Sete Segredos da Armazenagem

Algumas características que devem ser avaliadas em relação a armazenagem:

1.     O antigo processo já não funciona;

2.     Distância é a inimiga da produtividade;

3.     Controle do inventário realmente significa assumir o controle;

4.     Apenas toque no material quando puder agregar valor;

5.     Os funcionários produzem mais quando controlam seu próprio trabalho;

6.     Mais rápido sempre é melhor;

7.     Clientes e fornecedores são parte do processo.

Com relação ao primeiro segredo “se não quebrou, não conserte”. Se estiver vendendo seguros, poderia achar o programa existente do cliente falho. No armazém, preserve as coisas que estão funcionando bem e se concentre naqueles processos que não funcionam efetivamente.
Na armazenagem, quanto maior a distância menor a produtividade. Num grande armazém, sempre existe algum produto que está afastado, mas os pontos remotos deveriam ser reservados para os itens de baixo giro e aqueles de baixa popularidade localizados próximos da porta.
O controle de inventário é um ponto chave freqüentemente desprezado para a melhoria. Este controle começa identificando os itens que são separados com maior freqüência.
Sugerir que se toque no material apenas para agregar valor é uma idéia potencialmente perigosa. Levada aos extremos, negaria à administração a capacidade de reordenar o armazém. Os melhores armazéns são aqueles onde existem freqüentes ajustes no layout e onde produtos estocados são consolidados para criar espaço. A rearmazenagem pode e agrega valor criando um layout de estocagem mais eficiente.
Deixar que os funcionários controlem seu trabalho pode melhorar a qualidade, bem como a produtividade. No armazém, o controle é perdido quando as pessoas não possuem as ferramentas adequadas e suficientes para realizar o trabalho. Por exemplo, quando existe falta de empilhadeira, certos funcionários podem estar esperando a empilhadeira voltar antes de poder paletizar ou desfazer um palete de material. Alguns armazéns usam a filosofia  “Um Homem/Uma Máquina” para certificar que todos tenham as ferramentas que precisem.
Com a ênfase de hoje sobre o tempo do ciclo do pedido, o desempenho mais rápido apenas traz melhorias, enquanto a velocidade não provocar sacrifícios na acuracidade.
Quando reconhecermos a importância de fornecedores e clientes, então deveremos quebrar as relações antagônicas. Se sua empresa possui pessoal de compras que acreditam que a compra é um jogo de “gotcha”, você terá relações com o fornecedor que serão menos do que perfeitas. Na armazenagem de terceira parte, observe não apenas o cliente, mas também o cliente de seu cliente, a empresa que recebe seus embarques. Entender as necessidades das pessoas que recebem os embarques que você faz, assegura que você esteja controlando a qualidade destes embarques. Você já acompanhou um embarque até a doca de seu cliente para verificar o seu aspecto ao ser descarregado? Se não o faz, perdeu a chance de tornar o cliente parte do seu  processo.

abril/2003

Reinaldo A. Moura,
Engenheiro com pós graduação em Engenharia da Produção. Fundador e Diretor do Instituto IMAM, Chefe das Missões Técnicas do IMAM à Ásia. Consultor e Instrutor da IMAM Consultoria, com especialização em Logística, Engenharia Industrial, Movimentação de Materiais, Produtividade e Qualidade. Autor de diversos livros publicados pelo IMAM.
Tel. (0--11) 5575 1400       imam@imam.com.br  
www.imam.com.br


Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br .