A qualidade do nosso combustível

No Brasil é difícil para as transportadoras rodoviárias, de distribuição e empresas couriers sobreviverem, por causa de uma série de fatores que geram prejuízos e diminuição do lucro, como gastos de manutenção com a frota, devido as péssimas condições das estradas e ruas, assaltos constantes para roubo de carga, exigência dos clientes de apólices de seguro cada vez maiores para cobrir possíveis perdas, constante inclusão de itens e acessórios eletrônicos de segurança / monitoramento, etc.
Não bastasse tudo isto, ainda tem o problema de prejuízos com o combustível utilizado. Apesar do diesel produzido no Brasil ser inferior ao de países de primeiro mundo, sua qualidade quando sai da refinaria é considerada boa. O problema é que muitos distribuidores e postos inescrupulosos e irresponsáveis, cometem o crime de adulterar o combustível, visando fazer render mais e poder "oferecer" um combustível "mais barato". São colocados solventes e outros tipos de líquidos.
Para agravar a situação, é muito difícil ser identificado pelo consumidor, antes de abastecer.
O combustível adulterado pode causar corrosão nas peças principais do motor, consumo superior, falhas no motor, na bomba de combustível, entupimentos, etc.
Além da adulteração do combustível, muitos postos não possuem filtros na bomba, que servem para impedir a entrada de impurezas do tanque do posto para o tanque do veículo. Ou se possuem não fazem a devida manutenção de limpeza dos mesmos, com a troca regular do filtro. Podem ser partículas originárias da corrosão do tanque, água, etc. Estas impurezas poderão causar os mesmos problemas citados acima, fazendo parecer que o motivo foi o combustível adulterado.
No Brasil, pelas últimas pesquisas, checagens, vistorias e levantamentos, chegou-se a conclusão que um em cada dez postos, vende combustível fora dos padrões de qualidade definidos pela nossa legislação do setor. Como o número de postos de abastecimento em geral (vendem gasolina, diesel e álcool) somam perto de 26.000, temos cerca de 2.600 postos irregulares.
Esta conclusão faz parte do "Programa de Monitoramento de Qualidade", criado pela ANP - Agência Nacional de Petróleo, em parceria com 20 instituições brasileiras de pesquisa.
Para que um motor funcione bem, a qualidade do combustível e o equilíbrio de suas propriedades são de vital importância. A performance do mesmo não está limitada somente ao torque e potência obtidos, mas também ao consumo de combustível, níveis de emissões de poluentes e a manutenção de boas condições mecânicas, pelo maior período possível de operação.
A qualidade do combustível é uma combinação de propriedades, como volatilidade, poder antidetonante, solvência, teor do oxigênio, teor de enxofre, teor de olefinas, etc.
Quando é feita uma adulteração, existe um afrontamento para com esta combinação.
Fora todo prejuízo aos veículos, conforme citado acima, existe ainda o desrespeito ao meio ambiente, pois os gases eliminados pelos veículos, são de misturas irregulares e não previstas, o que acaba gerando um maior grau de poluição tóxica sem controle, que prejudica a natureza e aos seres vivos do planeta.

Na Europa
Na comunidade européia, através do Parlamento Europeu e do Conselho, houve uma preocupação com a "Qualidade da gasolina e do combustível para motores diesel", com o objetivo de reduzir as emissões poluentes dos veículos mediante a introdução de novas especificações ambientais aplicáveis à gasolina e aos combustíveis para motores diesel, como a proibição da comercialização da gasolina com chumbo a partir do ano 2.000.
A resolução envolve uma redução substancial das emissões poluentes dos veículos a motor após o ano 2.000.
A diretiva estabelece as especificações ambientais aplicáveis sucessivamente (a partir de 1º de janeiro de 2.000 e 1º de janeiro de 2.005) aos combustíveis para os veículos equipados com motores de ignição comandada (gasolina) e com motores de ignição por compressão (diesel).
No que se refere à gasolina sem chumbo e ao combustível para motores diesel, a diretiva prevê a melhoria progressiva da sua qualidade em termos de ambiente. As exigências ambientais previstas na diretiva serão obrigatórias a partir de 2.000 e de 2.005 sucessivamente e abrangem:

Os Estados-Membros fiscalizam o cumprimento das exigências ambientais dos combustíveis recorrendo aos métodos de análise definidos na diretiva. A Comissão incentiva a criação de um sistema europeu uniforme de vigilância da qualidade dos combustíveis.
Esta comissão apresenta periodicamente propostas de revisão da diretiva com base nos novos conhecimentos adquiridos em matéria de qualidade do ar, de técnicas de redução da poluição e de progressos a nível dos mercados internacionais dos combustíveis.
No âmbito do programa, uma estimativa das emissões dos transportes rodoviários prevê que as emissões dos poluentes regulamentados passem, até 2.020, para menos de 20% do seu nível de 1.995, embora as emissões de CO2 continuem a aumentar até 2.005. A contribuição dos transportes para as emissões totais (exceto de CO2) diminuirá de 1.990 a 2.010 e a dos restantes setores aumentará. O programa Auto-Oil II prevê uma melhoria da qualidade do ar urbano até 2.010. As partículas, os níveis de ozônio troposférico à escala regional e os casos localizados em que é excedido o nível de dióxido de azoto constituem os principais desafios.
O programa permitiu comprovar que as medidas fiscais constituem uma solução viável do ponto de vista ambiental e econômico. Por outro lado, permitiu concluir que, a fim de definir um conjunto de medidas rentáveis, é conveniente adotar uma abordagem integrada das fontes de emissões, dos poluentes e das medidas.

Ainda temos muito a evoluir no Brasil, tanto em termos de consciência de todos para com os problemas causados a terceiros e prejuízos ao meio ambiente, como de ações por parte dos órgãos competentes, regulamentando de forma ágil e atualizada e fazendo o controle e vistoria de forma eficaz e confiável.

Enquanto isto não acontece, muito cuidado antes de abastecer sua frota ou veículo. Para ajudar neste cuidado, existem algumas maneiras de se tentar evitar este problema:

Se o mínimo cuidado não for tomado antes, depois de abastecer poderá ser tarde demais !

março/2003

Marcos Valle Verlangieri,
Diretor da Vitrine Serviços de Informações S/C Ltda., empresa que criou e mantém o
www.guiadelogistica.com.br ou www.guialog.com.br .

Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br .