QUAL O REAL FUTURO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA?

Após quase 5 anos voltamos a analisar o transporte rodoviário, para vermos o que está acontecendo com ele.
Temos acompanhado o que está ocorrendo no transporte de carga brasileira, principalmente o decréscimo de importância do transporte rodoviário, lentamente até o momento, mas que tende a acentuar-se num futuro próximo.
Essa redução de importância quantitativa não deverá levar mais do que alguns poucos anos para concretizar-se, em virtude de diversos fatores e pressões sofridas por esse versátil e fantástico modal.
O rodoviário é e sempre foi (condição que provavelmente não será alterada), um caro modal a deslocar nossas cargas de um ponto a outro, com algumas exceções. Naturalmente, tal situação não deverá mais ser sustentada pela nossa economia, agora estável e mais globalizada, da forma com tem ocorrido nas últimas décadas.
Este modal, além do custo em si, tem ainda o inconveniente de apresentar a toda a sociedade brasileira outras contas, embutidas dentro daquilo que costumamos chamar de custo social, pago por toda a sociedade e não cobrada no frete, qual seja, construção e manutenção da malha rodoviária, alto grau de poluição, congestionamentos, etc., afetando o nível de vida da sociedade como um todo.
Aliados a esta situação de desconforto, podemos relacionar também outros fatores que levarão à exaustão de parte do volume de carga direcionado ao transporte rodoviário, levando-o a patamares mais coerentes com as nossas necessidades.
Quais são estes fatores que pretendem golpear o transporte rodoviário?
Podemos citar o transporte ferroviário, devidamente privatizado, e que com o nível de investimentos que vem recebendo, deverá constituir-se numa alternativa a ser fortemente considerada como nunca dantes em virtude da prioridade dada ao modal rodoviário. Este modal tem amplas condições de transformar-se em modal interessante, principalmente em face de seu menor custo de frete e grande quantidade de espaço para carga.
Para quem tem acompanhado a cabotagem, é de fácil percepção a sua fantástica recuperação nos últimos poucos anos, com crescimentos não imagináveis até há pouco tempo, tornando-se um concorrente de peso extraordinário. Isto não surpreende, considerando-se a costa navegável brasileira, de mais de 7.000 quilômetros e que não se deve menosprezar. Estranho era justamente a sua não utilização intensiva.
Ainda deixando dúvidas, mas que também deverá apresentar um papel melhor que o atual, temos a hidrovia, cujo investimento por parte dos armadores de cabotagem e longo curso não deve ser descartado, funcionando como um complemento de suas operações. Este é um modal de baixo custo, e que não precisa de muito para tornar-se viável, principalmente a navegação na hidrovia do Mercosul, formada pelos rios Tietê, Paraná e Paraguai, cujas maiores virtudes são a sua extensão, quase comparada à costa brasileira, e a sua localização, situada na principal região econômica do país e do Continente.
Sem contarmos um provável promissor futuro das hidrovias do centro-oeste e norte do país, região de grande produção agrícola, e cujo transporte para o mundo apresenta mais vantagens quando levado por esse modal para o Rio Amazonas, se comparado a seu transporte por rodovia para os portos do sul e sudeste do país.
O ponto fraco deste modal, em especial na hidrovia do Mercosul, pode ser a falta de chuvas e o problema energético.
Assim sendo, a pergunta torna-se inevitável, ou seja, qual o real futuro do transporte rodoviário de carga no país? A sua tendência é a extinção?
Não, de modo algum. Ao transporte rodoviário estará destinada uma missão única e mais nobre, que é a de integrar-se, finalmente, aos demais modais e ajudar a transformar o transporte de carga brasileiro em um item de competitividade, dando mais um impulso à ciência da logística. Isto será realizado dando-se ao rodoviário a missão de transporte eficiente de ponta, fazendo de um lado a ligação da produção com o modal de transporte final, e de outro a entrega final do produto recebido de outro modal, isto é, realizando a importante operação multimodal e intermodal.
Com uma atuação assim o transporte rodoviário poderá assumir um lugar de destaque na economia brasileira como um excelente braço dos demais modais, já que todos temos consciência de que os demais modais não existem sem ele.
Com esta nova situação, o transporte rodoviário ficará livre da pecha de vilão dos custos e, portanto, trocará a importância da quantidade pela da utilidade e da qualidade. É pouco? Sem dúvida que não.
Além da união dos demais modais, ainda continuará reinando, sem dúvidas, no transporte de pequenas distâncias e naqueles peculiares, onde os demais modais não apresentam qualquer chance de abocanhar alguma fatia de sua carga.

junho/2002

Samir Keedi,
Professor de graduação e pós-graduação, 
autor dos livros "Transportes, unitização e seguros internacionais de carga-prática e exercícios", "Logística de Transporte Internacional" e "Transportes e Seguros no Comércio Exterior", e tradutor do Incoterms 2000.

samir@aduaneiras.com

Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br .