Movimentação Manual ainda pode ser o método mais eficiente

Um fator que frequentemente passa desapercebido na mecanização ou automação é que a movimentação manual pode ser o mais fácil e eficiente método. Assim sendo, antes de pensar em selecionar um equipamento de movimentação de materiais deve-se analisar a possibilidade do manuseio.
A movimentação manual depende, em primeiro lugar, do peso a ser manuseado. Sacos de 60 kg são, muitas vezes, manuseados e carregados, mas sem dúvida, não é qualquer pessoa que o consegue. Em segundo lugar, a movimentação manual depende das dimensões do objeto a ser carregado e, em terceiro, e mais importante, também depende das distâncias a serem percorridas pela movimentação.
Normalmente, para cargas de pequeno ou médio porte, a movimentação e o arranjo nos equipamentos de movimentação se fazem manualmente. Se a distância é curta, a carga pode ser carregada nas costas (como sacos, por exemplo), nas mãos por uma ou mais pessoas, rolada (tambores) ou arrastada (fardos, caixas), dependendo do peso e do volume.
Se o peso é pequeno, no máximo por volta de 5 kg, e se dispõe de um certo número de pessoas, a movimentação pode ser feita por uma "corrente humana", de mão em mão, em uma fila. Sacos são dimensionados, geralmente, para o manuseio. O cuidado que se deve ter é eliminar quaisquer pontas, como pregos salientes, por exemplo, que possam haver nos paletes, carrocerias, estrados ou tábuas de proteção à umidade do piso, carrinhos, etc., para se evitar perfurações e rasgos, principalmente em sacos de papel.

Valores recomendados pela OIT (Organização Internacional do Trabalho)

HOMENS

MULHERES

Idade peso até Idade peso até
< 16 15 kg < 18 08 kg
> 16 a 18 anos 20 kg > 18 a 21 anos 10 kg
> 18 a 40 anos 32 kg > 21 anos 23 kg
> 40 anos 20 kg > 40 anos 10 kg


Movimentação manual com equipamento auxiliar
A utilização de equipamentos manuais dos mais simples, como uma alavanca, aos mais sofisticados, como um manipulador a vácuo, constitui um auxílio inestimável à força humana. É comum o caso de embalagens pesadas que deven ser movimentadas por arrastamento. Neste caso, a embalagem deve ser projetada com calços de deslizamento, chanfrados nas pontas, de forma a facilitar a inserção de tubos para rolamento. Se o arrastamento é por meio de cordas que passam pelos calços, deve-se evitar forçar as paredes da embalagem. Além do equipamento manual, também pode ser usado equipamento motorizado conjugado com a movimentação manual. É o caso, por exemplo, da utilização de um transportador de rolos no carregamento de veículos, onde na ponta, ficam uma ou duas pessoas recebendo e estivando as embalagens. A sincronização do equipamento motorizado com o trabalho manual é um cuidado que deve ser tomado.
Para carregar um caminhão ou vagão pode-se utilizar um transportador contínuo que movimente os volumes do depósito ou diretamente da linha de produção (máquina de embalagem), podendo realizar o transporte vertical desde um pavimento superior ou sub-solo. Dentro da carroceria, duas ou três pessoas retiram os volumes do transportador e os arranjam manualmente. O peso de cada volume, neste processo, não deve ser maior do que 40 ou 50  kg. Um problema deste processo é a sincronização da velocidade do transportador com a do trabalho manual.
É sempre preferível que a movimentação manual seja auxiliada por dispositivos. ganchos especiais são usados para o manuseio de fios e fibras ou sucatas. É usual a utilização de guinchos manuais no arrastamento de cargas. Quando o arrastamento é difícil, recorre-se a roletes, usualmente de tubos de aço, introduzidos sob os calços. Para se realizar um arrastamento sobre terreno irregular, ou vencer um vão de desnível, como por exemplo, no carregamento de um caminhão, utilizam-se pranchas de madeira, perfis ou chapas de aço como apoio de carga.
O uso de carrinhos industriais é muito recomendável. Existe grande quantidade de tipos para movimentação manual. Há carrinhos especiais para certos tipos de cargas ou embalagens, como tambores, sacos, cargas paletizadas (carrinhos hidráulicos porta-paletes), etc. As formas principais de movimentação mecanizada são o içamento e a movimentação horizontal. Há muitos tipos de equipamento para esta movimentação, mas interessa tratar aqui de sua influência no desenvolvimento da embalagem. Os equipamentos de içamento operam por meio de ganchos, lingas, olhais de içamento ou plataformas elevadoras. Isto depende do sistema de embalagem que está sendo utilizado. Os garfos de empilhadeiras são usados com cargas paletizadas ou que permitam a inserção dos mesmos, como por exemplo, rolos de tapetes e bobinas de papel. Embalagens de peso bruto elevado devem ser projetadas com pontos próprios para a passagem dos cabos de içamento. Devem ser pontos resistentes da embalagem, onde os cabos possam ser facilmente passados, devidamente indicados por marcações normalizadas. Para efeito de içamento, é importante muitas vezes, que o centro de gravidade da carga também esteja marcado na embalagem. Um aspecto que sempre deve ser lembrado é que os sistemas de movimentação são grande fontes de impactos e vibrações, como no caso de ser utilizado um transportador de roletes onde uma forte vibração pode ser criada.
Olhais de içamento são aplicados em cargas muito pesadas, e normalmente fixados diretamente no produto. Plataformas elevadoras, usadas comumente nos aeroportos, trabalham com cargas em bandejas. De forma geral, a movimentação mecânica está bastante ligada à unitização e esta, por sua vez, afeta o projeto da embalagem. A carga unitizada é movimentada com maior segurança, com choques menos intensos e menos frequentes.

