- Coleta de informações: planejamento de produtos e processos. Quantidades a produzir. Padrões.

- Dimensionamento dos recursos diretos de produção: Indústrias de processo. Indústrias de montagem. Quantificação da mão-de-obra, matéria-prima, equipamentos.

- Estudo do fluxo-arranjo físico: Tipo de arranjo, usos, vantagens e desvantagens.  A manufatura celular: o projeto adequado a “lean manufacturing”. Minifábricas. A automação e os Sistemas Flexíveis de Manufatura. Definição econômica do tipo de arranjo a utilizar. Técnicas para a solução do problema do fluxo: o processo contínuo, a produção sob encomenda, a produção seriada. O arranjo físico por computador.

- Dimensionamento de espaços: técnicas utilizadas e os “templates”.

- Influências da legislação de segurança no projeto.

- O uso do computador (CAD, Softwares de simulação, etc.).

- Comparação de alternativas: técnicas qualitativas e quantitativas.

- Apresentação do projeto: O que mostrar, como mostrar. Métodos, materiais e convenções utilizadas. A aprovação do projeto.

- Implantação: O plano geral. O plano detalhado. Métodos e técnicas de planejamento e controle.

- Projeto simulado da fábrica (cerca de 1/3 do tempo do curso): Projeto de Layout ­Industrial (dimensionamento de recursos, arranjo físico e áreas. A expansão. O edifício. A operação da fábrica. O projeto final. A venda da idéia).

Benefícios

                Conhecer métodos e ferramentas para elaboração de layouts industriais e solucionar os problemas de projeto de fábrica e layout industrial.

Quem deve participar

     Gerentes e engenheiros industriais, analistas e cronoana­listas, engenheiros ou arquitetos de empresas de engenharia.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

H.6
MTM – Method Time Measurement

Introdução de conceitos mais precisos no estudo dos tempos de execução do trabalho.

MTM = redutor do tempo de execução do trabalho.

Diferencial do MTM - permite a determinação do tempo de execução sem a necessidade de realizar o trabalho.

MTM - árbitro imparcial das discussões sobre a viabilidade do tempo para executar o trabalho.

MTM – método mais objetivo para dimensionar a mão-de-obra, o fluxo de material e a maquinaria.

Objetivo

     Prover o técnico em estudo do trabalho de um instru­mento preciso, confiável e objetivo para o cálculo de tempo in­contestável de execução do trabalho e para o uso racional dos meios de produção.

O que será aprendido

- Produtividade - conceito, comparação, como melhorar;

- Melhoria de métodos no ­trabalho;

- Ergonomia - princípios de economia de movimentos;

- Decomposição do trabalho em movimentos elementares;

- Utilização das tabelas - padrão de tempos e movimentos;

- Determinação do tempo de execução do trabalho;

- Preparação do posto de ­trabalho;

- Principais aplicações do MTM;

- Análise dos resultados;

- Vantagens para a empresa, para o executante e para o cliente, com a aplicação do MTM.

Benefícios

     Melhoria da produtividade pela utilização mais eficaz dos recursos disponíveis. Determinação a “priori” dos tempos de execução do trabalho, reduzindo, desse modo, o prazo para apresentação de orçamentos. Redução da fadiga do operador e melhoria de seu desempenho. Melhoria da qualidade do trabalho. Arrumação racional do posto de trabalho.

Quem deve participar

     Cronometristas, cronoanalistas, pessoal dos setores de pro­jetos, métodos e planejamento e pessoal de comando em qualquer ramo de atividade.

Duração:         32 horas em 4 dias

I.1
Gerenciamento da Manutenção

Objetivo

     Gerenciar, basicamente, é fazer fluir as informações de caráter técnico e adminis­trativo. Sistematizar a análise dos mais importantes aspectos da manutenção industrial, objetivando decisões em nível de gerência. Delegar, oferecer subsídios para dirigir as decisões a bom tempo, enfocando a produção, priorizando trabalhos e adequando–a ao tipo da empresa.

