A Logística para os Pequenos

O crescimento da logística no Brasil esta intimamente ligado a competitividade causada pela globalização e continua busca pela redução de custos através da otimização de processos. No caso específico de pequenas empresas, estas são fornecedoras e compradoras de inúmeras Cias entre elas grandes corporações e, por conta de fatos como a concorrência, perpetuação do negócio e desenvolvimento de mercado, se vêem obrigadas a dar atenção aos conceitos logísticos. Pequenas empresas, preocupadas com a produção, muitas vezes não avaliam de forma correta o custo total da sua logística ou seja da aquisição / produção / armazenagem e distribuição dos seus produtos, permitindo que empresas do mesmo porte e segmento, mais atentas as necessidades de mercado e aos conceitos logísticos coloquem os produtos no mercado com menor custo interno e externo no que diz respeito aos canais de distribuição em função da localização dos seus principais mercados.
A importância da logística hoje para o Brasil é fundamental para a continuidade do desenvolvimento, inúmeras empresas estão se instalando fora da região Sul e Sudeste e, em um país com território extenso passa a ser estratégico o abastecimento do mercado consumidor e o reabastecimento ( aquisição da matéria-prima ) da unidade fabril. É estratégico porque a política comercial de uma empresa, após definir o mercado de atuação, definirá também se irá possuir centros de armazenagem e distribuição próprios em outras cidades, ou armazenagem e distribuição a partir da fábrica, ou parceria com operador logístico, ou ainda uma operação de armazenagem e distribuição mista, indústria mais operador ou CD próprio mais operador. Qualquer que seja a opção, ela carece de um estudo apurado até porque é sabido que a distribuição é o item que mais contribui para o custo final do produto.
A visão que os empresários tem hoje a respeito da competitividade, demonstra a evolução da logística no país. Observamos também que a procura por mais informações através da literatura, sites, pós-graduação, MBA, cursos de educação continuada, eventos ligados a logística, são bem mais freqüentes que a quatro anos atrás. Existem ainda outros fatores que servem como indicativo de crescimento e um bom exemplo é o investimento dos governos em estradas, melhoria e privatização dos portos, construção de novos terminais aeroportuários, implementação de outros projetos para a rede fluvial , privatização das ferrovias. Embora sejam situações já exploradas, e focadas em infra estrutura, é inegável que fazer logística sem estas melhorias, mesmo que tímidas, dificultaria a logística.
Em 1994 quando a logística era vista ainda por multinacionais e poucos brasileiros como cenário irreversível, algumas empresas e pessoas passaram a difundi-la com maior intensidade. Fazer entender que a logística não era passageira, e como disse anteriormente trata-se da continuação dos negócios, focados no cliente e no cliente do cliente. Portanto é uma cadeia que exige conhecimentos de todos, haja visto que atualmente diversas indústrias estão voltadas única e exclusivamente para produção, deixando setores como compras, armazenagem, transportes, emissão de documentos, distribuição, enfim quase tudo aquilo que não agregava ou não era o foco do negócio, para especialistas e isso gerou economia para as empresas, melhor nível de atendimento e prazos menores para entrega .
Como resultado, a logística no Brasil e no mundo tende a aplicar, sempre, novas tecnologias e novos conceitos em busca da otimização de processos. Particularmente a logística tem crescido com grande intensidade no setor de serviços e, sem sombra de dúvida o incremento do e-commerce e B2B são âncoras e puxam outros setores que orbitam ao redor deste segmento.
O fato é que sempre alguém é fornecedor e este por sua vez e cliente. Observe os fornecedores de peças para montadoras automobilísticas ou indústria aeronáutica ou telecomunicações, envolvem grandes projetos logísticos no entanto estas indústrias que já terceirizaram parte de suas necessidades de materiais e serviços, sabem que estes terceirizados quarteirizaram parte destas atividades, mantendo a qualidade e cronograma.
Na verdade manter a qualidade e a transparência de atitudes voltadas para novas tecnologias, os pequenos, ganham de forma continua e uniforme.
Acho interessante salientar que as dificuldades das pequenas indústrias, seja de que segmento for, esta na possibilidade de formar associações para que juntas tenham o custo logístico atenuado e sua competitividade aumentada em relação aos que não participam deste evento. Hoje as exigências de mercado são muito maiores que em anos anteriores e seguramente serão nos próximos. E é interessante porque pouco se fala da logística reversa ou da logística de meio ambiente e, quando elas se integrarem no cotidiano de empresas que já desenvolvem projetos na área, será um novo nível de exigência para aquelas que não visualizam, neste momento, esta possibilidade no futuro próximo.
Na indústria de transportes, onde a logística desenvolve parte de sua estratégia, empresas prestadoras deste serviço precisam entender o mercado e suas exigências, agregar controles e serviços específicos a indústria de transportes, adquirir excelência na prestação de serviços candidatando-se a parceiros de operadores logísticos ou a parceiros de grandes empresas de transportes.
Anteriormente falamos em especialistas e esta palavra define tudo. Vou fazer o que faço de melhor, deixando as outras atribuições para outros melhor preparados ( especialistas ).

agosto/2000

Francisco Moreno,
Especialista em Logística
 
frmoreno@terra.com.br

Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br .