Projeto da Cadeia de Abastecimento

Quando a empresa decide reestruturar sua cadeia de abastecimento com o intuito de incrementar sua competitividade, um estudo orienta as formas de como aproveitar as oportunidades de melhoria. Para ser eficaz, o estudo deve identificar as cadeias de abastecimento em uma complexa operação, envolvendo sobreposição de atividades de diversos departamentos e produtos que são vendidos para clientes em diferentes segmentos de mercado, cada qual com objetivos específicos.
Devido a esta complexidade, muitas empresas optam por soluções padrão para suas cadeias de abastecimento. Avaliadas sob o ponto de vista de tempo e custo de implementação, tais medidas podem ser eficientes.
Novas empresas podem desenvolver estudos da cadeia de abastecimento, extraindo e avaliando a estrutura mais adequada desde o início de suas operações. Um estudo deve ter início na "desmontagem" da estrutura funcional e na identificação das necessidades de alguns clientes-chave que devem conduzir a customização de uma cadeia de abastecimento competitiva. Contudo, ele não deve ter sua duração superior a quatro semanas, e deverá envolver um ou dois analistas.
A conclusão do estudo deve focalizar as melhores oportunidades para melhoria da posição competitiva por meio do reprojeto da cadeia de abastecimento. Os esforços podem reformar a cadeia existente, criar novas ou combinar múltiplas cadeias em uma.
Na maioria dos casos, as informações obtidas serão preliminares para que os administradores visualizem a melhor solução. Esta avaliação inicial determinará se verificações adicionais que serão necessárias para garantir o conteúdo das informações.

Segmentação de mercado
O estudo deve iniciar com os clientes finais, ou seja, com os consumidores. Para entender o que fará a cadeia de abastecimento mais eficaz, devemos entender quais as motivações destes clientes.
O próximo passo é, a partir de uma lista de clientes, agrupá-los. Este agrupamento pode ser pela aplicação do produto, localização, volume ou demais características. Após o agrupamento, os grupos são subdivididos, formando segmentos.
A combinação de grupos em segmentos é particularmente válida quando estes compartilham cadeias de abastecimento. Assim, em termos de projeto, é possível padronizá-las com requisitos comuns.

Segmentação de produtos
Em seguida, devemos listar os produtos ou linhas de produtos. Uma linha de produtos pode ser um grupo de produtos produzidos em uma mesma fábrica, ou ainda, diferentes produtos que atendam a um determinado mercado. Logo, uma cadeia de abastecimento comum pode definir uma linha de produtos. Como exemplo, podemos citar os produtos vendidos para a Ásia ou por meio de distribuidores. Assim, é possível identificar a lucratividade que um segmento pode ter.

Identificando as cadeias de abastecimento
Após a segmentação, a próxima etapa é de identificação das cadeias de abastecimento. Geralmente possuímos três tipos de cadeia de abastecimento, sendo:

- uma para cada segmento, muito comum em pequenas empresas;
- uma para cada linha de produto, geralmente quando cada produto é feito por diferentes unidades de negócio (comum em grandes empresas);
- organizadas por segmentos de mercado.

Descrevendo a cadeia de abastecimento
Com as cadeias de abastecimento identificadas, suas configurações deverão ser documentadas com fluxogramas e dados de apoio. Esta etapa pode ser desconsiderada em caso de limitação de tempo, mas devemos ter um entendimento da estrutura básica das cadeias. Acompanhando o fluxograma, devem ser incluídos os indicadores de desempenho e outras informações que caracterizem o desempenho atual.

Documentação dos fluxos (físico, informações e financeiro)
O fundamental para a representação da cadeia de abastecimento é o fluxo físico. Este fluxo no estudo pode ser apresentado a seguir:

- esquema da cadeia de abastecimento incluindo os fornecedores principais, fábricas, centros de distribuição, armazéns, e segmentos de clientes;
- métodos de transporte entre as entidades;
- volumes do fluxo de produtos em valores monetários, unidades, ou volume;
- tempo de ciclo para movimentação do material na cadeia, preferencialmente entre cada entidade;
- nível de estoque ao longo da cadeia, incluindo aquele nos fornecedores e clientes.

O fluxo de informações é um componente cada vez mais importante à cadeia de abastecimento, onde uma grande vantagem competitiva só é possível a partir da sua melhoria. Os elementos necessários para descrever este fluxo são os seguintes:

- fluxograma da informação que identifique onde a informação de vendas é gerada;
- pontos de decisão ao longo da cadeia, incluindo a pessoa responsável pelas decisões;
- ferramentas do sistema de informação usadas para planejar e controlar o processo;
- listagem dos contratos formais e informais entre os participantes da cadeia de abastecimento.

Um processo similar pode incluir o fluxo financeiro. Isto é particularmente verdade se existirem inovações na forma que ele é realizado. Os tópicos para este fluxo são os seguintes:

- tempo "cash-to-cash", que apresenta quanto tempo é decorrido desde o pagamento até o recebimento do cliente;
- balanço incluindo o estoque (inventário), contas a pagar e contas a receber;
- custo de atividades na cadeia. Utilize o preço de compra do cliente final para "alocar" os valores para as atividades na cadeia de abastecimento.

Fluxo de novos produtos
Geralmente, novos produtos podem utilizar-se de cadeias de abastecimento já existentes. Assim, no desenvolvimento do novo projeto da cadeia de abastecimento, é importante contemplar o lançamento de novos produtos.
O tempo que deve ser investido no entendimento dos processos de planejamento auxiliará a abordagem de melhoria do processo, planejamento estratégico e investimentos.
Num estudo, devem ser incluídas entrevistas com executivos diretamente envolvidos com o processo, sejam elas pessoais, reunião em grupo ou workshops. Os pontos principis a serem observados são os seguintes:

- identificação das necessidades dos clientes por segmento;
- identificação dos pontos fortes e fracos por segmento;
- identificação das barreiras.

Prepare as conclusões
As conclusões condensam os dados em recomendações para procedimentos, definindo as diretrizes para as mudanças na cadeia de abastecimento. Devem estar inseridas nas conclusões:

- a eficácia das cadeias de abastecimento atuais e como atendem as expectativas dos clientes;
- novas propostas de cadeia de abastecimento, que levem a uma maior eficácia por segmento de cliente;
- recomendações para um gerenciamento das restrições;
- comentários sobre todo o sistema incluindo as necessidades de atualizações;
- oportunidades para melhoria da lucratividade e do fluxo de caixa;
- linhas de produtos e segmentos de mercado questionáveis em termos de lucratividade e capacidade da cadeia de abastecimento em atendê-los;
- requisitos, planos e programas para um projeto de melhoria da cadeia de abastecimento.

As três fases da implementação:

Fase 1: Projeto conceitual (Estudo)
Fase 2: Projeto detalhado e teste piloto
Fase 3: Implementação

dezembro/2001

Daniel Georges Jehlen Gasnier,
Consultor da IMAM Consultoria Ltda., de São Paulo.
Tel. (0--11) 5575 1400      
imam@imam.com.br

Esta página é parte integrante do site http://www.guiadelogistica.com.br/.