O que será aprendido

- Conceitos de manutenção.

- A importância de medições, critério de escolha.

- A composição de índices, sua importância e a busca de novas idéias.

- Ciclo gerencial da manutenção. (4 estágios) Gerenciamento por exceção.

- Como caracterizar prioridades em Manutenção. Distribuição racional de recursos.

- Faixa de otimização conforme segmento de Weibul.

- Objetivos a serem atingidos com a implantação da Manutenção Preventiva.

- Método de processamento das informações.

- Gestão de manutenção.

- Avaliação – Relatórios gerenciais de manutenção. Perfil do gerente – Diagrama de Pareto – Causa e Efeito – Gráficos e tabelas – Backlog.

- Manutenção estratégica.

- Princípios básicos de controle de processos industriais – Giro do PDCA – Inter-relação entre padrões desejados e padrões estabelecidos – Função pivotal – A mudança de enfoque da manutenção. Análise entre índice de disponibilidade e necessidade de utilização.

- Trabalhos práticos em sala de aula.

- Técnicas de Aprovisionamento. Os prós e contras da Terceirização.

Benefícios

     Visando aproveitamento de recursos, dar suporte às empresas para readequarem sua estrutura de manutenção para implantação de um sistema gerencial, adquirindo confiabilidade, segurança e diminuição de custos. Permitir conceber uma visão global de empresa. Obtenção de meios necessários com o intuito de melhor racio­nalizar o investimento da manutenção, tornando–a mais eficaz. Fornecer técnicas aos gerentes para que, através de atitudes e métodos adequados, aperfeiçoem sua capacidade para a solução de problemas.

Quem deve participar

     Gerentes, chefes, supervisores, tecnólogos e correlatos da área de manutenção.

Duração:         16 horas em 2 dias

I.2
Manutenção Preventiva e Preditiva

Objetivo

     Alicerçar ações para tomada de decisões de forma planejada em Manutenção Preventiva de equipamento antes da ocorrência de emergência, baseado em pro­cedimentos de inspeção, análise de falhas e utilização de técnicas preditivas – Análise Vibratória, Ferrografia e Termografia – aplicadas na manutenção. Como adminis­trar suas grandezas aleatórias. Conceito sobre análise espectral.

O que será aprendido

- Um breve histórico da manutenção;

- Sistemas de manutenção (de emergência, corretiva, preventiva, preditiva e produtiva);

- Confiabilidade e disponibilidade. Métodos de inspeção (instrumentada e de rotina);

- Manutenção preventiva em equipamentos produtivos. Detecção de falhas;

- Taxas de falhas decorrente da deterioração dos componentes rotativos de máquinas;

- Técnicas preditivas (termografia, análise de vibrações, ferro­grafia);

- Análise do sistema de manutenção adotado x custos da manutenção;

- Diversas formas de implantação do sistema de manutenção (fluxogramas);

- Resultados esperados com o sistema de manutenção implantado;

- Rotinas de serviços, cuidados a serem tomados. Freqüência de Inspeção;

- Parâmetros de manutenção.

Benefícios

     Permitir aos profissionais uma visão, que seja abrangente e atualizada, das modernas técnicas de implantação e desenvol­vimento da manutenção preventiva e preditiva, com otimização de todos os recursos e permitindo maior vida útil dos equipamentos e máquinas e maior dispo­nibilidade para operar. Apresentação de um soft para Análise Vibracional.

    Curso atualizado e indicado para empresas que estão pleiteando a ISO 9000 e QS 9000.

Quem deve participar

     Gerentes, supervisores, técnicos e líderes e correlatos de qualquer processo produtivo.

Duração:         16 horas em 2 dias

I.3
MPT - Manutenção Produtiva Total

“Conservar para não consertar!”

Objetivo

     Embora seja muito simples, MPT é um sistema revolucionário de manutenção perma­nente que está transformando as empresas. MPT é um programa que delega aos operadores a responsabilidade de conservar em boas condições de funcionamento as máquinas.