Algumas características que favorecem a movimentação manual são:
1 - Tipo de material

2 - Características do material

3 - Quantidade de material

4 - Fonte e destino do movimento

5 - Logística do movimento

6 - Características do movimento

7 - Tipo de movimento

8 - Equipamento

9 - Mão-de-obra

10 - Restrições físicas

Recomendações para as embalagens movimentadas manualmente

1) Caixas de papelão são o tipo mais comum de embalagem movimentada manualmente, dependendo do tipo de peças e produtos que contêm.
2) A embalagem precisa fornecer uma proteção adequada às peças, a fim de que cheguem com segurança a seu destino.
3) O peso bruto da embalagem não deve exceder a 30 kg. Ela deve possuir uma forma tal que possa ser manuseada por um só pessoa.
4) A embalagem precisa ser segura de tal forma que seu conteúdo não derrame ou caia, e o seu método de fechamento não deve se tornar um risco à segurança. Em alguns casos, grampos ou outros materiais para selar a caixa de papelão não devem ser utilizados. Embora a cola possa ser utilizada, nas caixas ela deve ser aplicada em uma tira ou em forma de ponto, de modo que tenha resistência suficiente para suportar os manuseios na expedição e no tráfego e o contenedor ainda possa ser aberto sem dificuldades.
5) Os materiais da embalagem podem ser reciclados, mas o contenedor deve ser do tipo descartável, a menos que outra forma de embalagem tenha sido aprovada quanto à movimentação de materiais.
6) Tente evitar espaços vazios ao utilizar papelão ondulado. A maioria dos danos à embalagem deste tipo foi experimentada quando os espaços vazios provocaram um abaulamento da caixa.
7) Feixes podem ser permitidos apenas quando a configuração das peças ou outro tipo de embalagem se torne comum em termos de custo para a peça.
8) A movimentação manual de caixas leves de madeira ou papelão é, algumas vezes, auxiliada por orifícios para a introdução de dedos existentes na parte alta das testeiras, ou por saliências dos quadros de reforço das caixas de madeira.
9) A movimentação manual de caixas pesadas pode ser feita, às vezes, por arrastamento. Para isto, a caixa deve ter fundo reforçado, com calços de arraste.


Reinaldo A. Moura,
Diretor da IMAM Consultoria Ltda., de São Paulo.
Tel. (0--11) 5575 1400
        imam@imam.com.br

Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br .