OUTSOURCING

A empresa, ao decidir a melhor opção entre performar uma atividade internamente ao invés de terceirizá-la com um especialista ("make or buy analysis"), deve iniciar sua análise reconhecendo quais são suas competências essenciais ("core competencies").
As competências essenciais de uma empresa são aquelas em que a empresa serve de referência ("benchmarking") para competidores e potenciais fornecedores.
Cada competência essencial é uma questão de conhecimento retido e não dos produtos ou funções existentes.
São sustentáveis ao longo do tempo. Fazem diferença para o cliente.
Os benefícios em combinar atividades internas com atividades terceirizadas são relevantes.

I ) Maximizando retornos através da concentração de investimentos no que a empresa sabe fazer melhor: Competências essenciais bem desenvolvidas são fortes barreiras contra competidores no presente e no futuro.
II ) Segundo e muito importante, é o uso de todo aporte de investimento e inovações que o apoio terceirizado oferece.
III ) Terceiro, em mercados sedentos por inovações, a estratégia de parceria reduz riscos e investimentos, criando maior rapidez na resposta às necessidades dos clientes.

"INSOURCING vs OUTSOURCING" : como regra geral, ATIVIDADES NÃO ESSENCIAIS PODERIAM SER CONTRATADAS DE UM ESPECIALISTA .

Para cada atividade não essencial que está sendo desenvolvida internamente, com recursos próprios, a empresa deve analisar se não compensaria desenvolver um apoio terceirizado para a mesma. A empresa deve medir sistematicamente se compensa continuar com a atividade internamente.
Teoricamente, a atividade não essencial conta com as seguintes vantagens para a empresa contratante, se comparada a performance "in house".

I ) O custo é menor ;
II ) A qualidade é melhor ;
III ) O especialista consegue atualizar-se tecnologicamente mais rapidamente ;
IV ) É sustentável continuamente .

Notar que, na prática, por motivo de falta de amadurecimento dos potenciais fornecedores, a empresa decide por continuar a atividade internamente, pois consegue ser mais produtiva do que se terceirizá-la.

CUSTOS TRANSACIONAIS

A empresa, ao decidir manter a atividade internamente, deve estar preparada para suportar sua decisão com investimento contínuo em Pesquisa, Desenvolvimento de Pessoal, Infra-estrutura, etc, para ser ao menos tão competitiva quanto o melhor fornecedor de serviços que poderia contratar. Se não, fatalmente perderá essa competitividade ao longo do tempo.

Um grande ganho em terceirizar é a economia de tempo por ter delegado o gerenciamento da atividade, e poder estar mais focado nas atividades mantidas internamente porque são a essência do negócio da empresa.

julho/2001

Rafael Herrera,
Sócio-Consultor da Prodix Projetos
cel. 9900-0169 (11)
prodix@prodix.com.br         www.prodix.com.br

Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br .