    MPT ensina como prevenir quebras e como reparar em poucos minutos.

    MPT é uma necessidade após a implementação dos 5 “S” e Housekeeping.

    Qualquer empresa, de qualquer tamanho, pode melhorar com a implementação da MPT. Fornecedores para indústria automobilística, fabricantes de eletrodo­mésticos, máquinas e ferramentas nas indústrias de processo, siderúrgicas, de cimento, químicas, alimentícias, de papel e celulose, cerâmicas, farmacêuticas, de borracha, vidro, alumínio, petroquímicas, têxteis, gráficas, entre outras.

O que será aprendido

- Desenvolvimento da Manutenção

        Problemas Típicos de Manutenção; Fabricação Tradicional vs. Fabricação Moderna; Evolução da Manutenção (métodos de manutenção).

- MPT - Manutenção Produtiva Total

        O que é MPT?; Principais Objetivos da MPT; Integração dos conceitos MPT/JIT/TQM;

        Os oito pilares da MPT.

- As Grandes Perdas na MPT

        Perda Crônica vs. Esporádica; Quebra Zero; Medidas para atingir Quebra Zero; Medidas contra a deterioração; Rendimento Global do Equipamento (OEE); Indústria de Manufatura vs. Indústria de Processo.

- Implementação da MPT

        12 etapas para implementação da MPT; Estabelecimento de Metas; Seleção de equipamentos chaves; APGs na MPT; Por onde começar?

- Operacionalizando a MPT

        Treinar (Plano de Treinamento e Lição Ponto-a-Ponto); Conhecer as máquinas; Limpar e verificar (5"S”); Detectar (Etiquetagem, 5 por quês, causa-efeito); Executar (Pequenos Reparos, Reuniões, Lubrificação); Melhorar (Kaizen, Antes e Depois); Reconhecer.

- Manutenção Autônoma

- Manutenção Planejada

- Onde aplicar a MPT

        Indústria de Processo; Indústria de Montagem; Célula de Manufatura; Áreas Administrativas.

- Resultados da MPT

Benefícios

     Obter conhecimentos sobre a MPT e os passos necessários para a sua im­plementação.

    Você vai conhecer um cronograma realista para cada etapa da MPT. Você aprenderá como superar com sucesso o desafio da implantação da MPT.

    Este curso fornece melhoramentos quantificáveis nas áreas de redução de custo, qualidade, segurança e retorno sobre os investimentos.

Quem deve participar

     Gerentes, supervisores, técnicos e líderes de qualquer processo produtivo, bem como pessoas operacionais (produção e manutenção) que estejam preparadas para ajudar na condução do processo.

Duração:         16 horas em 2 dias

I.4
Planejamento e Controle da Manutenção

Objetivo

     Fornecer meios para a implementação de técnicas mo­dernas para pla­nejamento e programação dos recursos internos e externos que permitem ao setor de manutenção um aumento na eficiência, a partir de alternativas técnicas e economicamente viáveis.

O que será aprendido

- Fator gerador do planejamento. A determinação dos métodos em­pregados.

- Teorias administrativas. Aplicação gerencial do custo na prática.

- Conscientização da importância do planejamento e atividade planejada em manutenção.

- Conceitos de grupo de trabalho. Ocorrências gerenciais em manutenção.

- Fatores motivacionais. Noção básica de confiabilidade.

- Fator humano: sua capacitação técnica. O tempo padrão como instrumento.

- Comprometimento da produção na eficácia da política da ma­nutenção.

- A ética na manutenção. Fluxo do PPCM. Outros instrumentos.

- Relatórios para diversos níveis de análise. Estrutura típica.

- Técnicas de aprovisionamento, acompanhamento técnico e econômico.

- Análise e discussão em grupo. Dois trabalhos práticos em sala de aula de PPCM.

