REFORMULAÇÃO DA FUNÇÃO DE COMPRAS

Uma variedade de forças está mudando o modo como as empresas compram seus insumos e serviços. O gestor de materiais tem urgência em buscar oportunidades e monitorar essas forças porque estão realmente reformulando o modo como empresas compram produtos e serviços. São algumas dessas forças no modo de comprar:

Tecnologia da Informação:
Cada vez mais, o processo de Electronic Data Interchange (EDI) é usado para conectar compradores e vendedores através de seus sistemas de computadores.
O uso de EDI permite transmissão direta de pedidos e dados, grande redução de tempo, custos administrativos e de papel. O EDI tem sido a opção preferida para fazer negócios, tanto para pequenas como para grandes organizações.
A Internet continua sendo crescentemente utilizada como uma ferramenta de pesquisa de novos fornecedores, conseguindo conhecer informações de novos produtos e colocando pedidos.

Qualidade: O comprador vai melhorar suas habilidades em utilizar o conceito de qualidade, com sentimento de proprietário, exigindo a melhor performance possível por parte do fornecedor.
Produto ou serviço comprado tem de apresentar qualidade e isso é dado como certo, não é mais a fábrica que vai ficar fazendo controle e checando especificações e performance do suprimento.

Número de fornecedores: Vantagens evidentes continuarão a aparecer quando a base de fornecedores é mantida a mais enxuta possível.
Cada vez menos parceiros estarão sendo escolhidos para cumprir à risca os requerimentos necessários e apostando no negócio de seu cliente.

Fornecedores globais: Tecnologia de informação e de logística aplicadas, têm tornado o acesso a mercados globais uma realidade, para vários ramos de negócios, expandindo muito as alternativas de suprimento para a empresa.

Produção flexível: A capacidade de produzir em lotes menores e produtivamente tem sido outra constante. O comprador continuará sendo desafiado a lidar com contratação, prazo de entrega e enxugamento de inventários, necessários para lidar com sistemas de produção flexíveis.

Foco na parceria: As empresas buscarão relacionamentos de longo prazo com seus fornecedores como sendo o caminho certo para assegurar qualidade e menores custos. Uma perspectiva de cadeia produtiva ("supply chain") será crescentemente adotada. Quanto mais o fornecedor estiver alinhado com os objetivos do negócio em que seu cliente participa, mais dentro da empresa ele estará e por mais tempo.
A empresa assinará contratos de longo prazo com os fornecedores que se dispuserem a investir em seus clientes.

Custo total do fornecimento: A empresa tentará minimizar custos importantes associados ao fornecimento, como por ex.: custo da emissão do pedido, custos logísticos e de armazenagem, e custo do material com defeito. O foco será examinar mesmo todos os custos envolvidos como resultado em negociar com determinado fornecedor.

A empresa que reconhece as novas modalidades táticas para seus insumos e serviços, as planeja como parte de sua estratégia, tratando a função de compras como um fator crítico de sucesso para estar participando hoje e no futuro.

GE: A FUNÇÃO DE MATERIAIS COMPRA PELA INTERNET

A GE representa bem uma série de companhias que estão usando a Internet para uma variedade de atividades da área de compras.
Esse processo tem sido implementado com sucesso desde 1996 através de um programa chamado TPN: Trading Process Network, que coloca os compradores da empresa em contato com uma gama cada vez maior de fornecedores.
O programa TPN propicia aos fornecedores fazer um "download" dos pedidos de orçamento e de compras emitido pelos compradores da GE. Também troca informações de desenhos e especificações de peças via monitores de vídeo.
A importância da abordagem eletrônica da função de materiais na GE é enorme visto que a soma de material comprado pela empresa somente no ano de 1996 foi de USD 1 bilhão. Em pouco tempo, a empresa espera ter 50% de seus insumos comprados via Internet.
Não só permite reduzir custos na atividade de compras e logística inbound, como também expandir as opções de empresas fornecedoras. Mas o maior ganho tem sido a habilidade em combinar pedidos de várias divisões e fábricas da empresa, possibilitando reduções de preço em troca da escala obtida em um só fornecedor.

agosto/2001

Rafael Herrera,
Sócio-Consultor da Prodix Projetos
cel. 9900-0169 (11)
prodix@prodix.com.br         www.prodix.com.br

Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br .