Manipuladores industriais ajudam a reduzir
esforços, fadiga, acidentes e doenças ocupacionais

O critério do National Institute for Ocupational Safety and Health (NIOSH), dos Estados Unidos, que avalia as chances de um determinado levantamento manual de cargas acarretar uma lesão na coluna, trouxe grandes benefícios para os trabalhadores e um impacto para as empresas no sentido de diminuírem o peso que as pessoas devem levantar e/ou transportar.
O critério não faz restrições ao sexo do trabalhador, mas não resta a menor dúvida que uma redução no peso permitirá que mulheres desenvolvam trabalhos que atualmente são realizados por homens e que ambos, trabalhando dentro de parâmetros satisfatórios, diminuam a incidência e gravidade de lombalgias, reduzindo, consequentemente, os custos astronômicos sob o ponto de vista financeiro, humano e social que os afastamentos acarretam.
Sabemos que uma diminuição no peso do produto ou material a ser manipulado ou transferido de um lugar para outro no posto de trabalho ou entre postos de trabalho, poderá significar um aumento nos custos de produção, em função do aumento da frequência com que essas transferências se repetirão. Em muitos casos, não será possível uma redução satisfatória no peso final do produto ou material para adequá-lo aos parâmetros do Critério NIOSH, como por exemplo, no caso de determinados tipos de bobinas de fio ou papéis, bancos ou outros componentes de veículos, paletes de madeira, etc. Portanto, a manipulação destes pesos exigirá do trabalhador esforços acima dos quais ele está apto a movimentar.
Atualmente, o mercado brasileiro dispõe de uma série de equipamentos, entre eles os manipuladores industriais, que poderão auxiliar nessas transferências, minimizando esforços e poupando, consequentemente, a máquina humana, prevenindo acidentes e doenças ocupacionais (grande geradora de despesas), humanizando o local de trabalho e aumentando a produtividade.
O esforço para operar um manipulador é mínimo, pois a carga fica em uma condição próxima à de ausência de peso, semelhante a um balancim. Sua flexibilidade é grande e o operador pode facilmente movimentar objetos, independente do peso, da fragilidade e do grau de periculosidade que o mesmo apresenta.
A importância dos manipuladores como ferramenta de "apoio ergonômico" para eliminação de situações hostis no local de trabalho vem crescendo nos últimos anos.
Na compra de um manipulador recomendamos observar, entre outros itens, a sua funcionalidade, facilidade de operação, ergonomia dos comandos e adaptabilidade às características antropométricas dos operadores, porém não deixando de lado um bom treinamento do usuário, no momento da implementação.

maio/2000

Antonio Francisco Abrantes,
Instrutor da IMAM para o curso "Ergonomia Industrial".
Tel. (0--11) 5575 1400
 
  imam@imam.com.br

Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br .