Novos Papéis da Logística

Novas tecnologias, novas necessidades impostas pelo mercado criaram novos papéis para a logística, inclusive de estratégia.
Por exemplo, hoje já se sabe que as estratégias logísticas influenciam no projeto do produto, nas parcerias, nas alianças e na seleção de fornecedores e outros processos vitais de negócios. Com isso, o conceito de logística se amplia mais e mais e passa a ser, como tudo agora, global.
Logo, é senso comum considerar a logística como o centro de coordenação e de integração de todas as atividades da cadeia de suprimentos. Logo, vê-se a logistíca como capaz de criar valor ao cliente. Logo, estas novas funções da logística levarão à necessiade de criar uma infra-estrutura para integrar tanto as funções logísticas quanto de manufatura, de modo a criar um único sistema estratégico voltado para atender às necessidades dos clientes.
Mas, não importa o quanto se faça de investimentos para atender a esta nova realidade, um componente vital de, digamos todo esse processo, é a parceria. Afinal. como gerenciar os fluxos de materiais entre os diversos componentes da cadeia logística se não houver uma perfeita integração, uma mútua confiança, uma reciprocidade entre as empresas que compõem este fluxos de materiais até a entrega do produto ao cliente?
Como manter uma linha de produção em constante atividade se, por algum motivo, um dos fornecedores não "cumprir" a sua parte? Enfrentando as ameaças dos clientes em trocar de fornecedor, a direção das empresas deve incorporar a logística.
Ou seja, ao longo da cadeia logística, as relações entre as empresas - inclusive com o emprego de recursos de comunicação e tecnologias de informação - devem ser garantidas de tal forma que os resultados, e, portanto, os serviços prestados pela logística obedeçam exatamente às necessidades de serviços expressas pelos clientes.
Afinal, por mais que evolua em sua concepção, a logística requer o que, aliás se faz necessário hoje em todas as atividades entre empresas: parceria, confiança mútua e participação. Tudo para que se consiga garantir a sobrevivência.
Afinal, os clientes e os competidores estão direcionando essas mudanças. Os clientes estão exigindo tamanhos menores de lotes, lead times mais curtos e melhor nível de serviço. Eles esperam por isto. Se a sua empresa, juntamente com os seus parceiros, não puder fazer isto, certamente seus concorrentes o farão.

Wanderley Gonelli Gonçalves,
Editor da Revista Movimentação & Armazenagem.
Tel. (0--11) 5575 1400     imam@imam.com.br

Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br .