Elevação e Transferência: Guindastes Giratórios Coluna vs. Parede

Nas atividades de elevar e transferir cargas de um ponto a outro, os guindastes são equipamentos bastantes utilizados, sendo que podemos encontrá-los sob as mais diferentes formas, respeitando-se o conceito básico de ser uma viga, treliça ou lança acoplada a uma estrutura de sustentação em uma extremidade, mantendo a outra extremidade livre.
Neste conceito, um dos guindastes mais utilizados nas empresas é o giratório. Estes equipamentos são caracterizados por estruturas fixas montadas em paredes ou sobre colunas, permitindo um giro da lança em até 360 graus.
Os guindastes giratórios podem ser de dois tipos básicos: de coluna e de parede, sendo que cada um deles atende às necessidades do sistema de movimentação, bem como às restrições físicas de sua área de atuação.
De coluna ou parede, em geral a lança é formada por uma viga contínua na qual se acopla um sistema de elevação (exemplo, trole e talha), podendo também possuir um sistema motorizado para o giro da lança, embora não seja muito convencional.
O que caracteriza se um guindaste giratório é de coluna ou de parede é o seu sistema de fixação da lança giratória, ou seja, sua fixação pode ser tanto em colunas próprias (de colunas), quanto na estrutura do edifício, considerando paredes, vigas, colunas de concreto, etc. (de parede).

TABELA   COMPARATIVA  DE  GUINDASTES  GIRATÓRIOS

COLUNA PAREDE
- Necessita de coluna própria. - Aproveita as instalações prediais existentes.
- Flexibilidade de capacidade através do adequado dimensionamento das colunas. - Restrito à resistência das estruturas do edifício (colunas, paredes, vigas, etc.)
- Ocupa área para instalação da base de apoio da coluna. - Libera totalmente a área para uma melhor utilização do espaço por equipamentos de produção.
- Necessita ser instalado no piso. - Alta flexibilidade de instalação em relação à sua posição: colunas do prédio, vigas no teto, na estrutura de máquinas e equipamentos diversos, etc.
- Raio de giro da lança em 360 graus. - Raio de giro limitado em função do local de instalação, podendo chegar a 270 graus.
- Mais caro devido à estrutura da coluna. - Relativamente mais barato em função do aproveitamento das estruturas existentes.

Uso e aplicações
Os guindastes giratórios são boas alternativas em linhas de montagem ou produção para a transferência de posto a posto de trabalho, de materiais pesados e de difícil manuseio (ex.: motores) ou, também, onde seja desejável a economia de espaço em corredores de circulação, pois evitam a necessidade de empilhadeiras para alguns tipos de movimentos.
Além disso, em muitos casos, podemos observá-los como equipamento auxiliar de pontes rolantes.


Luiz Roberto Palma da Fonseca,
Consultor da IMAM Consultoria Ltda., de São Paulo.
Tel. (0--11) 5575 1400
   imam@imam.com.br

Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br .