Benefícios

     Através do levantamento de padrões a serem adotados dentro das atividades da Manutenção Industrial, emergir no profissional uma consciência de trabalho mais voltada à dinamização da admi­nistração, tornando-a mais eficiente e eficaz. Provoca mudança de hábitos e assessora a gerência com instrumentos hábeis para o melhor apro­veitamento do precioso tempo gasto em manutenção dos equipamentos. Isto traz uma normalização de procedimentos internos úteis, o que se traduz em economia e organização do setor.

    As diversas funções do PPCM – Planejamento – Programação – Controle oferecem subsídios para um desenvolvimento e implementação de um sistema de gestão e coordenação de atividades, racionalizando e evitando desvios que influem na qualidade da manutenção em geral.

Quem deve participar

     Gerentes, supervisores, planejadores, assessores técnicos, coor­denadores e correlatos.

Duração:         24 horas em 3 dias

J.1
Custos Industriais

Objetivo

     Este curso apresenta os conceitos de contabilidade de custos e gerencial para aqueles que estão envolvidos com a apuração, análise, comunicação, tomada de decisões, planejamento e con­trole de custos de manufatura, dentro de um enfoque atual e pratico, visando dire­cionar estratégias efetivas para incrementar resultados financeiros (Lucro), visando aumentar margens de contribuição, reduzir ativo circulante e/ou imobilizado, bem como reduzir gastos.

O que será aprendido

- Breve introdução à contabilidade geral;

- Os princípios contábeis;

- Introdução à contabilidade de custo;

- Custos (MP, MOD e CIF) e Despesas;

- Noções de depreciação/amortização;

- Comunicação e Controle gerencial (controladoria e auditoria);

- Valoração de estoques;

- Análise do ponto de equilíbrio (relação custo/preço/volume);

- Conceito da margem de contribuição e sua aplicação/vantagens;

- Métodos de custeio: definição, aplicação e mecanismos ope­racionais do custeio por ordem de produção, processo, absorção, RKW, real, padrão e direto.

- Custeio variável e a contabilidade no “mundo dos ganhos”;

- Desenvolvimento de um sistema de custos;

- Noções sobre formação de preços (pricing).

Nota: Recomenda-se que os participantes tragam calculadora com funções básicas. Serão entregue aos participantes arquivos contendo os formulários e modelos apresentados.

Benefício

     Despertar a capacidade de observar e propor melhorias na filosofia, técnicas e práticas, bem como implementar sistemas de custeio em sua organização, através da apresentação de conceitos, termos e técnicas, reforçados através de diversos exercícios de aplicação.

Quem deve participar

     Gerentes, coordenadores, supervisores e analistas direta ou indi­retamente envolvidos com custos, que desejam conhecer ou reciclar seus conhecimentos de contabilidade de custos aplicada à manufatura.

Duração:         16 horas em 2 dias

 

J.2
Gestão Estratégica de Custos, Preços e Resultados

Objetivos

     Proporcionar aos executivos da empresa, um conhecimento fundamental dos conceitos de custos e formação de preços, permitindo interpretar os custos e fixar preços dentro de uma visão estratégica de negócios e analisar os resultados apurados dentro de uma abordagem econômica e financeira.

O que será aprendido

- Controladoria – missão, objetivos e atribuições;

- Breve revisão dos principais conceitos e nomenclaturas em custos industriais;

- Rastreamento e apuração dos gastos estruturais, visando a definição dos percentuais na composição no preço de venda;

- Metodologias de custeio e suas implicações no processo de formação do preço;

- Formação do preço - variações e principais armadilhas;

- Margem de contribuição - diferença entre resultado econômico e financeiro;

- Análise de rentabilidade de clientes, segmentos, unidades de negócios, etc.;

- Negociação comercial em grandes volumes – faturamento versus margem;

- Ponto de equilíbrio – encontrando metas em volume de vendas e em faturamento;

- Trade-offs de rentabilidade e desempenho das vendas - decisões sobre verbas comerciais para clientes;

- Introdução ao Custeio Baseado em Atividades (ABC) - principais conceitos;

- Indicadores de performance (KPI) aplicados a custos;

- Resolução de exercícios práticos e estudos de casos reais, além da troca de experiências entre os participantes.

