Você dá lucro para a sua empresa?

Todos são importantes numa organização, cada um com sua função, por mais simples que seja.
Cansei de ouvir esta frase durante minha vida profissional. Em parte tem razão, não podemos desconsiderar o trabalho dos faxineiros, telefonistas, copeiras, recepcionistas, vigias, etc., pois sem eles seria um caos total. Mas, por outro lado, tem funções que representam o ganho da empresa, porque sem elas, nem existiria empresa para ter faxineiros, telefonistas, copeiras, recepcionistas, vigias, etc.
No tempo de inflação alta no Brasil, existia a famosa "ciranda financeira", onde os rendimentos de apenas 1 dia eram enormes. Na época era comum, muitas empresas atrasarem o pagamento dos funcionários para aplicar o dinheiro, mas negavam que faziam este procedimento. Nesta fase, era comum também as empresas serem inchadas de funcionários. Nunca vi tantos assessores, auxiliares, estagiários e cargos diferentes para funções similares.
Os funcionários ou colaboradores, como muitas empresas gostam de chamar, tinham tranquilidade para trabalhar e sabiam que no dia do pagamento seus salários estariam depositados, sem muitos problemas. Era comum achar que vender era preocupação só do Departamento de Vendas. Por outro lado, o Departamento de Vendas das empresas de mesmo segmento, mapeavam o mercado, dividindo-o em termos de áreas / locais / clientes de atendimento de cada um. Existiam também os famosos "cartéis", mas todos negavam sua existência.
Tudo isto acabou com a globalização. Competir com concorrentes de todo o mundo, fez com que as empresas enxugassem ao máximo seus custos fixos, e isto significou ter um quadro de funcionários o menor possível. Quem ficou tem múltiplas funções, máxima carga horária para dar conta do serviço, maior pressão, maiores responsabilidades e grande comprometimento com os resultados. Nem sempre são bem remunerados por isto, mas quem reclamaria com esta crise e desemprego geral? Poucos. Ainda mais sabendo que tem vários candidatos qualificados para seu lugar.
Hoje em dia, cada função é analisada do ponto de vista de trazer resultados para a empresa. Tudo é quantificado em negócios feitos e ganhos futuros, a um "curto prazo", porque as empresas também não podem esperar mais os ganhos a "longo prazo".
Todo "funcionário estratégico" tem que pensar e agir como se fosse o dono da empresa. Isto significa ter atenção aos custos, evitar desperdícios e orientar-se para resultados.
Convido a todos os leitores deste artigo, que acredito sejam "funcionários estratégicos", que façam a análise de sua situação e vejam se estão dando lucro para sua empresa, ou seja, o salário que recebe, com os encargos e os benefícios, estão sendo menores que os negócios / resultados que consegue para a empresa. Se não estão, correm sério risco de serem desligados em breve.
Não espere acontecer, corra atrás, use a imaginação, competências e toda a sua garra ! Analise a concorrência e quais são as forças, fraquezas, ameaças e oportunidades para sua empresa. 
Aja como se a empresa fosse sua. Se ela não conseguir atingir resultados satisfatórios, terá de encerrar as atividades.
É um alerta e serve para todos, de agora em diante, buscar mensurar ou avaliar sua contribuição, mesmo que indireta, para a empresa.
Lembre-se, todo dia é uma nova batalha e novos desafios!

agosto/2002

Marcos Valle Verlangieri,
Diretor da Vitrine Serviços de Informações S/C Ltda., empresa que criou e mantém o
www.guiadelogistica.com.br .

Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br .