MF - MDIC - CAMEX - MINCEX, QUAL É A SOBREVIDA?

Quando, finalmente, o país parece ter acordado de seu sono profundo em berço esplêndido e descoberto o comércio exterior, conforme já tivemos oportunidade de dizer neste espaço há pouco tempo, eis que as coisas parecem querer desandar novamente.
Este é o Brasil que parece não estar disposto a criar jeito e continuar com as mesmas manias de sempre, ou seja, querendo mudar tudo para não mudar nada e andar parado, e sabemos que só se anda dando passos efetivos, e para a frente, e em consonância com a sua necessidade de desenvolvimento.
O comércio exterior passou a ser uma prioridade, tendo sido tratado nos últimos meses como uma estrela, aquela capaz de iluminar os mais escuros caminhos para que seja trilhado com segurança.
A impressão dada é que agora as vendas externas seriam a salvação da lavoura, e a pasta da área era realmente a pasta da vez, com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ganhando de vez a maratona e erguendo finalmente o troféu vencido.
Os últimos acontecimentos parecem querer desmentir estes fatos, levando-nos a impressão de terem sido, novamente, mera ilusão de ótica.
É só acompanharmos os últimos desentendimentos entre o MDIC e a Receita Federal acerca das últimas medidas anunciadas para ressuscitar o comércio exterior, bem como a relutância, para dizer o mínimo, do MF dar poderes à Camex para que ela possa cumprir o seu papel, querendo mantê-lo num papel absolutamente secundáriio.
A pergunta, novamente, é: O comércio exterior é prioridade ou não? O desenvolvimento e o crescimento do país são prioridade ou não? É preciso definir e, mais do que separar abraços belicosos, é necessário que se tomem medidas corajosas que cumpram o seu papel, e as tentativas de contemporização de idéias, em detrimento do avanço, apenas para preservar colaboradores, precisam ser eliminados.
No inverno, quando as árvores e plantas estão feias, não se tiram apenas as suas folhas queimadas para que fiquem mais bonitas. O procedimento é a poda, e o mais radical possível, para que estas floreçam mais belas e joviais do que nunca, ou seja, completamente oxigenadas com o novo vigor da nova primavera que se aproxima. E assim vai se procedendo ao longo do tempo, eliminando aquilo que atrapalha. Quando necessário, também se joga terra nova, adubada, cobrindo a anterior.
Porque no desenvolvimento de um país isto deve ser tratado de forma diferente, com alguns atravancando o progresso com a interdição do caminho de outros?
É preciso radicalizar no entendimento e no bem-estar da nação, com a picuinhas sendo exterminadas, e não apenas ficarmos pensando que o que melhora o país é a exploração contínua do cidadão. Um aparte para dizer que, quanto menor for a renda pessoal de um indivíduo, menor será o seu consumo, levando a números negativos a economia.
Cabe uma pergunta bem apropriada neste momento, qual seja, qual é ainda o tempo de sobrevida do MDIC e da CAMEX? Quanto tempo ainda gente séria e disposta também a trabalhar pela nação suportará ver o seu trabalho não aparecer, ou pior ainda, não conseguir sequer realizá-lo e mostrar a que veio ao governo?
É preciso investir no comércio exterior, e criar sem mais delongas o seu próprio ministério, dando a ele, também, a chance já dada a outras áreas, de exercitar o poder para tentar reverter nossos atrasos de 508 anos.
É preciso tirarmos de nossa frente os humilhantes números que representam nossas relações comerciais externas, como o percentual de exportações de cerca de 10% do seu PIB, bem como os 0,8% de participação no comércio mundial que, diga-se de passagem, já foi de 1,5% há duas décadas.
É preciso aproveitarmos a chance que ora temos, antes tarde do que nunca, de termos homens de comércio exterior no governo, antes que os próximos convites nunca sejam aceitos por absoluta falta de confiança no que podem fazer.

dez/2000

Samir Keedi,
Professor universitário,
autor do livro Transportes e seguros no comércio exterior,
e tradutor do Incoterms 2000.

samir@aduaneiras.com.br

Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br .