• Recomendamos trazer calculadora, pois serão desen­volvidos exercícios de aplicação, inclusive com a apresentação de planilhas MS-Excel.

Benefício

     Decisões sobre definição de preços, atendimento às metas de faturamento e resultado, entre outras, têm dificultado cada dia mais o processo de gestão empresarial. Com este curso, o participante sairá mais capacitado para tomar decisões objetivas no que tange a esse processo decisório, muito dinâmico e mutante nos dias atuais.

Quem deve participar

     Gerentes de custos e orçamento, assistentes da área de contro­ladoria, gerentes de vendas, gerentes de produção, gerentes de compras e demais executivos envolvidos no processo de análise de custos, determinação de preços de venda de produtos e análise de resultados gerenciais.

    Observação: Este curso está orientado para profissionais que já conhecem os conceitos fundamentais de custos industriais e desejam tratar de assuntos um pouco mais avançados sobre gestão de custos em formação de preços.

Duração:         16 horas em 2 dias

J.3
Implementação de Sistemas de Gestão de Custos e Resultados

Objetivo

     Este curso procura orientar o treinando para o processo de criação e implementação de sistemas de gestão de custos e resultados em qualquer tipo de empresa, especialmente as que possuem processos industriais. Serão explorados os diversos aspectos importantes de uma implementação. Serão realizados exercícios em planilha Excel elucidando cada uma das etapas do processo. Todos os conceitos serão tratados focando a Contabilidade de Custos como base teórica.

O que será aprendido

- Introdução ao planejamento e controle;

- Os principais elementos (componentes) de custos em­presariais sob a ótica de um Sistema de Custos;

- Sistema de Informação Gerencial - importância do ERP;

- Principais blocos de um Sistema de Custos;

- Rastreamento e controle dos gastos - importância da estru­turação de um plano de contas adequado e de mecanismos de rastreamento de dados ope­racionais;

- A questão dos rateios em um Sistema de Custos;

- Sistemas de acumulação de custos - escolhendo entre custos por ordem e por processo;

- Mecanismos do cálculo do custo unitário de um objeto de custo;

- Rentabilidade de um produto ou serviço: cálculo da Margem de Contribuição através do sistema ERP;

- Extraindo informações do Sistema de Custos - os principais relatórios;

- Resolução de exercícios práticos e estudos de casos reais, além da troca de experiências entre os par­ticipantes;

• Recomendamos trazer calculadora, pois serão desen­volvidos exercícios de aplicação, inclusive com a apre­sentação de planilhas MS-Excel;

• É recomendado que o treinando já tenha realizado os cursos J1 e J5 ou que tenha pleno conhecimento dos conceitos de contabilidade de custos (incluindo plano de contas e plano de centro de custos - departamen­talização dos custos);

Benefícios

     O participante estudará todo o processo de criação e imple­mentação de um Sistema de Custeio. Conhecerá, tam­bém, algumas rotinas de cálculo de custos utilizados por di­versos sistemas de gestão empresarial (ERP) comercializados atualmente.

Quem deve participar

     Profissionais da área de Custos e Orçamento, Contro­ladoria e Contabilidade que tomam decisões e procuram administrar efetivamente os custos da empresa.

Duração:        8 horas em 1 dia

J.4
Orçamento - Planejamento e Controle

Objetivo

     O curso tem como objetivo levar o treinando ao estudo do Orça­mento Empresarial, buscando despertar nele o interesse e motivação para trabalhar na área de planejamento e controle administrativo e de resultados. Busca-se, também, desenvolver um raciocínio crítico a respeito do comportamento e do desempenho empresarial à luz do planejamento e controle econômico-financeiro das atividades empresariais.

O que será aprendido

- Orçamento empresarial - princípios, razões e objetivos para sua implantação;

- Introdução ao planejamento e controle empresarial;

- Relação entre o sistema de informação gerencial (SIG) e orçamento;

- Os principais elementos (blocos) da estrutura de um orçamento empresarial;

- Projeções de receitas, custos e despesas;

- Definição de gastos fixos e variáveis: uma das grandes dificuldades do processo orçamentário;

- Contabilidade por responsabilidade e rastreamento dos gastos - importância da estruturação de um plano de contas e de um plano de centros de custos adequados;

- Dados operacionais: utlizando-os como apoio ao processo orça­mentário;

- Orçamento estático e orçamento flexível;

- Orçamento participativo e Orçamento Base Zero (OBZ);

- Conceito de Budget e Forecast: principais diferenças;

- Orçamento, inflação e diferentes moedas - correção de valores;

- Redução de gastos e aumento de receitas - a busca pela melhoria do resultado;

- Resolução de exercícios práticos e estudos de casos reais, além da troca de experiências entre os participantes;

• Recomendamos trazer calculadora, pois serão desen­volvidos exercícios de aplicação, inclusive com a apre­sentação de planilhas MS-Excel;

• É recomendado que o treinando tenha conhecimento dos principais conceitos da contabilidade de custos (incluindo plano de contas e plano de centro de custos - departamen­talização dos custos);

Benefícios

     O participante estudará todo o processo de criação e implementação de um Sistema de Custo. Conhecerá, também, algumas rotinas de cálculo de custos utilizadas por diversos sistemas de gestão empresarial (ERP) comercializados atualmente.

Quem deve participar

     Gestores e profissionais da área de Custos e Orçamento, Controladoria e Contabilidade que tomam decisões e procuram administrar efetivamente os custos da empresa.

Duração:        8 horas em 1 dia

 

J.5
Planejamento e Controle de Custos

Objetivo

     Este curso procura explorar aplicações para os conceitos e técnicas da contabilidade de custos e orçamentos na administração dos custos ope­racionais da área industrial, comercial e de serviços, através de aplicação de casos reais.

O que será aprendido

- Introdução ao planejamento e controle, e o papel do “controller”;

- Contrastes entre a Contabilidade de Custos e Gerencial;

- Breve revisão dos diversos conceitos e nomenclaturas em custos (e despesas)

- Rastreamento e controle dos gastos - importância da estruturação de um plano de contas adequado e de mecanismos de rastreamento de dados operacionais;

- Departamentalização para fins de controle de gastos (criação de centros de custos, de despesas, de resultados e de investimentos);

- Controlando o custo unitário de um objeto de custo;

- Implementação de Sistema de Custos - orientações gerais;

- Principais trade-offs da área de Custos e Orçamento - terceirização de processos e atividades, decisões sobre compra ou fabricação de um item, etc;

- Controle do resultado: faturamento versus margem;

- Orçamento: princípios básicos de implementação e acom­panhamento;

- Controle dos gastos, análise de desempenho econômico e o processo orçamentário;

- Redução contínua dos custos - Custo Kaizen;

- Resolução de exercícios práticos e estudos de casos reais, além da troca de experiências entre os participantes.

• Recomendamos trazer calculadora, pois serão desenvolvidos exercícios de aplicação, inclusive com a apresentação de planilhas MS-Excel.

Benefícios

     O participante terá mais subsídios para analisar a situação atual de seu sistema de gestão de custos, concebendo estratégias, polí­ticas e projetos efetivos para conter e reduzir seus gastos de forma objetiva e segura.

Quem deve participar

     Profissionais da área industrial, logística, suprimentos e distribuição que tomam decisões e procuram administrar efetivamente os custos sobre seu domínio frente aos desafios de suas operações.

Duração:         16 horas em 2 dias


Clique aqui para voltar na página de preenchimento do formulário

Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br ou www.guialog.com.br .